David Dellinger, foi um pacifista e ativista pela mudança social não violenta, se tornou um dos principais réus no estridente julgamento de conspiração política de Os 7 de Chicago

0
Powered by Rock Convert

David Dellinger, ativista de Os 7 de Chicago

 

David T. Dellinger (Wakefield, Massachusetts, 22 de agosto de 1915 – Montpelier, Vermont, 25 de maio de 2004), foi um pacifista e um ativista pela mudança social não violenta, cujo compromisso com a ação direta não violenta contra o governo federal o colocou na vanguarda do pacifismo radical americano no século 20 e o levou, mais notoriamente, a um tribunal em Chicago, onde se tornou um dos principais réus no estridente julgamento de conspiração política de Os 7 de Chicago.

 

Uma figura avuncular entre os rebeldes mais jovens e extravagantes, Dellinger emergiu na década de 1960 como o principal organizador de enormes manifestações anti-guerra, incluindo o cerco do Pentágono que foi imortalizado no relato de Norman Mailer Armies of the Night”, ao mesmo tempo, valendo-se de seus estreitos contatos com os norte-vietnamitas, conseguiu organizar a libertação de vários aviadores americanos mantidos como prisioneiros e escoltá-los de volta de Hanói.

 

No muitas vezes turbulento mundo da esquerda americana, Dellinger ocupou uma posição de consistência quase impassível. Ele não pertencia a nenhum partido e insistia que o capitalismo americano havia provocado racismo, aventuras imperiais e guerras e deveria ser combatido.

 

Filho de privilégios patrícios, ele desde seus dias em Yale aprendeu e praticou estratégias de desobediência civil em uma variedade de causas, mostrando firmemente o que ele chamava de sua preocupação com o pequeno, o variante, o não representado, o fraco, categorias que ele citou dos escritos de William James.

 

No tribunal federal de Chicago em 1969, quando o juiz Julius J. Hoffman presidiu o julgamento de oponentes da Guerra do Vietnã acusados ​​de conspiração criminosa e incitação à rebelião na Convenção Nacional Democrata um ano antes, David Dellinger pairou sobre seu réus em idade, experiência, peso e gravidade.

 

O próximo mais velho dos réus, Abbie Hoffman, era 20 anos mais novo, Julius J. Hoffman e Jerry Rubin eram Yippies que zombavam da autoridade em camisetas estreladas; David Dellinger preferia ternos discretos. Tom Hayden, Rennie Davis, John R. Froines e Lee Weiner lideraram movimentos estudantis; David Dellinger não.

 

Dentro desse buquê radical de representantes da chamada Nova Esquerda, Dellinger se destacou como um elo para uma linhagem pacifista local que tinha suas raízes na Velha Esquerda dos Estados Unidos.

 

Paul Berman, que escreveu sobre os radicais e revolucionários que ganharam proeminência nos anos por volta de 1968 em Tale of Two Utopias, disse que David Dellinger atingiu a maioridade em uma das menores correntes da esquerda americana – – o movimento do Rev. AJ Muste pelo pacifismo da Segunda Guerra Mundial, um movimento baseado em valores cristãos radicais e instintos vagamente anarquistas. Nenhuma pessoa racional observando aquele movimento durante os anos 1940 teria previsto qualquer sucesso, e ainda durante as próximas duas ou três décadas, o Sr. Dellinger e seus aliados pacifistas transformaram áreas inteiras da vida americana.

 

Berman disse que eles fizeram isso fornecendo liderança crucial na revolução dos direitos civis e desempenhando um papel central no movimento de massa contra a guerra no Vietnã.

 

“O próprio Dellinger”, disse Berman, “se tornou o líder mais importante do movimento nacional antiguerra, em seu auge, de 1967 até o início dos anos 1970. Você poderia questionar alguns de seus julgamentos políticos, mas ele sempre foi sóbrio, sempre decidido, sempre altruísta e sempre corajoso.

 

Se seus co-réus em Chicago capturaram a maior parte da atenção da mídia, aos olhos do juiz Julius J. Hoffman, foi David Dellinger o mais culpado. O júri absolveu todos os sete por conspiração, mas considerou todos, exceto Lee Weiner e John R. Froines, culpados de incitar a rebeliões. Dos condenados, Dellinger recebeu a pena mais severa do juiz Hoffman, cinco anos de prisão e multa de US $ 5.000. Ele também foi condenado a dois anos e cinco meses com base em 32 citações de desacato criminal por comentários que fez durante o julgamento de cinco meses, que terminou em fevereiro de 1970.

 

Dois anos depois, com todos os réus livres sob fiança, um tribunal de apelação, citando conduta prejudicial do juiz Hoffman, anulou as condenações por incitação à rebelião. No ano seguinte, outro tribunal manteve a condenação por desacato de Dellinger, mas se recusou a impor a sentença.

 

David Dellinger era segundo seus próprios pontos de vista mais radical do que muitos de seus compatriotas, uma figura que frequentemente encontrou as estratégias e táticas de colegas próximos como o Rev. Dr. Martin Luther King Jr. e o Sr. Muste, seu mentor em pacifismo radical, conciliador demais.

 

Quando David Dellinger era jovem, ele tinha, por experiência, dirigido vagões de carga com vagabundos durante a Depressão. Logo depois, ele dirigiu uma ambulância atrás das linhas legalistas na Guerra Civil Espanhola e viajou pela Alemanha para testemunhar a ascensão do poder nazista. Ele resistiu ao alistamento e na prisão participou de greves de fome para integrar o refeitório da prisão de Danbury. Ele editou a revista Liberation, que o Sr. Mailer certa vez descreveu como uma revista anarquista-pacifista de artigos valiosos, mas não muito legíveis em prosa mais ou menos vegetariana.

 

Na década de 1940, David Dellinger conheceu Elizabeth Peterson em uma reunião de estudantes cristãos e eles se casaram.

 

David Dellinger nasceu em Wakefield, Massachusetts, em 22 de agosto de 1915. Seu pai, Raymond, era advogado e presidente do Partido Republicano da cidade, influente o suficiente para levar seu filho a um almoço particular na Casa Branca com Calvin Coolidge. Sua avó era ativa nas Filhas da Revolução Americana.

 

Como seu pai, ele foi para Yale, onde se saiu bem nos estudos e foi eleito capitão da equipe de cross-country. Ele também se tornou amigo íntimo de Walt W. Rostow, que anos mais tarde o enfrentaria do outro lado das barricadas como conselheiro sênior dos presidentes John F. Kennedy e Lyndon B. Johnson no Vietnã. Ele foi atraído para o pacifismo por meio de leituras de Tolstoi e, mais particularmente, de O Poder da Não Violência, de Richard Gregg, um americano que havia passado anos trabalhando com Mahandas K. Gandhi.

 

Mas seu compromisso pessoal com a não violência veio depois de um jogo de futebol em que Georgia venceu Yale. Os moradores da cidade de New Haven, que se ressentiam dos estudantes de Yale, invadiram o campo e derrubaram as traves. O Sr. Dellinger juntou-se à confusão e perseguiu um jovem, a quem bateu e deixou inconsciente. Ele lembrou: “Jamais esquecerei o horror que senti no instante em que meu punho atingiu a carne sólida. Quando minha vítima caiu, eu caí de joelhos, levantei sua cabeça e o embalei até que ele acordasse. Eu o acompanhei para casa. Nunca mais vi meu inimigo.

 

Ele prometeu que nunca mais bateria em ninguém e rejeitou toda a violência.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Em Exércitos da Noite, o relato de Mailer sobre a famosa marcha de protesto contra a guerra no Pentágono em 1967 que Dellinger ajudou a organizar com Rubin, o escritor comparou o líder radical em ação não violenta a um ex-oficial em uma reunião de Yale. Ele tinha o senso trabalhador, modestamente gregário e absolutamente dedicado de como a missão e os detalhes se interligam, o que é tão necessário para os agentes de boa classe, aquela rara mistura de incorruptibilidade da Nova Inglaterra e boa camaradagem.

 

David Dellinger formou-se magna cum laude em Yale em 1936 em economia. Ele recebeu uma bolsa que o permitiu estudar em Oxford, onde seu interesse pelo pacifismo se aprofundou. Retornando aos Estados Unidos, ele ingressou no Union Theological Seminary em Nova York, com a intenção de se tornar um ministro, embora nunca tenha chegado a escolher uma denominação. Em 1940, quando as nuvens da guerra se acumularam, os Estados Unidos exigiram que os homens se registrassem para o alistamento. David Dellinger e sete outros seminaristas anunciaram que se recusariam a fazê-lo, apesar das garantias de que, como candidatos ao ministério, não seriam empossados ​​no Exército. Ele escreveu que aceitar tal isenção de fato significaria, nos termos de Gandhi, cumplicidade com a violência.

 

David Dellinger, que era presidente de sua classe no seminário, foi expulso com os outros dissidentes e denunciado do púlpito por proeminentes clérigos de todo o país pelo que alegavam ser seu patriotismo duvidoso. David Dellinger estava morando em um bairro negro em Newark com vários outros resistentes ao recrutamento. David Dellinger foi julgado por evasão de convocação, condenado e enviado para a prisão de Danbury por um ano. Em 1943, com os Estados Unidos em guerra, David Dellinger voltou a Newark e foi novamente convocado para se apresentar para um exame físico antes da indução. Novamente ele se recusou a relatar. Ele foi preso e condenado por evasão de alistamento militar e enviado para Lewisburg, uma prisão de segurança máxima, por dois anos.

 

Em 1956, junto com o Sr. Muste e Dorothy Day, o anarquista católico, ele fundou o Liberation, eventualmente se tornando seu editor e editor. Foi a escalada da guerra no Vietnã que trouxe David Dellinger uma maior proeminência. Em 1965, ele ajudou a patrocinar a primeira grande manifestação anti-guerra em Nova York, que ocorreu em outubro, envolvendo grupos liberais e radicais. Dellinger, junto com alguns outros oponentes da guerra, enviou convites a grupos anti-guerra para se juntarem a outro protesto contra a guerra durante a Convenção Nacional Democrata em Chicago em agosto de 1968, enfocando o que foi antecipado como a renomeação do presidente Johnson. Embora Johnson tenha se recusado a concorrer novamente, grupos se concentraram em Chicago, onde violentos confrontos com a polícia levaram às acusações que levaram às acusações do Chicago Seven e de Bobby Seale dos Panteras Negras. Por um tempo foi o Chicago 8, mas o juiz Hoffman fez com que Seale fosse removido do julgamento e do tribunal depois de ordenar que ele fosse amarrado e amordaçado, depois que ele insistiu que estava sendo negado seu direito a um advogado de sua escolha.

 

Mesmo antes de o julgamento terminar, Dellinger, que já havia estabelecido contatos próximos no Vietnã do Norte, voou para Hanói em agosto de 1969 para escoltar de volta para casa três militares americanos que haviam sido mantidos como prisioneiros. Ele fez uma viagem semelhante em 1972 e, durante grande parte da guerra, serviu como um canal para o Vietnã do Norte, informando ao governo de Hanói que os americanos deveriam ter permissão para visitá-lo e tomando providências para viagens e vistos. Durante as negociações de paz em Paris, foi consultor da delegação norte-vietnamita.

 

Na década de 1970, David Dellinger e sua família se mudaram para uma casa em uma estrada de terra em Peacham, Vt., Onde ele viveu o que descreveu como uma vida precária ensinando no programa de educação de adultos no Vermont College em Burlington e escrevendo. Além de sua autobiografia, ele escreveu Revolutionary Nonviolence (Anchor Books, 1971), More Power Than We Know (Anchor Books, 1975) e Vietnam Revisited (South End Press, 1986).

 

A dedicatória deste último dizia: “A todos os veteranos da Guerra do Vietnã; aqueles que lutaram nele e aqueles que lutaram contra ele.”

 

David Dellinger faleceu em 25 de maio de 2004, em um asilo em Montpelier, Vermont. Ele tinha 88 anos.

Sua morte foi relatada por Peggy Rocque, a administradora da casa, Heaton Woods.

(Fonte: https://www.nytimes.com/2004/05/27/politics – New York Times Company / POLÍTICA / De Michael T. Kaufman – 27 de maio de 2004)

 

 

 

 

‘Os 7 de Chicago’ usa caso judicial do passado para alertar sobre presente

 

 

No filme, Aaron Sorkin recria julgamento célebre pela má-fé, e avisa: se tal degeneração política já era escandalosa em 1969, retomá-la hoje é inaceitável

 

David Dellinger

PROTESTO HIPPIE - Cohen e Strong como dois dos manifestantes: diálogos cortantes e atuações fora de série – (Crédito: Niko Tavernise/Netflix)

 

Se não tivesse acontecido de fato, pareceria arroubo de roteirista excessivamente imaginativo: em pleno ano de 1969, o juiz mandou que o réu, único negro entre os acusados, permanecesse amarrado e amordaçado na sala do tribunal, por “insubordinação”. Tomou essa atitude chocante depois de ter negado repetidas vezes a Bobby Seale, um dos líderes dos Panteras Negras, seu direito a um advogado de defesa; o advogado nomeado estava hospitalizado, mas o juiz Julius Hoffman não viu nisso nenhum impedimento processual.

 

Se havia outros advogados presentes ali, que se considerasse o direito cumprido, ora, ainda que Seale não fosse cliente deles e não quisesse sê-lo. Detalhe adicional: Seale não estivera presente aos eventos pelos quais o conjunto de réus estava sendo julgado. Quando, em 28 de agosto de 1968, a polícia partiu com tudo para cima dos manifestantes que havia dias se reuniam em Chicago, ele já tinha ido embora. A violação cometida pelo juiz foi tão abusiva que o caso do Pantera Negra acabou sendo desmembrado do restante do processo. Restaram, assim, “os 7 de Chicago”, como ficaram conhecidos os ativistas de tendências diversas, das mais brandas às mais combativas, julgados pelos protestos que marcaram a Convenção Nacional do Partido Democrata no verão de 1968. Por cerca de seis meses, o que se viu no tribunal foi uma farsa tão sinistra nas intenções e tão escancarada na execução que muitas vezes chegou a ser cômica.

 

Nem tudo que é cômico, porém, é engraçado, argumenta o roteirista e diretor Aaron Sorkin no agilíssimo Os 7 de Chicago (The Trial of the Chicago 7, Estados Unidos, 2020), que está disponível na Netflix a partir desta sexta, 16 — e cerceamento de expressão, distorção da Justiça, abuso de força armada e achaque por meio de poder político não são piada, ainda que perpetrados por bufões como Julius Hoffman (no filme, Frank Langella, em uma atuação brilhante em sua obtusidade) ou, nem é preciso dizer, Donald Trump, cujo governo é o verdadeiro alvo desta formidável reencenação.

 

Sorkin é o mais notável roteirista em atividade no cinema e na televisão, e construiu sua carreira como uma defesa contínua dos mecanismos que garantem a democracia e, ao mesmo tempo, como uma investigação dos vícios e tentações que a ameaçam. Da série The West Wing à mais recente The Newsroom, e de A Rede Social a Steve Jobs, seus roteiros dramatizam as várias facetas do eterno cabo de guerra entre poder e abuso. Os 7 de Chicago, entretanto, vai algo além: ao assombro por a democracia ter se demonstrado tão frágil no adiantado ano de 1969, soma-se a consternação por, cinco décadas depois, ela ter novamente degenerado até um ponto ainda mais extremo. Racismo declarado e ativo, repressão e criminalização da expressão pública, chicanas políticas e jurídicas empregadas na coação de desafetos — aquilo que o filme reconstitui é o que se repete, hoje, no noticiário.

 

SEM DIREITOS - Abdul-Mateen, como Seale, com Rylance, como um advogado: amordaçado no tribunal – Niko Tavernise/Netflix

SEM DIREITOS - Abdul-Mateen, como Seale, com Rylance, como um advogado: amordaçado no tribunal – (Crédito: Niko Tavernise/Netflix)

 

 

De facções radicais a facções brandas, os manifestantes que se juntaram em Chicago em 1968 queriam protestar sobretudo contra a atitude pouco enérgica de Hubert Humphrey, o candidato democrata à Presidência, quanto à presença americana no Vietnã e à escalada do recrutamento compulsório de tropas. Todos os grupos que rumaram para a cidade pediram à prefeitura a designação de um local para se reunir: todos tiveram o pedido negado, numa manobra para tornar ilegais as manifestações. Foram assim mesmo, e toparam com a violência crescente da polícia — que, segundo o relatório interno elaborado pelo governo do presidente Lyndon Johnson, foi a incitadora da batalha que eclodiu em 28 de agosto, pela força desproporcional com que agiu e por ter deliberadamente encurralado os manifestantes em um parque. Ocorre que Humphrey perdeu a eleição para o republicano Richard Nixon, cujo procurador-geral detestava o antecessor — e, para fazer pirraça ao antigo ocupante do cargo e porque compartilhava dos pendores autoritários de seu chefe, ele decidiu desprezar as conclusões da investigação e processar as lideranças. Com o ditatorial e petulante Hoffman batendo o martelo no tribunal, o jogo já começou com as cartas marcadas.

 

A palavra-chave nos roteiros de Sorkin é “dramatização”: quando necessário, ele rearranja datas, fatos e personagens para chegar pelo melhor caminho à essência que deseja comunicar. A história de Os 7 de Chicago, contudo, pouco exige esse recurso: nem o episódio do ex-procurador-geral da República que teve o testemunho jogado fora (ele falou pela defesa) teve de ser inventado, tais as doidices que transcorreram ali. Onde Sorkin põe sua marca inconfundível é nos diálogos ultra-articulados, incisivos e saborosíssimos, magnificamente defendidos por um elenco que inclui Mark Rylance, Sacha Baron Cohen, Jeremy Strong, Michael Keaton, Joseph Gordon-Levitt, Yahya Abdul-Mateen II e Eddie Redmayne (este, no papel de Tom Hayden, que depois teve longa carreira política e se casou com a atriz e também ela ativista Jane Fonda). É duvidoso que tanta gente tenha esgrimido as palavras com tanta eloquência, durante tanto tempo, no mesmo lugar. Sobre o que Sorkin tem a dizer por meio de seus personagens, porém — aí não há dúvida nenhuma.

(Fonte: https://veja.abril.com.br/blog/isabela-boscov – CULTURA / Por Isabela Boscov – 16 out 2020)

Publicado em VEJA de 21 de outubro de 2020, edição nº 2709

Powered by Rock Convert
Share.