Dario Alegria, foi destaque no ataque ao lado de Jair Bala no Coelho. Conquistou títulos no Palmeiras e jogou no México, pelo Monterrey

0
Powered by Rock Convert

Dario Alegria, ex-jogador de América-MG e Palmeiras

No Coelho, onde ele começou carreira profissional, Dario foi destaque no ataque ao lado de Jair Bala. Conquistou títulos no Palmeiras e jogou no México, pelo Monterrey

 

Dario (o penúltimo agachado) no América-MG em 1964. (Foto: Divulgação/Palmeiras)

 

 

Jurandir Dario Gouveia Damasceno (Paracatu, 5 de abril de 1944 – Paracatu, 9 de outubro de 2021), ex-atacante mais conhecido como Dario Alegria, foi formado pelo América-MG na década de 1960 e atuou pelo Palmeiras na época da Academia.

 

Neto de escravo, filho de garimpeiro e primo do ex-ministro do Superior Tribunal Federal (STF) Joaquim Barbosa, Dario passou parte da infância no quilombo Muriti do Costa, em Paracatu, na região noroeste de Minas Gerais. Entre os séculos XVII e XIX, os quilombos eram comunidades onde se refugiavam os escravos africanos que conseguiam escapar.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

O ex-jogador, que atuou pelo América-MG e Palmeiras, era mineiro, de Paracatu, e iniciou sua carreira no América-MG, sendo campeão do Campeonato Mineiro de 1971, ano em que o time alviverde levou o troféu de forma invicta. Dario atuou no clube ao lado de nomes como Jair Bala e Dirceu Alves.

 

Chamado de Leopardo das Alterosas, o atacante era destaque no ataque do América, e chamou a atenção de outros times do Brasil. Na época, ele foi procurado por Corinthians, Santos e Botafogo, mas o Palmeiras foi quem ficou com Leopardo. No Verdão, Alegria foi campeão do torneio Rio-São Paulo de 1965, do Campeonato Paulista de 1966 e do Robertão de 1967.

 

O atacante também passou por outros grandes clubes e chegou a defender uma equipe no exterior. Dentre as equipes por onde Dario passou estão Fluminense, Flamengo, Botafogo de Ribeirão Preto, Caldense, Villa Nova e o Monterrey, do México.

Fora dos gramados, Dario Alegria também dedicou sua história em prol das comunidades negra e quilombola e foi presidente do Instituto de Defesa da Cultura Negra Afrodescendente – Fala Negra – em Paracatu, sua cidade natal, onde passou seus últimos dias.

Dario Alegria faleceu aos 77 anos após complicações por conta de um AVC, em um hospital de Paracatu. Ele enfrentava complicações de saúde nos últimos cinco meses.

(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/esportes/noticias – ESPORTES / NOTÍCIAS / por Gazeta Esportiva – 10/10/2021)

(Fonte: https://ge.globo.com/mg/futebol/noticia – FUTEBOL / NOTÍCIA / Por Redação do ge — Belo Horizonte – 10/10/2021)

Powered by Rock Convert
Share.