O primeiro brasileiro a se sagrar campeão mundial de boxe amador

0
Powered by Rock Convert

O primeiro brasileiro a se sagrar campeão mundial de boxe amador

Brasileiro fatura ouro inédito para o país no Mundial de boxe
O brasileiro Everton Lopes (39º do ranking da categoria até 64 kg) derrotou o ucraniano Denys Berinchyc por 26 a 23, neste sábado, e conquistou uma inédita medalha de ouro para o Brasil no Mundial de boxe amador, no Azerbaijão.

O baiano de Salvador já tinha feito história ao avançar para a final da competição pela primeira vez na história do país. Na sexta, ele venceu o italiano Vincenzo Mangiacapre (28º) por 16 a 7.
Na decisão da categoria meio-médio-ligeiro, o ucraniano demonstrou uma excelente performance, atacando o brasileiro com sucessivos golpes.

Entretanto, Everton não se intimidou com as investidas do rival, que até então havia atropelado todos os seus adversários, e revidou demonstrando muita técnica e garra.
“Eu sabia que ele viria para dentro, mas, graças a Deus, eu consegui vencer”, disse o campeão.

Além do ouro conquistado por Everton, o Brasil faturou o bronze com Esquiva Florentino (até 75kg). Os medalhistas, juntos com Robson Conceição, que foi nono na categoria leve, garantiram vaga em Londres-2012.
(Fonte: www1.folha.uol.com.br/esporte – MARIANA BASTOS DE SÃO PAULO – 09/10/2011)

Dono de ouro inédito no boxe diz que lutou com braço dolorido

Mesmo com o braço esquerdo dolorido, Everton Lopes, 22, conseguiu realizar seu sonho. O baiano se tornou no domingo o primeiro brasileiro a se sagrar campeão mundial de boxe amador.

Lopes entrou para a história ao derrotar o ucraniano Denis Berinchyc na final da categoria meio-médio-ligeiro (até 64 kg) por 26 a 23.

“No fim, senti muita dor no braço. Mas lembrei que a luta estava passando ao vivo no Brasil. Aí, veio a vontade de ser vitorioso”, disse Lopes, já classificado para os Jogos de Londres-2012, à Folha.

oexploradorPowered by Rock Convert

O brasileiro contou que machucou o braço já na estreia, contra o mexicano Juan Romero. Venceu as cinco lutas seguintes no sacrifício. Para amenizar as dores, contou com o apoio do fisioterapeuta Danilo Grisanti, que o submeteu todos os dias a imersões no gelo na banheira de hidromassagem.

“Se não fosse o Danilo, não teria conquistado essa medalha”, disse o atleta, grato. O duelo com o ucraniano foi um dos melhores entre as finais disputadas em Baku (Azerbaijão), sede do Mundial.

Os dois atletas trocaram golpes durante praticamente todos os três rounds. Berinchyc chegara à final com fama de demolidor.

“Vi que, nas lutas anteriores, ele partia para cima e ganhava na raça. Então, decidi que ia ficar no centro, trocando socos e ver no que ia dar”. A estratégia deu certo. Apesar da agressividade do rival, Lopes não se intimidou e já no primeiro round abriu vantagem expressiva de 8 a 3.

“Como eu estava na frente, minha estratégia era não deixar ele vir muito para cima. Mas, no terceiro round, senti cansaço e meu braço estava fraco. Tive que usar um pouco de malandragem para conseguir manter a vantagem”.

Ao subir ao topo do pódio, o baiano diz ter lembrado dos momentos de sua vida, enquanto segurava as lágrimas durante o hino brasileiro. De origem humilde, Lopes dedicou a vitória a todas as pessoas que acreditaram nele.

Dois nomes se destacaram na lista, o de sua mãe e o de Washington Silva, pugilista que o inspirou a começar sua trajetória nos ringues. O campeão mundial lembrou que passou momentos difíceis aos 16 anos, quando chegou a São Paulo para treinar e tinha que pedir dinheiro à mãe.

“Na época, ela estava desempregada e recebia só uma pensão do meu pai de R$ 250. Mesmo sem poder, ela me mandava dinheiro. Nós fomos muito guerreiros”, contou Lopes, que, na adolescência, lavava carros nas ruas.

Com um sonho realizado, quer conquistar outro. “Espero que, com essa medalha, possa conseguir um dia dar uma casa para minha mãe”.
(Fonte: www1.folha.uol.com.br/esporte – MARIANA BASTOS DE SÃO PAULO – 09/10/2011)

Powered by Rock Convert
Share.