Foi o primeiro tenista negro a se tornar profissional

0
Powered by Rock Convert

Bob Ryland, o primeiro tenista negro a se tornar profissional

 

Bob Ryland (Chicago em 16 de junho de 1920 – Provincetown, Massachusetts, 2 de agosto de 2020), um elo frequentemente esquecido entre Althea Gibson e Arthur Ashe, que quebrou a barreira da cor no tênis americano, tornando-se o primeiro jogador negro do esporte a se tornar profissional.

Com um estilo de linha de base agressivo e uma tacada curta e perigosa, Ryland foi uma figura dominante nos torneios de tênis dos anos 1940 e 50 – pelo menos aqueles que o deixavam jogar. Seu amigo Bob Davis, presidente do Black Tennis Hall of Fame, lembrou que os jogadores afro-americanos eram rotineiramente proibidos de participar de torneios do sul quando os organizadores “olhavam para você e viam quem você era”.
“Deve ter sido horrível para ele”, disse Davis em uma entrevista por telefone. “Ter que lidar com fontes de água ‘coloridas’ e sem acesso a restaurantes ou hotéis – para ele ser convidado para jogar neste circuito profissional foi um grande avanço, em muitos aspectos.”

Bob Ryland foi um dos primeiros jogadores negros a competir no torneio de tênis masculino da NCAA, chegando à terceira rodada em 1946 enquanto jogava pelo que hoje é a Wayne State University em Detroit. Em 1958, ele se tornou o primeiro jogador negro a se tornar profissional quando o promotor Jack March o recrutou para o Campeonato Mundial Profissional, onde competiu ao lado das estrelas Pancho Gonzales e Lew Hoad.

Estreando profissionalmente em Cleveland aos 37 anos, perdeu para o brasileiro Armando Vieira por 6 a 0. Uma história do Detroit Tribune na época chamou a partida de “outro marco nos esportes para atletas bronzeados”.

Bob Ryland também foi o primeiro jogador negro a competir no Los Angeles Tennis Club e, de acordo com uma reportagem do Washington Post, ele se tornou o primeiro assistente negro em um clube de tênis ou golfe em DC quando começou a treinar no St. Albans no meio 1960s, ao lado da instituição de tênis local Allie Ritzenberg.

Ele ensinou os fundamentos do tênis para o secretário de Defesa Robert S. McNamara e seguiu para uma carreira de seis décadas como técnico, trabalhando com jogadores como Bruce Foxworth, Harold Solomon e Leslie Allen, que se tornou a 17ª jogadora do mundo. Ele também treinou Serena e Venus Williams por um breve período e deu aulas para Ashe, o primeiro negro a vencer o Aberto dos Estados Unidos.

“Meu único sonho no tênis era me tornar bom o suficiente para vencer Bob Ryland”, disse Ashe certa vez, de acordo com o Wall Street Journal. A estrela do tênis estava às vésperas de vencer seu primeiro campeonato nacional júnior quando Ryland recebeu um convite para o Campeonato Nacional dos Estados Unidos, mais tarde conhecido como Aberto dos Estados Unidos, em 1955, cinco anos depois de Gibson se tornar o primeiro jogador negro a competir lá.

oexploradorPowered by Rock Convert

Aos 35 anos, Ryland havia perdido um pouco da velocidade e da força de sua juventude, mas acabara de ganhar seu primeiro de dois títulos consecutivos na American Tennis Association, uma das organizações esportivas negras mais antigas do país. Ele perdeu para Robert Perry em dois sets no primeiro round, em Forest Hills, no Queens.

“No meu auge, acho que poderia estar lá entre os dez primeiros”, disse ele ao New York Times em 1964“Olhando para trás ao longo dos anos”, acrescentou ele, “sempre me pergunto se eu poderia ter feito algo grande, com o apoio certo, como Althea Gibson ou Arthur Ashe. Mas acho que ainda estou batendo na bola muito bem.”

Em uma entrevista por telefone, Allen chamou Bob Ryland de “a constante em minha carreira”, lembrando que ela o conhecia desde a infância, quando ele era amigo de sua mãe e a encorajava mesmo quando Allen tinha pouco interesse por tênis.

“Tudo o que ele queria que você fizesse, ele poderia executar lindamente, e isso nem sempre é o caso com um treinador”, disse ela. Só mais tarde ela soube de seu passado pioneiro – entrando sorrateiramente em hotéis só para brancos onde seus colegas de faculdade estavam hospedados, treinando em clubes que não permitiam jogadores negros, “ensinando em um esporte que nem sempre envolvia você”.

“Ele lançou as bases para muitos”, disse ela. “Eu já disse isso antes, mas as pessoas ficam em seus ombros e nem sabem quem ele é”.

Robert Henry Ryland Jr. nasceu em Chicago em 16 de junho de 1920. Ele tinha um irmão gêmeo que morreu no ano seguinte, e sua mãe morreu de tuberculose logo depois. Seu pai, um funcionário dos correios, o enviou para Mobile, Alabama, onde ele morou com sua avó materna na década seguinte.

Enquanto estava lá, ele colheu algodão com seu bisavô, que havia sido escravizado, e assistiu à Ku Klux Klan matar um de seus primos. Os vizinhos foram linchados e pendurados em árvores. “Todos os dias, morria de medo”, disse ele ao Jornal em 2019.
De volta a Chicago, ele se jogou no tênis, recebendo dicas de seu pai. Em 1939, ele ganhou o título de colégio estadual e o campeonato de solteiros de até 18 anos da ATA. Ele também ganhou uma bolsa de estudos para a Xavier University of Louisiana, uma escola historicamente negra católica em Nova Orleans, onde jogou antes de entrar para o Exército durante a Segunda Guerra Mundial.

De licença em 1944, ele jogou uma partida de exibição inter-racial em Nova York, fazendo parceria com Alice Marble contra Reginald Weir e Mary Hardwick da Grã-Bretanha. Mais tarde, ele lembrou que Marble perguntou a ele sobre Gibson, então um adolescente promissor competindo na ATA. Na época, a US Lawn Tennis Association – mais tarde conhecida como USTA – efetivamente presidia uma liga exclusivamente para brancos.

“Eu disse a ela que ela era muito boa, que ela poderia ser a número um do mundo”, disse Ryland ao Palm Springs (Califórnia) Desert Sun em 2000. “Ela voltou e falou com o USTA, e no próximo coisa que eu sei, eles ligaram para o ATA e disseram que iriam colocá-la e deixá-la jogar.”
Bob Ryland mais tarde retomou sua carreira universitária de tênis na Wayne State University e na Tennessee Agricultural & Industrial State University (agora Tennessee State University), uma escola historicamente negra em Nashville onde ele competiu como treinador-jogador e recebeu o diploma de bacharel em educação física.

Ele estava trabalhando no YMCA de Montclair, Nova Jersey, quando começou a jogar profissionalmente, e mais tarde treinou de 1963 a 1990 no Midtown Tennis Club em Nova York, onde conheceu Ingersoll quando ela trouxe seu filho para as aulas. “Ele era a coisa mais tranquila na quadra”, disse sua esposa em uma entrevista por telefone. “Ele era como um peixe na água.”

Ryland foi introduzido no Black Tennis Hall of Fame em 2009 e competiu em torneios em seus meados dos anos 80, de acordo com sua esposa. Mas seu foco estava no treinamento, em parques públicos e também em clubes, onde ensinou celebridades como Tony Bennett, Bill Cosby, Dustin Hoffman, Barbra Streisand e Mike Wallace.

“Pode ser difícil ensinar estrelas”, disse ele à revista New York em 1981. “Eles têm problemas para descer de seus pedestais do ego. Bill Cosby achava que já sabia fazer tudo e não precisava ser ensinado. Barbra Streisand tinha um fotógrafo o tempo todo. O segredo é manter a mente tranquila nas quadras”.

Bob Ryland faleceu em 2 de agosto na casa de seu enteado em Provincetown, Massachusetts. Ele tinha 100 anos.

A causa foram complicações de pneumonia por aspiração, disse sua esposa, Nancy Ingersoll. Eles moravam na cidade de Nova York antes de partir em março “para fugir da cobiça”, disse ela, acrescentando que Ryland estava se recuperando de uma queda antes de ser hospitalizado por pneumonia.

(Fonte: https://www.washingtonpost.com – ESPORTE / TÊNIS / De Harrison Smith Repórter – 14 de agosto de 2020)

Powered by Rock Convert
Share.