Elizabeth Jennings, foi uma das poetisas mais populares da Grã-Bretanha, recebeu o prêmio literário WH Smith em 1987

0
Powered by Rock Convert

Elizabeth Jennings foi uma das poetisas mais populares da Grã-Bretanha, seu trabalho era famoso por suas imagens, lógica e sensibilidade emocional

 

 

Elizabeth Joan Jennings (Boston, Reino Unido, 18 de julho de 1926 – Bampton, Reino Unido, em 26 de outubro de 2001), poetisa inglesa.

 

“Só uma coisa deve ser expulsa”, escreveu a poetisa Elizabeth Jennings nascida em 18 de julho de 1926, “e essa é a vaga. Só a verdadeira clareza alcança as alturas e as profundezas da compreensão humana, e mais do que humana.” As palavras são de seu estudo com autores do século 20, Seven Men Of Vision (1976), que incluiu reflexões sobre Yeats, DH Lawrence, Pasternak e St-Exupéry; mas eles resumem perfeitamente as aspirações e realizações de sua própria poesia.

 

O pai de Elizabeth, Henry Cecil Jennings, era médico-chefe de sua cidade natal, Boston, Lincolnshire, cujos arredores – “uma terra plana de beterrabas e tulipas” – seriam vividamente recriados em alguns de seus poemas posteriores. Quando ela tinha seis anos, a família mudou-se para Oxford, onde ela estudou no colégio Oxford e descobriu a poesia. Encantada, a princípio, com os ritmos da Batalha de Lepanto de Chesterton, ela logo mudou para Keats e Coleridge, e começou a escrever seus próprios poemas.

 

Quando ela tinha 13 anos, a segunda guerra mundial estourou; mais ou menos na mesma época, ela começou a encontrar a religião – ela nasceu católica – “uma parte real e importante da minha vida e, por ser importante, tendia a me preocupar muito”. Preocupações espirituais e uma sensação de vulnerabilidade, muitas vezes resultando em uma profunda sensibilidade ao sofrimento dos outros, se tornariam elementos importantes em sua produção.

 

Depois de ler inglês no St Anne’s College, em Oxford, Jennings tornou-se bibliotecário na biblioteca da cidade de Oxford. Poesia era, a essa altura, seu principal interesse, e sua primeira coleção, Poems (1953), publicada pela Fantasy Press, chamou a atenção de Robert Conquest, que incluiu seu trabalho com o de Kingsley Amis, Philip Larkin, Thom Gunn, John Wain e outros em sua antologia New Lines de 1956, lançando o que ficou conhecido como “O Movimento”.

 

Jennings foi a única colaboradora feminina, e o primeiro poema curto em sua seção do livro, Delay (que permaneceu a abertura de todos os volumes subsequentes coletados e selecionados) tinha a nota inconfundível de um clássico.

 

Desde sua proposição científica de abertura, “O esplendor daquela estrela que se apoia em mim / Estava brilhando anos atrás”, até sua triste e muda conclusão de que “o amor que chegou pode nos encontrar em outro lugar”, o poema de oito versos sintetizou o caminho de sua obra tomaria: o caminho da técnica verso tradicional impecável, imagens nítidas, pensamento lógico e sensibilidade emocional.

 

“O Movimento”, se é que existia, perdeu destaque à medida que os poetas seguiram caminhos separados, mas Jennings continuou, com notável tenacidade, a trabalhar em seu próprio estilo enganosamente simples, desenvolvendo uma voz exclusivamente pessoal.

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Ela deixou a biblioteconomia para se tornar uma leitora da editora Chatto and Windus de 1958 a 1960, e depois disso escreveu regularmente críticas de poesia para o Daily Telegraph. Enquanto isso, os poemas eram escritos de forma constante e prolífica – “Eu escrevo rápido e reviso muito pouco”, ela confessou – com um novo volume aparecendo a cada dois ou três anos, uma obra que totalizou, no final, quase 30 livros.

 

O trabalho de Jennings, embora consistente em tom, não era repetitivo. Houve um crescimento constante na intensidade emocional e em sua vontade de abordar assuntos desconfortáveis, e cada volume continha pelo menos alguns poemas de poder surpreendente, como em One Flesh (publicado em The Mind Has Mountains, 1966), onde tristemente e amorosamente descrito casal de idosos “Deitados agora, cada um em uma cama separada” são finalmente identificados como os pais do poeta, “Cujo fogo de onde eu vim, agora esfriou.”

 

Um colapso no início dos anos 1960 resultou em alguns poemas experimentais mal julgados, mais tarde suprimidos, em formas tipográficas recortadas, mas também na soberba Sequence In Hospital, publicada em Recoveries (1964), que explora a experiência da hospitalização com clareza impiedosa: “O que dizer primeiro? Aprendi que estava com medo / O medo tornou-se absoluto e me tornei / Sujeito a ele; ele acenou, eu obedeci.” Viajar na Itália levou a um envolvimento duradouro com a cultura italiana e uma tradução de Os Sonetos de Michelangelo (1961), que ainda é a versão padrão e permanece insuperável.

 

Tornando-se, quase sem perceber, um dos poetas mais populares da Grã-Bretanha, Jennings também foi, a partir dos anos 1960, um mentor importante para gerações de poetas estudantes, que seriam convidados para um chá e uma crítica simpática em seus modestos alojamentos no norte de Oxford, onde todos os horizontes a superfície estava repleta de uma variedade fantástica de bugigangas de porcelana, animais de vidro, móveis de casa de boneca e caixas de música – as “coleções” que ela deu como hobby em Quem é Quem.

Ela nunca se casou, embora tenha havido um noivado precoce, e Oxford continuou sendo o centro de seu mundo. Mas, dentro de limites geográficos modestos, ela viveu uma vida rica em cultura e amizade. Ela achava as leituras de poesia uma provação e evitava a maioria das reuniões literárias. Mesmo assim, ela foi uma parte muito querida da cena de Oxford até meados dos anos 90. Uma figura familiar no ônibus para Stratford-upon-Avon, ela raramente perdia uma nova produção de Shakespeare; uma conhecedora de sorvetes, ela frequentava regularmente a sorveteria do Häagen-Daz. Tão ávida era sua ida ao cinema que seu cinema local, em Walton Street, havia rumores de ter dado a ela um passe livre vitalício.

 

Seu trabalho posterior mostrou maior amplitude e vigor. Desde o apropriadamente chamado Extending The Territory (1985) em diante, ela costumava escrever poemas em versos fluidos, versos livres, relembrando a infância e celebrando a natureza com uma nostalgia pensativa que lembra Rilke: “Eu assistia quando criança o lento / Folhas virando e pegando o sol, e as fogueiras de outono, / As chicotadas do vento soprando uma paisagem./ Sempre era o meio visto, o acabado de ouvir que encantava.”

 

Ela recebeu o prêmio literário WH Smith em 1987 por seu segundo Collected Poems (o primeiro apareceu em 1967, e sua autocrítica foi tão implacável que o último volume ficou na verdade mais curto) e, em 1992, o CBE. Apesar do declínio gradual da saúde, ela continuou a escrever com vigor e nitidez inalterados.

 

Seu último volume, Timely Issues, publicado no início de 2001, contém caracteristicamente não apenas homenagens a Hopkins, Traherne e Robert Graves, mas um poema de conselho astuto “Para Qualquer Poeta Novato”.

 

Elizabeth Jennings faleceu em Bampton, Reino Unido, em 26 de outubro de 2001, aos 75 anos.

(Fonte: https://www.theguardian.com/news/2001/oct/31/books – Guardian / NOTÍCIA / LIVROS / por  G r e v e l L i n d o p – 31 de outubro de 2001)

© 2021 Guardian News & Media Limited ou suas empresas afiliadas. Todos os direitos reservados.
Powered by Rock Convert
Share.