Romeu de Avelar, jornalista, tradutor, historiador e escritor alagoano, ocupou a cadeira de número 32 da Academia Alagoana de Letras e a cadeira de número 14 do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas

0
Powered by Rock Convert

 

 

Romeu de Avelar (São Miguel dos Campos, Alagoas, no dia 23 de março de 1896 – Minas Gerais, perto da cidade de Leopoldina, em 20 de dezembro de 1972), jornalista, tradutor, historiador e escritor alagoano, autor de “Calabar – Interpretação romanceada do tempo da invasão holandesa”, “Tântalos” e “Os Devassos”. As obras, algumas consideradas raras no mercado livreiro, permaneceram por décadas fora dos catálogos das editoras brasileiras.

 

Filho de Metódio da Silva Morais e de Maria Andréia de Araújo Morais. Recebeu seus primeiros ensinamentos no Colégio Dias Cabral e no Liceu Alagoano. Estudou na Escola de Odontologia e na Faculdade Livre de Direito, no Rio de Janeiro. Mais tarde, em Minas Gerais, fez o curso de veterinária na Escola de Medicina-Veterinária. Casado com Lourdes Caldas de Avelar.

 

Sua bibliografia é extensa e composta por crônicas, peças teatrais, contos, traduções e obras de cunho histórico. Escreveu Calabar, romance que abriu a polêmica do resgate da imagem de Domingos Fernandes Calabar (1600-1635), considerado um dos  maiores traidores da história do Brasil. Outro romance também polêmico foi Os Devassos, editado no Rio de Janeiro em 1923, onde revela o lado obscuro da vida mundana carioca, motivo pelo qual foi apreendido pela polícia carioca em 1924.

 

Além dos livros já citados, Romeu de Avelar é autor de General Gois Monteiro: o  Comandante de um destino (1949) e, Crônicas de Ontem e de Hoje (1948), este lhe valeu o prêmio literário Othon Bezerra de Benezes, concedido pela Academia Alagoana de Letras.

 

Em 1914, em Maceió, a revista Frou-Frou era lançada, tendo como responsável pelo periódico o jornalista José Guedes Quintela (1896-  ?). No grupo de colaboradores estava Romeu de Avelar, ao lado de Aljamar Mascarenhas (1897-    ?) cujo pseudônimo era Berilo Prates, José Portugal Ramalho (1895-    ?) que usava Joseph Ramalho como pseudônimo e Amarílio dos Santos (1895-    ?). Publicada pela Tipografia Fernando Costa, a revista teve apenas um número, devido a dificuldades financeiras.

 

Em Maceió, foi diretor dos jornais: A Imprensa e o Diário de Maceió e As Vespas.  Dirigiu também a Imprensa Oficial de seu estado natal. Foi também em Maceió em agosto de 1950, que surgiu a revista Caeté, com Romeu de Avelar aparecendo como membro do Conselho de Redação.

 

Além de Alagoas, ele trabalhou nos estados de Minas Gerais, Pernambuco e Rio de Janeiro. Na capital mineira dirigiu o Correio Mineiro, O Movimento, Proteu, Semana Ilustrada. Em Recife foi diretor do Brasil Literário e no Rio de Janeiro dirigiu Panfleto. Foi colaborador das publicações: Revista da Semana, Ilustração Brasileira, O Malho, Vamos Ler, Noite Ilustrada. Como tradutor, trabalhou na Casa EditoraVecchi, no Rio de Janeiro.

 

 

Trajetória de vida

Powered by Rock Convert

 

Romeu de Avelar é o pseudônimo do escritor Luiz de Araújo Moraes que nasceu em São Miguel dos Campos, no dia 23 de março de 1896. Ocupou a cadeira de número 32 da Academia Alagoana de Letras e a cadeira de número 14 do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas.

 

Foi diretor-presidente da Imprensa Oficial de Alagoas, membro da Academia Alagoana de Letras e patrono da Cadeira n° 14 do Instituto Histórico e Geográfico de Alagoas. Durante a década de 1920, cursou Medicina Veterinária em Belo Horizonte, onde se tornou amigo de jovens intelectuais como Carlos Drummond de Andrade, Pedro Nava, Milton Campos e Juscelino Kubitschek. Polêmico e contestador, foi preso e censurado, o que não o impediu de publicar uma obra vasta e diversificada, transitando por vários gêneros literários como contos, romances, crônica, teatro, memória e biografia. Ele também é autor de À Sombra de um presídioPirongasGeneral Góis Monteiro – O Comandante de um Destino, entre outros. Em sua trajetória como jornalista, foi um dos responsáveis pelo lançamento da revista Frou-Frou e diretor de jornais como A Imprensa e o Diário de Maceió.

“O romance histórico Calabar é um livro muito cultuado em Alagoas por ter sido o primeiro escrito com o objetivo de promover uma revisão histórica sobre o controverso personagem Domingos Fernandes Calabar (1600-1635)”, afirma Patrycia Monteiro, coordenadora editorial da Imprensa Oficial Graciliano Ramos. A editora lembra que durante séculos o guerrilheiro alagoano, nascido em Porto Calvo (AL) carregou o estigma de ‘traidor da pátria’ por ter deixado de lutar ao lado dos colonizadores portugueses para lutar ao lado dos holandeses, no século 16.

“O livro causou muita polêmica na época da publicação de sua primeira edição, lançada em 1938, porque trazia um ponto de vista crítico e absolutamente inovador sobre a invasão holandesa no Brasil seiscentista e sobre o protagonismo de Calabar na disputa territorial entre neerlandeses e a União Ibérica. Na visão de Romeu de Avelar, Calabar foi um insurreto e um clarividente que se antecipou à revolução histórica e liberal no Brasil. Neste livro, tido como a obra-prima do escritor, Calabar é um herói destemido e idealista”, explica.

 

 

Obras

 

Além do livro Calabar, a Imprensa Oficial Graciliano Ramos também está resgatando a coletânea de contos Tântalos, a primeira obra literária publicada por Romeu de Avelar, em 1921. Este livro, cujo título remete ao suplício do personagem Tântalo, da Odisseia de Homero, condenado a ter sede e a não poder saciá-la, elege uma galeria de personagens deslocados, sofrendo a cada passo pela impossibilidade de realizar desejos e de conviver com a paz e a alegria.

“É um título-síntese do sofrimento e deterioração humana, escrito com inventividade e erudição. O livro de Avelar mostra-nos que ele, homem nascido em 1893, soube captar e representar as ideias da passagem do século, como as de Baudelaire, ácido crítico da industrialização e urbanização. A primeira das epígrafes escolhida pelo escritor, dentre inúmeras, é uma citação do texto Paraísos Artificiais, em que o poeta francês dá ‘Viva à Fatalidade’, termo este que intitula o primeiro dos onze contos da obra”, afirma a escritora Vera Romariz, autora do texto de apresentação da nova edição da obra, pela Imprensa Oficial Graciliano Ramos.

 

 

Na época do lançamento da primeira edição de Tântalos, o poeta mineiro Carlos Drummond de Andrade, então jovem repórter do jornal Diário de Minas, escreveu um artigo sobre o livro, afirmando que Romeu de Avelar era, antes de tudo, um sincero realista. “Ele vê o que pinta. Pinta o que vê.  Zola fascino-o. Ora, Tântalos é um livro saturado de romantismo. Não do romantismo choramingueiro e piegas que fez da lágrima ‘uma função hidráulica sentimental’. Mas em todo caso, romantismo”, descreveu. Para Drummond, Avelar era o criador de tipos apaixonados e sofredores que fazem da vida uma tragédia que todos podem compreender. “Ele pinta estados de alma com agudeza e segurança. (…) A palavra é a argila maravilhosa de que ele se utiliza, habilmente, no afã de plasmar personagens inconfundíveis. E o certo é que as plasma admiravelmente”, escreveu..

 

Censurado e apreendido pela polícia carioca logo após o seu lançamento no Rio de Janeiro, em 1923, por ofender a moral e os bons costumes da sociedade carioca da época, Os Devassos é atualmente uma das obras mais raras do autor. Lançado pela lendária editora Benjamin Costallat & Miccolis, famosa pela publicação de livros arrojados, com temáticas relacionadas a sexo e violência, a obra revela o lado obscuro da sociedade carioca e o comportamento promíscuo e perdulário da elite da época. “De Romeu de Avelar pode-se vislumbrar em Os Devassos influxos estéticos da obra de Émile Zola, escritor francês naturalista, a quem admirou. Também se constata a qualidade literária encontrada na prosa de Balzac, Dostoievski e Dickens que, como ele, observavam a vida mundana para discorrerem sobre a miséria da condição humana”, afirma o poeta e crítico Rosalvo Acioli.

“É maravilhoso o fato de que hoje, quase cem anos após a publicação de Os Devassos e de Tântalos o público possa novamente ter acesso à estas obras raras de Romeu de Avelar.  Principalmente, Os Devassos, que retrata tão bem o Rio antigo, dos Anos 1920 –  no que era uma espécie de Belle Époque na História brasileira”, afirma Isabela de Araújo Martins Pivar, neta de Romeu de Avelar, mencionando que o escritor Ruy Castro cita esta obra no seu próximo livro Me faz Carinhos – O Rio dos anos 1920, que foi lançado em novembro de 2019.

Ele morreu em Minas Gerais, perto da cidade de Leopoldina, em 20 de dezembro de 1972, em um acidente de carro, quando vinha do Rio de Janeiro para Maceió.

 

(Fonte: https://www.tnh1.com.br/noticia/nid – ALAGOAS / Imprensa Oficial Graciliano Ramos resgata obra de Romeu de Avelar – 05/11/19)

(Fonte: https://bndigital.bn.gov.br – Biblioteca Nacional Digital – PERIÓDICOS & LITERATURA / PERSONAGENS / ROMEU DE AVELAR / por Maria do Sameiro Fangueiro)

Powered by Rock Convert
Share.