O primeiro julgamento por abuso sexual da história do Vaticano

0
Powered by Rock Convert

Os dois padres acusados no 1º julgamento por abuso sexual da história do Vaticano

 

É o primeiro processo contra um suposto caso de abuso sexual dentro da sede da Igreja Católica.

 

Dois padres católicos foram a julgamento no Vaticano, neste que é o primeiro processo por um suposto caso de abuso sexual na cidade-Estado.

 

Gabriele Martinelli, 28, é acusado de estuprar um coroinha entre 2007 e 2012.

 

Enrico Radice, de 72 anos, é acusado de encobrir o suposto crime enquanto era reitor da escola de teologia onde se afirma ter ocorrido o abuso sexual.

Nenhum dos dois se posicionou sobre as acusações.

 

Embora muitos padres tenham enfrentado acusações de abuso em todo o mundo, o Vaticano até agora nunca realizou um julgamento sobre suspeitas de abuso sexual dentro de seus próprios muros.

 

O julgamento, que começou com uma breve audiência na quarta-feira (14/10), tem alto valor simbólico, pois o Vaticano é o lar das lideranças espirituais da Igreja Católica Romana, como o papa Francisco.

 

Quais são as acusações?

 

Na quarta-feira, durante uma audiência de oito minutos em um pequeno tribunal, as acusações contra os dois homens foram lidas em voz alta.

 

Martinelli é acusado de abusar sexualmente um menino no Seminário Pio 10, no Vaticano, que abriga coroinhas que celebram missas na Basílica de São Pedro.

 

Segundo a promotoria, ele submeteu forçosamente um menino, que não pode ser identificado por motivos legais, a “atos carnais” durante vários anos. O abuso teria começado quando a criança tinha 13 anos.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

O próprio acusado também frequentou o seminário e depois se tornou padre. Segundo os promotores, Radice não impediu sua ordenação, mesmo sabendo das acusações contra ele.

 

Por isso, Radice responde oficialmente pela acusação de encobrir o crime e tentar atrapalhar as investigações oficiais.

 

Nenhum dos dois falou durante a audiência, e o julgamento deve ser retomado em duas semanas.

 

As acusações de abuso e do acobertamento são conhecidas dentro da igreja desde 2012, mas só vieram a público graças a jornalistas que falaram com um colega da vítima em 2017.

 

O papa Francisco pediu uma “ação definitiva” contra os crimes dentro da igreja quando foi eleito em 2013, mas os críticos dizem que ele não fez o suficiente para responsabilizar os bispos suspeitos de acobertarem os abusos sexuais.

 

Em agosto de 2018, o líder religioso escreveu a todos os católicos condenando o abuso sexual clerical e exigindo o fim do acobertamento.

 

E em 2019, ele tornou obrigatório para o clero católico romano reportar casos de abuso sexual clerical e acobertamentos para a Igreja.

 

Segundo Mark Lowen, repórter da BBC em Roma, o seminário fica a poucos metros de onde o papa Francisco vive e treina coroinhas para missas papais.

 

“Denúncias de uma endemia de abusos sexuais atingem a Igreja Católica há décadas.

 

Apesar das medidas contra os abusos sexuais por sacerdotes, o papa Francisco recebeu críticas de que ele é lento demais para reconhecer a escala do problema. O surgimento de novas acusações deixa claro a montanha de casos em potencial que a Igreja ainda deve enfrentar”, resume o jornalista.

 

(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo – NOTÍCIAS / MUNDO / por BBC NEWS – 15/10/2020)

Powered by Rock Convert
Share.