Neil Simon, rei das comédias da Broadway, criador de sucessos como Um Estranho Casal, Descalços no Parque e sua trilogia Brighton Beach Memoirs

0
Powered by Rock Convert

Neil Simon, dramaturgo conhecido por diversos trabalhos na Broadway

‘Rei das comédias’ da Broadway, ele escreveu hits como ‘Estranho casal’ e ‘Descalços no parque’

 

 

 

O dramaturgo Neil Simon Foto: Sara Krulwich/The New York Times

Neil Simon no palco do Music Box Theatre na Broadway durante os preparativos para sua nova peça “Dinner Party” em 2000. (Foto: Sara Krulwich / The New York Times)

 

 

 

Lenda do teatro, ele é o autor de obras importantes como ‘The Odd Couple’, ‘The Sunshine Boys’ e ‘Lost in Yonkers’

 

 

 

 

Marvin Neil Simon (Nova York, 4 de julho de 1927 – Nova York, 26 de agosto de 2018), dramaturgo e roteirista, foi um dos maiores dramaturgos da História do teatro americano, rei das comédias da Broadway, criador de sucessos como Um Estranho CasalDescalços no Parque e sua trilogia Brighton Beach Memoirs.

 

 

Por sete meses, em 1967, Simon manteve quatro peças ao mesmo tempo na Broadway: Descalços no Parque, Um Estranho Casal, Sweet Charity e The Star-Spangled Girl.

 

 

Mesmo antes de iniciar sua carreira no teatro, ele fez história como um dos famosos escritores do comediante Sid César, ao lado de Woody Allen, Mel Brooks e Carl Reiner.

 

 

Simon recebeu quatro prêmios Tony, o Pulitzer, o Kennedy Center (1995), quatro Writers Guild of America e um American Comedy Awards Lifetime Achievement. Também recebeu quatro indicações para o Oscar pelas adaptações para o cinema de suas peças Um Estranho CasalUma Dupla DesajustadaA Garota do Adeus e ainda Califórnia Suíte. Em 2006, ele ganhou o Mark Twain Prize para humor americano.

 

 

 

 

 

O autor, foi o dramaturgo cujo nome era sinônimo de comédia da Broadway e sucesso comercial no teatro por décadas, e que ajudou a redefinir o humor americano popular com ênfase nas fricções da vida urbana e os conflitos agonizantes da intimidade familiar.

 

 

Na segunda metade do século 20, o nova-iorquino foi o dramaturgo mais bem-sucedido e prolífico do teatro americano, muitas vezes narrando questões e medos da classe média. Começando com O Bem-Amado, em 1961, e continuando no próximo século, ele raramente parou de trabalhar em nova peça ou musical.

 

No início da sua carreira, nos anos 1950, Simon escreveu comédias para a televisão, mas foi no teatro que ele conquistou sua fama, com uma longa lista de peças que funcionavam como “máquinas de riso”, e que mantiveram seu nome nas marquises da Broadway nos anos 1960 e 70.

 

 

 

O sucesso começou com as peças “Barefoot in the park” (1963) e “The odd couple” (1965), e continuou com “Plaza suite” (1968) e “The sunshine boys” (1974). De 1965 a 1980, peças e musicais escritos por Simon realizaram mais de 9.000 apresentações, um recorde nem remotamente tocado por qualquer outro autor da época — em 1966, ele teve quatro obra na Broadway simultaneamente.

 

“Barefoot in the Park” era uma comédia inspirada nas experiências de Simon como morador do Greenwich Village, e foi a obra que alçou seu nome na Broadway e, depois, em Hollywood. Nos palcos, a peça foi estrelada por Robert Redford e por Elizabeth Ashley, ficou quatro anos em cartaz e, depois, se tornou um filme de sucesso. Com roteiro de Simon, e com Redford e Jane Fonda nos papéis principais, o longa foi lançado em 1967 e se tornou um hit — sua carreira como roteirista incluiu dezenas de títulos, entre adaptações de suas peças e criações originais, como “The out-of-towners”, “The goodbye girl” e “The heartbreak kid” — ao todo, Simon recebeu quatro indicações ao Oscar de melhor roteiro, mas não conquistou nenhum.

 

 

 

 

Já no campo dos musicais, Simon escreveu o libreto de três obras de sucesso na Broadway: “Little me” (1962), com músicas de Cy Coleman e letras de Carolyn Leigh, que foi dirigido e coreografado por Bob Fosse; “Sweet Charity” (1966), que reuniu Simon e Fosse novamente, num musical baseado no longa “Noites de Cabíria” de Federico Fellini; além de “Promises, promises”, que trazia músicas de Burt Bacharach e letras de Hal David — “Promises, promises” foi o maior sucesso musical de Simon, e ganhou remontagem em 2010.

 

Em entrevista em 1997 ao The Washington Post, Simon refletiu sobre seu sucesso: “Sei que alcancei o auge. Não há mais dinheiro que alguém possa me pagar do que preciso. Não há prêmios que possam me dar que eu não tenha ganho. Não tenho motivos para escrever outra peça, exceto que estou vivo e gosto de fazê-lo”.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

 

O Simon de óculos (descrito em uma revista do New York Times como parecendo um contador ou bibliotecário que tinha apenas esse lado monótono) era um escritor e um redator implacáveis. Seu trabalho, muitas vezes, se concentrava na vida urbana de classe média e vários de seus enredos foram retirados de sua própria experiência pessoal. “Não escrevo peças sociais e políticas porque sempre achei que a família era o microcosmo do que acontece no mundo”, disse ele à The Paris Review, em 1992. Sobre sua trajetória, Simon a resumia assim: “De qualquer forma, a viagem foi maravilhosa. Como George e Ira Gershwin disseram: Eles não podem tirar isso de mim”.

 

 

 

PÚBLICO E CRÍTICA

 

 

 

Apesar de toda sua popularidade com o público, os grandes sucessos de Simon, em seus primeiros anos, raramente mereceram aclamação da crítica, e as remontagens de “The odd couple”, em 2005, e de “Barefoot in the park”, em 2006, pouco fizeram para refazer a visão geral de que o seu trabalho inicial era notável pela agilidade de suas linhas e por seus conceitos infalíveis. Na introdução de uma de suas coleções de peças, Simon citou o crítico Clive Barnes para refletir sobre sua relação com a crítica: “Neil Simon está destinado a permanecer rico, bem-sucedido e subestimado”.

 

 

 

Recentemente, em 2009, Simon expressou surpresa e consternação com a rápida saída de cartaz de uma aguardada remontagem, na Broadway, para a sua peça “Brighton beach memoirs” — a montagem saiu de cena após a primeira semana, debaixo de críticas mistas: “Estou estupefato”, disse ele à época. “Após todos esses anos, ainda não entendo como a Broadway funciona ou o que fazer com a nossa cultura”.

 

Foi um comentário pungente do homem que mais ou menos definiu o que é conquistar a Broadway por algumas décadas. Mas se os fracassos rápidos foram relativamente raros em sua carreira, Simon sempre lutou para ganhar respeito crítico. Embora tenha sido indicado para 17 Tony Awards, o dramaturgo ganhou apenas três: melhor dramaturgo por “The odd couple”, além do Tony de melhor peça para “Biloxi blues” e “Lost in Yonkers” — esta última, de 1991, foi seu último grande sucesso na Broadway.

 

 

 

 

“Eu sei como o público me vê, porque as pessoas estão sempre vindo até mim e dizendo: ‘Obrigado pelos bons momentos’”, disse Simon ao “The New York Times”, em 1991. “Mas todo o sucesso me humilhou de certa forma. Na crítica, o pensamento parece ser que, se você escrever muitos sucessos, eles não podem ser tão bons”.

 

 

 

 

Simon começou a conquistar mais respeito junto aos críticos nos anos 1980, com uma trilogia semi-autobiográfica composta pelos dramas cômicos “Brighton beach memoirs” (1983), “Biloxi blues” (1985) e “Broadway bound” (1986), que exploravam a mistura de amor, raiva e desespero que unia e afastava uma família judaica da classe trabalhadora.

 

HUMOR AMERICANO

 

 

 

 

Simon e Woody Allen foram, provavelmente, igualmente importantes em moldar as correntes da comédia americana nos anos 1960 e 70, embora seus estilos, seus meios favoritos e a recepção crítica aos seus trabalhos tenham divergido radicalmente. Simon era o populista cujas peças acessíveis e repletas de piadas sobre as ansiedades dos personagens no dia-a-dia podiam provocar gargalhadas nos cinemas de todo o país, bem como em casas da Broadway com 1.200 assentos. Allen era o queridinho do cinema urbano de arte e das classes críticas, alguém que criava a comédia a partir das minúcias de sua própria angústia. Mas juntos eles ajudaram a tornar a comédia da neurose urbana — distintamente influenciada pelos judeus — algo genuinamente americano.

 

 

 

Olhando para a sua própria carreira, Simon escreveu certa vez sobre uma “alegria ainda estridente” em relação à escolha de embarcar em uma carreira de dramaturgo: “Para um homem que quer ser seu próprio mestre, não depender de mais ninguém, e fazer a vida se adequar à sua própria visão em vez de seguir os planos dos outros, a dramaturgia é a ocupação perfeita. Sentar-se numa sala sozinho, por seis, sete ou dez horas, dividindo o tempo com os personagens que você criou, é puro paraíso. E se não é o céu, é pelo menos uma fuga do inferno”, acrescentou o mestre do tempo cômico.

 

Neil Simon morreu em 26 de agosto de 2018, aos 91 anos, por complicações decorrentes de uma pneumonia, no Hospital Presbiteriano de Nova York.

 

O mundo do teatro rapidamente começou a lamentar a perda. O ator e dramaturgo premiado com o Tony Harvey Fierstein, via Twitter, disse que Simon “poderia escrever uma piada que faria você rir, definir o personagem, a situação e até mesmo os problemas do mundo”.

 

O ator Matthew Broderick, que em 1983 estreou na Broadway em Brighton Beach Memoirs e no cinema em A Volta de Max Dugan, ambos de Simon, afirmou: “Devo-lhe uma carreira. O teatro perdeu um escritor brilhantemente engraçado, inacreditavelmente maravilhoso. Perdi um mentor, uma figura paterna, uma profunda influência em minha vida e trabalho”.

(Fonte: https://oglobo.globo.com/cultura/teatro – CULTURA / TEATRO E DANÇA / por Charles Isherwood, do ‘The New York Times’ – 26/08/2018)

(Fonte: https://cultura.estadao.com.br/noticias/teatro-e-danca – NOTÍCIAS – TEATRO E DANÇA / NOVA YORK – Por AFP – 26 Agosto 2018)

Powered by Rock Convert
Share.