Isabel Pons, assinou os cenários e os figurinos de Orfeu Negro, filme do francês Marcel Camus

0

Artista plástica

 

Isabel Pons (Barcelona, na Espanha, 28 de janeiro de 1912 – Copacabana, no Rio de Janeiro, 3 de junho de 2018), artista plástica hispano-brasileira.

Premiada internacionalmente, Isabel assinou em 1956 os cenários e os figurinos de Orfeu Negro, filme do francês Marcel Camus.

 

Nascida em 28 de janeiro de 1912, em Barcelona, na Espanha e nacionalizada brasileira, Isabel Pons acumulou prêmios internacionais ao longo de sua carreira, entre eles o prêmio Neblí, de Madri. Também foi vencedora de cinco prêmios na Bienal de São Paulo. Pons tem obras expostas no Museu de Arte Moderna de Nova York, no Museu de Arte Contemporânea de Madri, no MAC de São Paulo e no MAM do Rio de Janeiro.

 

A artista catalã foi uma das pioneiras da cor na gravura e também era considerada uma das grandes renovadoras desta técnica. Sua formação em pintura e desenho se deu na Escola Nacional de Belas Artes de San Jorge de Barcelona e na Escola Industrial de Sabadell. Filha e neta de antiquários, Pons fez sua primeira exposição profissional de pinturas em 1941 na Casa del Greco, em Barcelona.

 

Chegou ao Rio de Janeiro em 1945, onde fixou residência. Em 1959, descobriu a gravura pelas mãos do professor Johnny Friedlander. Isabel Pons apegou-se à técnica para recuperar-se de uma cirurgia, “sem dar oportunidade ou espaço para que a doença destruísse a mente”, segundo a própria artista, e nunca mais voltou a pintar. Sua produção de gravuras foi logo reconhecida. Isabel Pons recebeu a medalha de ouro da Segunda Bienal do México, em 1960, o prêmio de melhor gravador latino-americano na sexta Bienal de São Paulo, em 1961, o prêmio Fiat na Bienal de Veneza de 1961 e o prêmio Neblí, em 1966.

 

Isabel Pons também trabalhou em cinema. Eram dela os cenários e figurinos do filme Orfeu Negro, do francês Marcel Camus, que ganhou o Oscar de melhor filme estrangeiro em 1956. Especialistas em crítica de arte puseram Isabel Pons no mesmo nível de alguns dos maiores artistas espanhóis, como Joan Miró e Antoni Tapies. Sobre sua obra, o poeta espanhol José Hierro disse: “Jamais a gravura havia chegado a tanta perfeição e beleza.”

Isabel Pons faleceu em sua casa, em Copacabana, no Rio de Janeiro, em 3 de junho, aos 90 anos, depois de uma crise de pneumonia.

(Fonte: https://www.terra.com.br/istoegente/149/aconteceu – Edição 149 – ACONTECEU – TRIBUTO / por Dirceu Alves Jr. – 10/06/2002)

(Fonte: https://cultura.estadao.com.br/noticias/geral – NOTÍCIAS – GERAL – CULTURA – 3 de jun de 2002)

Share.