Hans Henningsen, ex-integrante da equipe de marketing da alemã Puma, marca que ajudou a divulgar contratando craques como Pelé, Maradona e Zico

0
Powered by Rock Convert

Marinheiro Sueco

"O ostracismo do "Onassis de tanga""

“O ostracismo do “Onassis de tanga””

Hans Henningsen (Tenerife, nas Ilhas Canárias, 1934 – Rio de Janeiro, 2 de agosto de 2015), ex-integrante da equipe de marketing da alemã Puma, marca que ajudou a divulgar contratando craques como Pelé, Maradona e Zico – de quem se tornou amigo – para usar suas chuteiras.

Nascido em Tenerife, nas Ilhas Canárias, veio para o Rio de Janeiro aos 21 anos atraído pelo futebol. Aqui, fez amizade ainda com Nelson Rodrigues, que o apelidou de “Marinheiro Sueco”, pois achava que Henningsen era o único espanhol do mundo d enome escandinavo.

O apelido, Marinheiro Sueco, lhe foi dado por Nelson Rodrigues, de quem era um dos “irmãos íntimos” –os amigos com quem Nelson, nos anos 70, falava todos os dias. Na verdade, chamava-se Hans Henningsen. Para Nelson, alguém com esse nome e daquele tamanho (quase dois metros) só podia ser um marinheiro sueco, foragido de uma peça de Strindberg. Mas Hans era de Tenerife, nas Canárias, de pai alemão e mãe espanhola, e carioca desde que chegou ao Rio de Janeiro em 1955, aos 20 anos.

O dramaturgo também o chamava de “Onassis de tanga”, pois costumava pagar refeições e rodadas de bebidas para os colegas. Trabalharam juntos na TV, comentando futebol, ao lado de João Saldanha, Armando Nogueira e outros – sim, craques como ele.

Em certo momento, foi muito poderoso no futebol. Era o operador da Puma na contratação de atletas para usar seu material esportivo. No começo, a Puma não se comparava à gigante Adidas. Hans ajudou-a a crescer, contratando Pelé, Carlos Alberto Torres, Fittipaldi, Beckenbauer, Cruyff, Zico, Junior, Falcão, Cerezo, Maradona, todos no apogeu. Não eram só contratados, eram amigos. Hans viajou o mundo com eles e se dava com suas famílias.

O telefone tocava em seu apartamento em Copacabana e, no outro lado da linha, era algum herói do passado: Di Stefano, Puskàs, Obdúlio Varela, Gigghia, Zizinho ou Garrincha. Ia à Europa a trabalho três ou quatro vezes por ano (Buenos Aires era seu quintal) e, na volta, nos trazia discos, livros ou uísques raros. Nos restaurantes, ninguém pagava a conta em sua mesa –Nelson Rodrigues o chamava de “Onassis de tanga”.

Powered by Rock Convert

E era mesmo porque, íntimo de craques e cartolas, poderia ter ficado rico se negociasse jogadores. Mas nunca negociou ninguém. Nos últimos 20 anos, vivia de escrever sobre futebol para jornais europeus, dar “furos” e levar calote. A imprensa brasileira não se interessava por ele. Marinheiro morreu neste domingo, duro, triste e só.

Era seu amigo desde 1970. De quatro em quatro anos, eu lhe perguntava quem ia ganhar a Copa do Mundo. E ele nunca errou nenhuma.

Viveu nos últimos tempos de mirrados salários que recebia por artigos sobre futebol escritos para a imprensa estrangeira.

Hans Henningsen faleceu em 2 de agosto de 2015, aos 81 anos, no Rio de Janeiro.

Hans morreu bastante pobre, pobre como nos tempos em que ele e Nelson davam um jeito de comer e ir empurrando com a barriga a conta no restaurante Nino, em Copacabana. Foi aí que Nelson lhe deu outro apelido: “Onassis de tanga, o milionário pobre”. Ambos amavam o futebol, e Hans foi o operador da marca Puma junto a diversos craques.

(Fonte: Veja, 12 de agosto de 2015 – ANO 48 – Nº 32 – Edição 2438 – DATAS – Pág: 34)

(Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/228405- OPINIÃO/ Por RUY CASTRO – 5 de ago de 2015)

(Fonte: http://www.istoe.com.br/assuntos/semana/detalhe/431162_O OSTRACISMO DO ONASSIS DE TANGA – Edição: 2384 –  ASEMANA/ por Antonio Carlos Prado e Elaine Ortiz – 07.Ago.15)

Powered by Rock Convert
Share.