George Barris, foi o último fotógrafo de Marilyn Monroe

0
Powered by Rock Convert

George Barris fotografou a atriz, na Praia de Santa Mônica, três semanas antes da sua morte.

 

 

Capa do álum Marilyn: Her Life in Her Own Words: Marilyn Monroe's Revealing Last Words and Photographs DR

Capa do álum Marilyn: Her Life in Her Own Words: Marilyn Monroe’s Revealing Last Words and Photographs DR

 

George Barris, fotógrafo de último ensaio de Marilyn Monroe

Profissional foi responsável por sessão à beira-mar três semanas antes da morte da musa do cinema

 

George Barris (Nova York, 14 de junho de 1922 – Thousand Oaks, Califórnia, 30 de setembro de 2016), fotografou Marilyn Monroe no dia 13 de julho de 1962, na praia de Santa Mônica, na Califórnia. Não sabia então que, em vez de estar a iniciar um trabalho que daria um álbum fotográfico e uma autobiografia, estava antes a fazer aquilo que ficaria para a história como “The last photo shoot” da atriz de O Pecado Mora ao Lado (1955).

 

fotógrafo George Barris ficou famoso por ser o responsável pelo último ensaio de Marilyn Monroe (1926-1962). Barris, que fotografou a musa do cinema em 1962, três semanas antes da morte de Marilyn, também clicou os bastidores do filme O Pecado Mora ao Lado, lançado em 1954 e que tem a famosíssima cena da atriz tendo o vestido levantado por conta do vento do metrô.

 

Após a morte de Marilyn, a 5 de agosto daquele ano no seu apartamento em Los Angeles – e que George Barris nunca acreditou ter sido um suicídio –, o fotojornalista radicou-se em França, onde viveu duas décadas, e remeteu-se a um prolongado silêncio sobre a sua relação com a atriz. Em 1995, decidiu finalmente publicar Marilyn: Her Life in Her Own Words: Marilyn Monroe’s Revealing Last Words and Photographs, partilhando assim o que tinha guardado desse projeto antigo de fazer com ela a autobiografia.

 

 

Marilyn Monroe (Foto: Divulgação)

Marilyn Monroe (Foto: Divulgação)

 

O encontro de ambos tinha acontecido em 1954, na rodagem de O Pecado Mora ao Lado. Nessa altura, George Barris era já um fotógrafo freelance com nome firmado no meio cinematográfico, trabalhando para publicações como a Cosmopolitan ou a Life Magazine.

“Quando a vi pela primeira vez, achei que ela era a mais bela, a mais fantástica pessoa que alguma vez tinha conhecido. Fiquei totalmente rendido”, disse George Barris, em 2012, ao Los Angeles Daily News.

oexploradorPowered by Rock Convert

Ficaram amigos e, oito anos depois, no dia 1 de junho – data do 36.º aniversário de Marilyn –, encontraram-se no plateau onde a atriz preparava novo filme – o nunca acabado Something’s Got to Give, de George Cukor – para falarem do projeto de um livro-álbum conjunto, onde Marilyn finalmente contaria a sua verdadeira história – como se pode ler na nota que acompanhou a edição de Marilyn: Her Life in Her Own Words: Marilyn Monroe’s Revealing Last Words and Photographs.

Desse projeto, ficou apenas a sessão fotográfica realizada no dia 13 de Julho de 1962, cerca de três semanas antes de Marilyn ter sido encontrada sem vida no seu apartamento de Brentwood, aos 36 anos. Foi a famosa “last photo shoot”, em que a atriz surge sem maquilhagem, mas sempre luminosa, na praia de Santa Monica.

George Barris nasceu em Nova York a 14 de junho de 1922, filho de imigrantes romenos. A câmara fotográfica que o irmão Willie lhe ofereceu, no seu 6.º aniversário, haveria de marcar uma vocação. E foi por esta sua aposta na fotografia que, quando se alistou no Exército, se tornou o fotógrafo oficial do departamento de Relações Públicas, no decorrer da II Guerra Mundial. Coube-lhe registar para a posteridade o momento da chegada do general Eisenhower a Nova Iorque, no dia 19 de Junho de 1945, para a Parada da Vitória.

Depois, foi o salto para o mundo do cinema. Nos anos 50 e 60, para além de Marilyn, Barris acompanhou e fotografou no plateau muitas outras stars, como Charlie Chaplin, Walt Disney, Frank Sinatra, Clark Gable, Marlon Brando, Elizabeth Taylor, Sophia Loren ou Steve McQueen.

Fotógrafo de guerra, Barris também teve diante de suas câmeras outros grandes astros do cinema nos anos 50 e 60, como Elizabeth Taylor, Marlon Brando, Charlie Chaplin, Frank Sinatra, Clark Gable e Steve McQueen.

Barris ainda teve uma exposição em 2012 chamada An Intimate Look at the Legend,no Hollywood Museum, em Los Angeles, em homenagem ao aniversário de 50 anos da morte de Marilyn, de quem era amigo próximo. Os dois se conheceram em 1954 no set de O Pecado Mora ao Lado. “Ela sempre foi doce com todo mundo. Ela nunca atuou como uma estrela de cinema. Ela era pé no chão, não era esnobe. Nunca foi. É isso que eu amava nela. Era uma pessoa real, natural”.

Barris também nunca acreditou que Marilyn tivesse se suicidado: “Quem quer que tenha feito isso com aquela pobre menina deverá prestar suas contas com Deus”, chegou a dizer ele em entrevista.

Mas foram as últimas fotos de Marilyn que ficaram a iluminar a sua carreira.

George Barris faleceu em 30 de setembro de 2016, aos 94 anos, na sua casa em Thousand Oaks, na Califórnia.

(Fonte: https://www.publico.pt/culturaipsilon/noticia – CULTURA ÍPSILON/ NOTÍCIA / Por SÉRGIO C. ANDRADE  – 03/10/2016)

(Fonte: http://revistaquem.globo.com/QUEM-News/noticia/2016/10 – QUEM NEWS | NOTÍCIA – 06/10/2016)

Powered by Rock Convert
Share.