Foi um dos primeiros filmes produzidos em estúdio na história do cinema mudo alemão e mundial

0
Powered by Rock Convert

1920: Estreia “O Gabinete do Dr. Caligari”

Filme estreado em 27 de fevereiro de 1920 entrou para a história do cinema. Da autoria de Robert Wiene, é um pioneiro do suspense e uma obra-prima do expressionismo.

Robert Wiene (Breslau, 27 de abril de 1873 – Paris, 16 de junho de 1938), um dos mais célebres diretores do cinema alemão.

“O Gabinete do Dr. Caligari” (do alemão Robert Wiene, 1919), o “Vampiro”, do dinamarquês Carl Dreyer (1930), e os dois filmes da série “Dr. Mabuse”, do alemão Fritz Lang (em 1922 e 1932), eram fábulas sutis da decadência e da doença mental que minava a Europa.

Robert Wiene nasceu na antiga Breslau (na época, parte da Alemanha, sendo hoje Wrocław, na Polônia), filho do famoso ator de teatro Carl Wiene.

Seu irmão mais novo, Conrad Wiene também se tornou ator, mas Robert inicialmente estudou Direito na Universidade de Berlim.

Desde 1908 Robert também esteve atuando, primeiramente com pequenas participações no palco. Sua primeira investida no cinema foi em 1912 com seu roteiro para Die Waffen der Jugend.

Depois que Hitler tomou o poder na Alemanha, Robert Wiene deixou Berlim, primeiramente para Budapeste onde dirigiu One Night In Venice (1934), posteriormente para Londres e finalmente para Paris onde tentou produzir junto de Jean Cocteau uma reprodução sonora de O Gabinete.

1920: Estreia “O Gabinete do Dr. Caligari”

Robert Wiene

Werner Krauss em “O gabinete do Dr. Caligari”(Foto: Deutsche Kinemathek)

 

Das Kabinett des Doktor Caligari, rodado no inverno de 1919-1920 numa pequena casa em Berlim-Weissensee, foi não apenas um dos primeiros filmes produzidos em estúdio como também marcou época na história do cinema mudo alemão e mundial. Não houve nenhuma outra produção comparável a essa obra-prima do Expressionismo, sob a direção de Robert Wiene.

“Tem um ar de poesia nesse filme. É como se o Dr. Caligari concretizasse os sonhos de E.T.A. Hoffmann: a figura misteriosa, sem origem e sem rumo, que oferece às pessoas o ‘elixir do diabo’. Um demônio à revelia, com algo ambíguo em cada gesto”, opinou certa vez Rudolf Kurtz, que dirigiu o departamento de filmes culturais da produtora UFA nos anos 1920.

Além de ser o filme mudo alemão mais famoso, O Gabinete do Dr. Caligari também entrou para a história do cinema por ser o mais famoso filme sobre psiquiatria, projetando na tela, como num delírio, toda a ambivalência da alma humana.

A combinação da ousadia artística dos seus realizadores e dos poucos recursos do produtor acabou resultando num cult movie indiscutível para os cinéfilos de todo o mundo.

Ambivalência da alma humana

As figuras centrais são o hipnotizador Caligari, que se apresenta num parque de diversões com seu médium Cesare, um sonâmbulo que mata várias pessoas sob hipnose e às ordens de seu mestre. O estudante Francis reconhece Cesare, quando ele arrasta sua amada, Jane.

Francis acaba desmascarando a vida dupla do Dr. Caligari, pois além do seu show como hipnotizador, ele é diretor de um hospital psiquiátrico. Caligari tem um ataque e é levado pela polícia.

Trama genial

Powered by Rock Convert

Esta história de suspense e de terror, até certo ponto banal, é a trama do filme. Mas o verdadeiramente genial é a existência de uma história dentro da história, isto é, de uma segunda trama ou um segundo nível da trama.

Quando se pensa ver o Dr. Caligari preso ou numa cela do seu próprio manicômio, ei-lo no banco do parque do hospital psiquiátrico como seu diretor, enquanto Francis, Jane e Cesare também estão por lá em outros papéis. Ou seja, o louco é Francis, que estaria contando a história a outro paciente.

Quanto ao Dr. Caligari, ele aparece nessa segunda trama como o bondoso diretor do hospital. E quando Francis, em sua mania, chama Caligari de louco, o doutor considera o fato uma projeção de seu mal, e um bom sinal de que Francis está melhorando!

O filme puxa o tapete de todas as certezas quanto ao que é normal e anormal. A parte final, a segunda trama, abre a possibilidade não apenas de representar o mundo exterior, como também a vida interior de uma personagem, porém de forma que a lógica narrativa corresponda ao estado psíquico do narrador. Uma ligação estilística magistral da arte com as diversas formas da loucura.

Design expressionista

No entanto, não foi a temática nem a trama que ligaram o filme às correntes expressionistas da época. Foi o seu design único e revolucionário no princípio do cinema: os cenários e ângulos de câmara distorcidos, os estranhos efeitos de luz e sombra na composição dos climas psicológicos.

Tendo pouco dinheiro à disposição, os realizadores recorreram à imaginação. Em vez de tentar imitar a natureza em caros cenários realistas, criaram um misterioso mundo de madeira e papelão, em branco e preto, como num pesadelo.

Casas tortas, cubistas, corredores e caminhos kafkianos que parecem intermináveis são complementados por uma maquiagem tétrica, pelos figurinos, bem como uma mímica expressiva e a inigualável presença criada pela linguagem corporal dos atores.

O ator que virava doutor

Lil Dagover, que fez o papel de Jane, conta sobre seu ídolo, o ator Werner Kraus (o Dr. Caligari). Ao chegar ao estúdio em Berlim:

“Entrei e vi Werner Kraus passar no meio do cenário, completamente compenetrado no papel de Caligari. Então eu o cumprimentei: ‘Bom dia, Sr. Kraus’. Ele me olhou como se nunca tivesse me visto na vida. Aí um dos iluminadores me disse: ‘Acontece que a partir das nove horas ele é o Dr. Caligari’. Veja você, aí caiu a ficha, só então percebi que esse grande ator dava tudo de si, se esforçava até a última consequência para mergulhar nesse papel”.

O final do filme é uma provocação, deixando em aberto o que é real e o que é alucinação. Ao fazer isso, cria aquela ambiguidade que joga com a realidade aparente e a pura ilusão dos sentidos. O Gabinete do Dr. Caligari, nesse sentido, é o próprio cinema, a sétima arte da ilusão.

“O filme nada perdeu de sua atualidade, pois expõe os efeitos do autoritarismo, despotismo, tirania e da influência das massas através do hipnotismo. Mas também pela ligação estilística da arte moderna com formas da loucura”, observa a Enciclopédia Internacional do Filme.

Wiene morreu em Paris em em 16 de junho de 1938, dez dias antes do fim da produção de um filme de espiões, Ultimatum, depois de ter sofrido de câncer. O filme foi terminado por seu amigo Robert Siodmak.

(Fonte: Veja, 12 de fevereiro de 1969 – Edição 23 – CINEMA – Pág: 54)
(Fonte: ornitorrincocinefilo.wordpress.com)

(Fonte: Deutsche Welle – NOTÍCIAS – CALENDÁRIO HISTÓRICO / Autoria Barbara Fischer – 27 de fevereiro)

Powered by Rock Convert
Share.