Alexandre Ferreira de Andrade, o Andrade Chefia, a voz do Borel e baluarte da Unidos da Tijuca

0
Powered by Rock Convert

Andrade Chefia, a voz do Borel e divulgador da Unidos da Tijuca

 

Alexandre Ferreira de Andrade (24 de abril de 1933 – 12 de novembro de 2019), o Andrade Chefia, baluarte da Unidos da Tijuca. Conhecido como a voz do Morro do Borel, Andrade Chefia prestou seus serviços durante mais de 60 anos à escola como divulgador oficial da agremiação.

 

Chefia prestou seus serviços durante mais de 60 anos à escola como locutor e divulgador oficial da agremiação. Como divulgador, teve papel de destaque no cenário carnavalesco, levando a agremiação para a mídia, principalmente para o rádio, na época, o mais importante meio de divulgação do samba.

 

Presença certa em várias rádios, Andrade Chefia começou a trajetória na Unidos da Tijuca como alfaiate de um dos construtores da quadra do Borel. Depois, começou a trabalhar na divulgação da escola e também como locutor da agremiação. Era dono de vários trocadilhos e bordões inesquecíveis, como “Quem não fez quando pôde, não fará quando puder” e “Alô, comunidade borelense e todo universo sambista!”.

 

O apelido veio do Morro do Borel, quando começou a frequentar os ensaios da escola e, para fazer amizade, ele chamava os conhecidos de “chefia”. Em entrevista ao jornal O GLOBO em fevereiro de 2011, o baiano Andrade Chefia se dizia um “malandro carioca”.

 

Powered by Rock Convert

— Eu gosto de dizer: amor e simpatia não se impõem. Algumas pessoas não aprovavam a brincadeira, outras achavam graça e devolviam me chamando pelo mesmo apelido — disse ele, na ocasião, citando o desfile de 2010, com o enredo “É Segredo”, do carnavalesco Paulo Barros, como o grande preferido: — Fiquei tão nervoso que desmaiei com o título e só acordei no Hospital Souza Aguiar.

 

O filho de Chefia lembra outro momento marcante do carnaval de 2010:

 

— Ele foi escolhido para apresentar o enredo durante a transmissão dos desfiles na TV Globo, na vinheta que vinha antes da escola. Como a Tijuca foi campeã naquele ano, o meu pai ficou marcado como pé-quente.

 

Em 2013 e 2014, Andrade Chefia foi um dos indicados a receber a homenagem “Cidadão Samba”, concedida pelo jornal EXTRA a grandes personalidades que representem o samba e que tenham a cara do carnaval. O sambista faria 87 anos em 24 de abril de 2020.

Andrade Chefia faleceu em 12 de novembro de 2019, aos 86 anos, no Hospital Salgado Filho.

Há dois anos, ele vinha lutando contra um câncer de próstata. Nesta madrugada, em casa, Andrade teve uma piora no quadro de saúde e faleceu.

(Fonte: Zero Hora – ANO 56 – N° 19.555 – 13 de NOVEMBRO de 2019 – TRIBUTO / MEMÓRIA – Pág: 35)

(Fonte:https://br.noticias.yahoo.com – NOTÍCIAS / Extra / Por Diego Amorim – 

Powered by Rock Convert
Share.