Thomas Muggeridge, escreveu sobre a vida e os ensinamentos de “seis personagens em busca de Deus” – Santo Agostinho, Blaise Pascal, William Blake, Soren Kierkegaard, Tolstoy e Dietrich Bonhoeffer

0
Powered by Rock Convert

Malcolm Muggeridge, escritor

 

 

Thomas Malcolm Muggeridge (Croydon, Surrey, 24 de março de 1903 – Robertsbridge, 14 de novembro de 1990), foi um prolífico jornalista britânico e cáustico crítico social.

 

Possuindo um estilo de prosa impecável e um senso infalível do absurdo, Thomas Muggeridge se deliciava em ultrajar o Sistema e empalar o pomposo na lança de sua sagacidade letalmente aguda.

 

Um correspondente estrangeiro do The Guardian, um importante editor do The Daily Telegraph e o editor da Punch creditado por resgatar aquela famosa revista de humor de uma letargia literária de longa data na década de 1950, Thomas Muggeridge, mais tarde na vida, tornou-se uma celebridade da televisão e do mundo – palestrante de trote. Em nenhum lugar ao longo da linha, entretanto, ele abandonou sua reputação de homem paradoxal.

 

Da Admiração ao desdém

 

Por exemplo, desde a juventude foi um grande admirador da União Soviética, e na década de 1930 foi para lá com a ideia de ficar, mas logo se tornou um dos maiores críticos do país. E, com o passar dos anos, uma desconfiança desdenhosa pela “mesquinhez” da religião tornou-se um apego zeloso ao cristianismo não denominacional baseado solidamente em valores morais tradicionais.

 

Por mais religiosamente reverente que alguns de seus pontos de vista se tornassem, Thomas Muggeridge não deixou, por escrito, de ser escandalosamente irreverente. Ele descreveu com prazer Cambridge, onde recebeu um mestrado, como “um lugar de tédio infinito” e, em meados da década de 1960, seus ataques cáusticos à monarquia britânica o perderam vários empregos de escritor e quase encerrou sua carreira na British Broadcasting Corporation. Sua opinião sobre os líderes mundiais foi resumida de forma concisa: “Tudo o que os políticos dizem é, sem exceção, vazio – totalmente vazio.”

 

Malcolm Thomas Muggeridge nasceu em 24 de março de 1903, no subúrbio londrino de Croydon. Ele e seus quatro irmãos foram treinados em ideias socialistas por seu pai, Henry, um escriturário de advogado que acabou se tornando um membro trabalhista do Parlamento.

 

Consistente com suas crenças socialistas igualitárias, Thomas Muggeridge mais velho se recusou a enviar seus filhos para Eton ou Harrow ou Charter House, mas sim para escolas primárias e secundárias locais. Eles foram presididos, lembrou Muggeridge mais tarde, por uma “coleção bizarra de professores idosos e incompetentes” e “saí ileso e em grande parte iletrado”.

 

Mais relutantemente, um estudante de ciências

 

Sua educação inicial forçou Thomas Muggeridge, no Selwyn College, Cambridge, a se concentrar em estudos científicos, “química, física, zoologia, apesar do fato de eu não ter nenhum interesse neles, e apenas o mínimo conhecimento deles”, escreveu ele em 1972.

 

“Quatro anos em Cambridge fizeram pouco para alterar esta situação”, disse ele. “Consegui obter um diploma de aprovação, mas nunca abri um livro ou pensei sobre qualquer um dos meus três assuntos daquele dia até hoje.”

 

Como também havia feito alguns cursos de educação, Thomas Muggeridge, quando se formou em 1923, juntou-se à equipe do Union Christian College no sul da Índia. Lá, disse ele, fez o possível para fomentar o nacionalismo estudantil, “para ajudá-los a recuperar a liberdade que era seu direito de nascença”.

 

De volta à Inglaterra em 1927, ele se casou com Katherine Dobbs, sobrinha de Beatrice e Sydney Webb, os líderes socialistas fabianos, que o aprovavam, mas não sua admiração pela Revolução Bolchevique. Os Muggeridges tiveram três filhos e uma filha.

Rotunda fazendo de um homem de letras

 

Enquanto lecionava na Universidade do Cairo no final dos anos 1920, Muggeridge escreveu vários artigos sobre a luta do Egito pela libertação nacional para o The Manchester Guardian, que ele considerava o jornal mais progressista do mundo.

 

Ele logo se juntou à equipe de reportagem e também começou a revisar livros, uma ocupação que perseguiu em muitas publicações pelo resto de sua vida. Em 1931, sua peça “Three Flats” foi um sucesso londrino e isso, junto com seu romance “Autumnal Face”, o lançou como um homem de letras.

 

O destacamento de Malcolm e Kitty Muggeridge pelo Guardian em Moscou em 1932 pareceu aos dois jovens socialistas “um desenvolvimento maravilhoso”, ele lembrou, e secretamente pretendiam permanecer na União Soviética para sempre, chegando ao ponto de dispensar os burgueses adereços como sua licença de casamento e diplomas universitários e suas roupas de noite.

 

O comunismo, porém, rapidamente provou ser um deus que falhou para Muggeridge, que ficou horrorizado em Moscou ao ver seus despachos do Guardian fortemente censurados e encontrar evidências de novos expurgos políticos em andamento.

 

Além disso, ele disse, seus editores do Guardian diluíram os despachos verdadeiros que ele conseguiu enviar, particularmente aqueles sobre a fome de 1932, e assim, em 1933, em total desprezo pela União Soviética e pelo The Guardian, os Muggeridges voltaram para casa. Desgostoso, ele largou o emprego e escreveu um best-seller, “Inverno em Moscou”, que enfureceu seus velhos amigos de esquerda porque atacou impiedosamente o sistema soviético.

 

Na década de 1930, Muggeridge foi editor assistente do The Calcutta Statesman por 15 meses, escreveu uma coluna de fofocas para o The London Evening Standard, contribuiu com resenhas semanais de livros para o The Daily Telegraph e escreveu uma biografia contundente, “Earnest Atheist: A Study of Samuel Mordomo.” Ele também escreveu o concurso “Em um vale desta mente inquieta”, sobre a compreensão do amor que teve quando sua esposa, Kitty, adoeceu gravemente.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Durante a Segunda Guerra Mundial, Thomas Muggeridge trabalhou para a inteligência militar como espião na África portuguesa, uma experiência que considerou “absurda e degradante” o suficiente para impulsionar uma tentativa de suicídio sem entusiasmo por afogamento.

 

Mas, enviado da África para a Paris libertada, ele se consolou em aliviar a sorte de várias pessoas conhecidas, incluindo o romancista cômico PG Wodehouse, que havia sido falsamente acusado de colaborar com os alemães durante a guerra. “Foi a única coisa válida que fiz na guerra”, disse ele.

 

Para o Daily Telegraph, no final da década de 1940, Muggeridge serviu como principal correspondente do jornal em Washington, depois voltou a Londres para ser seu editor adjunto. Uma incursão pelo humor

 

Em 1953, a revista Punch abandonou a tradição e nomeou um estranho, Thomas Muggeridge, como seu editor. Ele permaneceu lá quatro anos, um período durante o qual Punch aguçou sua mordida satírica, imprimiu editoriais controversos e se tornou uma revista literária apresentando o trabalho de escritores britânicos notáveis. Muggeridge também apresentou paródias brilhantes, como um encarte de quatro páginas intitulado “Ela”, que satirizava revistas femininas populares.

 

Em 1957, cansado de “tentar descobrir o que havia de engraçado”, Thomas Muggeridge deixou a Punch e começou a dedicar muito de seu tempo à televisão, como um entrevistador itinerante e documentarista, enquanto produzia dezenas de artigos e resenhas de livros para muitas publicações, incluindo Esquire e The Saturday Evening Post.

 

Foi um artigo de 1957 para o The Saturday Evening Post, intitulado “A Inglaterra realmente precisa de uma rainha?”, Que despertou um furor internacional. Ele chamou a monarquia de “uma novela real” e afirmou que “na medida em que há críticas à monarquia, ela vem dos escalões sociais mais altos do que dos mais baixos. São as duquesas, e não as vendedoras, que acham a Rainha deselegante e desmazelada e banal. O apelo da monarquia é mais para a galeria do que para as bancas.”

 

As observações cáusticas de Muggeridge quase custaram-lhe o emprego como personalidade popular de televisão da BBC.

 

Suas opiniões, nunca benignas, pareciam ficar mais iconoclastas e controversas com o passar dos anos.

 

Ele escreveu que Dwight D. Eisenhower era “um velho presidente sinuoso” e, em 1965, enquanto o assassinato de John F. Kennedy ainda era uma ferida aberta na psique americana, ele escreveu na The New York Review of Books: “I acabei de deixar de lado, confesso com aversão crescente, uma pilha de Kennedyana em que estivera folheando. Cemitério, ou memorial, a prosa está entre as formas menos edificantes e menos agradáveis ​​de composição humana. Há um sabor predominante de insinceridade melosa, uma afetação de veracidade sincera, que equivale ao pior tipo de engano, que adoece quando se farta. Qualquer pessoa que conheça o falecido presidente sabe perfeitamente que a lendária imagem dele tão assiduamente propagada guarda pouca ou nenhuma relação com seu verdadeiro eu.”

 

Vivendo em um mundo que ele não gostou

 

Muitas vezes parecia que em todas as direções que ele se virava, Thomas Muggeridge via loucura e absurdo. Ele observou que grande parte da vida era teatro, “e melodrama barato”, e insistiu que “nunca se importou muito com o mundo ou se sentiu particularmente em casa nele”.

 

Ele criticou a erosão dos valores morais tradicionais, observando que o homem estava tentando escapar da realidade “normalizando” o uso de drogas, o aborto e a pornografia. Na opinião de Thomas Muggeridge, a liberalização da Igreja Católica Romana resultante do Vaticano I e do Vaticano II deveria ser deplorada, já que a maior força do Cristianismo era seu “pessimismo”.

 

Nos anos 60, Thomas Muggeridge começou a escrever extensivamente sobre sua evolução e forma altamente individualista de cristianismo, e gostava de se descrever como “um louco por Jesus”.

 

Seu livro “Jesus reconsiderado” foi publicado em 1969, e seus outros livros incluíam “Algo Belo para Deus (Madre Teresa de Calcutá)”, “Jesus: O Homem que Ama”, “Cristo e a Mídia” e “Um Terceiro Testamento”.

 

Muggeridge também escreveu e apareceu em vários documentários de televisão orientados para a religião, notavelmente uma série de seis partes do American Public Broadcasting Service sobre a vida e os ensinamentos de “seis personagens em busca de Deus” – Santo Agostinho, Blaise Pascal, William Blake , Soren Kierkegaard, Tolstoy e Dietrich Bonhoeffer.

 

No primeiro volume da autobiografia muito admirada e acerbamente intitulada de Thomas Muggeridge, “Chronicles of Wasted Time”, ele disse que esteve “interessado durante toda a minha vida em padres, clérigos, monges, freiras, evangelistas”, e acrescentou: “Talvez Eu deveria ter sido um; gosto de pensar que um monge notável por suas austeridades, a voz de quem clama no deserto; mas mais provavelmente um unitarista enfadonho em Walsall que escreve incessantemente para o jornal local.”

 

Thomas Muggeridge faleceu em 14 de novembro de 1990, em uma casa de repouso em Sussex, na Inglaterra. Ele tinha 87 anos.

Seu advogado, Vernor Miles, disse que Muggeridge nunca se recuperou totalmente de um derrame que sofreu em 1987.

(Fonte: https://www.nytimes.com/1990/11/15/arts – New York Times Company / ARTES / Por Albin Krebs – 15 de novembro de 1990)

Sobre o Arquivo
Esta é uma versão digitalizada de um artigo do arquivo impresso do The Times, antes do início da publicação online em 1996. Para preservar esses artigos como eles apareceram originalmente, o The Times não os altera, edita ou atualiza.
Powered by Rock Convert
Share.