Lida Baarova, atriz que se destacou nos anos 30 em filmes produzidos pelo 3.º Reich, foi amante do ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels

0
Powered by Rock Convert

L. Baarova, amante de Goebels

Linda atriz tcheca que recusou Hollywood para se tornar amante de Goebbels

 

Lida Baarova

Lída Baarová (Foto: Pinterest / DIREITOS RESERVADOS / Divulgação)

 

 

Lida Baarova (Praga, 7 de setembro de 1914 – Salzburgo, 27 de outubro de 2000), atriz que se destacou nos anos 30 em filmes produzidos pelo 3.º Reich.

Lida, cujo nome verdadeiro era Ludmila Babkova, foi amante do ministro da propaganda de Hitler, Joseph Goebbels. Nasceu em setembro de 1914, em Praga.

Há alguns anos, após a morte de seu segundo marido, passou a viver na Áustria. Baarova se fez famosa no mundo do cinema após iniciar seus trabalhos na companhia de cinema Alemã, UFA. Sua estreia ocorreu em 1935, com Barcarole.

Nessa mesma época, entre 1934 e 1938, rodou grande número de filmes em Berlim. Na Espanha atuou em Rapsodia de Sangue. Para evitar um escândalo após o término de sua relação com Goebbels foi obrigada a fugir para a República Checa (então Checoslováquia).

A partir de 1943 passou a viver em Roma, onde participou de alguns filmes de Vittorio de Sica e de Federico Fellini, como Os Boas Vidas.

Quando a atriz checa Lida Baarová, foi a Berlim em 1934 e começou a se misturar com os líderes nazistas, sentia-se como se estivesse no céu. Os arrependimentos vieram depois. Seis décadas depois, ela me contou sobre as ofertas para ir a Hollywood, que ela havia recusado. Se ela tivesse escapado das garras dos nazistas, ela observou, ela poderia ter sido tão famosa quanto Marlene Dietrich.

Possivelmente. Mas na época ela se deliciou com a atenção que recebeu dos seguidores de Adolf Hitler, particularmente seu ministro da propaganda, Josef Goebbels. Ela será mais lembrada pelo caso que teve com ele, que ameaçou sua carreira, e não por sua atuação.

Como muitos da elite nazista, ela e seu marido ator alemão, Gustav Fröhlich – com quem co-estrelou em seu primeiro filme alemão Barcarole (1935), que fez dela um nome familiar – morou em uma vila de Berlim na pitoresca Wannsee, apenas três portas abaixo de Goebbels. Ele a perseguiu ardentemente, entretendo-a em sua vila e dando-lhe presentes caros. Quando Fröhlich, que estrelou o filme de Fritz Lang, Metropolis, de 1927, descobriu, a lenda diz que ele o desafiou para um duelo. Outra história foi que os amigos de Fröhlich encontraram Goebbels no apartamento de Baarová e bateram nele.

Fröhlich foi brevemente detido em um campo de concentração, mas foi a esposa de Goebbels, Magda, que procurou Hitler a respeito do comportamento do marido. Hitler ficou furioso, recusando a permissão de Goebbels para se divorciar de Magda e se casar com Baarová. Em vez disso, ele ordenou que Goebbels nunca mais visse sua amante. Baarová fugiu para Praga, abandonando uma carreira brilhante. Os historiadores dizem isso de maneira ligeiramente diferente: através do comando da polícia de Berlim, Hitler ordenou sua extradição e proibiu seus filmes. “A vida é tão dura e cruel”, escreveu Goebbels em seu diário, embora sua paixão pelo nazismo fosse maior que seu amor por Baarová. Mas o desespero resultante é dito que o levou a ameaçar o suicídio.

oexploradorPowered by Rock Convert

Apesar de sua desaprovação declarada do “eslavo inferior”, até mesmo o Führer mostrou interesse romântico na atriz. Eles se conheceram quando ele visitou o estúdio onde ela estava filmando com Fröhlich. Mais tarde, ele a convidou para o chá.

Ela dirigiu-se em seu BMW, que, ela observou, Hitler achou “um pouco estranho”. Ele contou a ela sobre a semelhança dela com Gerri Raubel, uma de suas ex-amantes, que havia se matado. Em outra reunião na hora do chá, ele tentou persuadi-la a renunciar à sua nacionalidade checoslovaca. “Mas eu disse a ele: ‘Eu gosto de ser cidadão da Checoslováquia’. “Os convites da hora do chá pararam de chegar.

Nascido em Praga, filha de um funcionário público, Baarová tornou-se uma estrela do cinema checoslovaco aos 21 anos, após seu primeiro filme, A carreira de Pavel Camrda (1931). Em 1934, a empresa alemã UFA contratou-a e o papel como Giacinta em Barcarole se seguiu. Seu último filme alemão foi Der Spieler (The Gambler) em 1937.

Seu voo para Praga não trouxe segurança, pois os alemães invadiram em março de 1939, completando o desmembramento de sua terra natal. A partir de 1942 ela fez filmes na Itália, mas depois da queda de Mussolini ela retornou a Praga. Acusada de colaborar em 1945, ela foi presa até o final de 1946. Ela então se casou com um agente de teatro, Jan Kopecky – que era parente do ministro do Interior comunista. Depois de uma tentativa frustrada de fugir da Tchecoslováquia, o casal foi curiosamente autorizado a sair; eles foram para a Argentina e depois para a Espanha.

Na década de 1950, Baarová atuou em vários filmes italianos e espanhóis, incluindo I Vitelloni, de Federico Fellini (1953). Ela se divorciou em 1956, mudou-se para Salzburgo e tomou a cidadania austríaca. Em 1970 ela se casou com um ginecologista de Salzburgo, Kurt Lundwall, que era 20 anos mais velho que ela;ele morreu três anos depois.

Ela retornou ao palco em 1960 em Düsseldorf. Mas mesmo na Áustria, muitos nunca a perdoaram. Em 1967, no teatro de Graz, ela foi recebida por grupos de manifestantes que atiravam ovos. Em 1975, ela estava aparecendo na versão teatral alemã de The Bitter Tears, de Rainer Werner Fassbinder (1945-1982), de Petra Von Kant.

Baarová foi redescoberto na década de 1990. Uma biografia cinematográfica foi gravada em Salzburgo em 1995. Nos últimos anos, ela virou-se para beber, dizendo que sua familiaridade com Goebbels havia “tornado minha vida um inferno”. Mesmo em suas entrevistas finais, há três anos, ela negou que houvesse um caso.

No entanto, ela parecia impenitente, dizendo que ela tinha sido “jovem e ingênua”, e não remotamente politicamente consciente. “Eu não era nazista, mas, como outras mulheres, temia dizer não a esses homens”, disse ela. Sobre os crimes nazistas, ela simplesmente encolheu os ombros. “Sinto-me indiferente”, ela me disse. “Eu só quero esquecer todo o episódio.”

Sua autobiografia, Escapes, foi publicada em 1983; um segundo volume, The Softbuster of Life, deve ser lançado em breve. Um de seus últimos desejos foi retornar a Praga, mas ela nunca conseguiu. A polícia encontrou seu corpo em seu apartamento em Salzburgo.

Lida Baarová (Ludmila Babkova), atriz, nascida em 12 de maio de 1914; morreu 27 de outubro de 2000

Lida Baarova faleceu em Salzburgo, em 27 de outubro de 2000, morreu aos 86 anos.

(Fonte: http://cultura.estadao.com.br/noticias/cinema – NOTÍCIAS – CINEMA – CULTURA –  29 de out de 2000)

(Fonte: https://www.theguardian.com/news/2000/nov/09 – NOTÍCIAS – 8 Nov 2000)

Powered by Rock Convert
Share.