John Rock, ginecologista, foi o primeiro a realizar a fecundação de um óvulo humano em proveta

0
Powered by Rock Convert

JOHN ROCK, DESENVOLVEDOR DO COMPRIMIDO E AUTORIDADE EM FERTILIDADE

 

 

John Rock (Marlborough, Massachusetts, 24 de março de 1890 – Peterborough, Nova Hampshire, 4 de dezembro de 1984), ginecologista e obstetra nascido no dia 24 de março de 1890. Foi um dos quatro pesquisadores que desenvolveram conjuntamente a pílula anticoncepcional nos anos 50.

 

Católico praticante, Rock levou anos tentando convencer o Vaticano de que seu método de contracepção era natural e chegou até a publicar um livro, Proposições de um Médico Católico para Deter a Guerra ao Controle da Natalidade, em 1963.

 

Também foi o primeiro a realizar, em 1944, a fecundação de um óvulo humano em proveta, além de descobrir que o esperma podia ser congelado sem prejuízo da fertilidade.

 

John Rock faleceu dia 4 de dezembro de 1984, aos 94 anos, de ataque cardíaco, em Peterborough, New Hampshire, Estados Unidos.

(Fonte: Veja, 12 de dezembro, 1984 –Edição 849 –Datas –Pág; 122)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

John Rock - Gregory Goodwin Pincus

 

(Fonte: Veja, junho de 2010 – ANO 43 – Edição 2166 – Sexo e saúde / ESPECIAL MULHER / Por DÉBORA RUBIN – Pág: 54/57)

 

 

 

 

 

 

 

oexploradorPowered by Rock Convert

 

 

JOHN ROCK, DESENVOLVEDOR DO COMPRIMIDO E AUTORIDADE EM FERTILIDADE

 

John Rock, foi um pioneiro no estudo da fertilidade humana que ajudou a desenvolver a pílula anticoncepcional.

 

 

John Rock foi o primeiro cientista a fertilizar um óvulo humano em um tubo de ensaio, em 1944, e entre os primeiros a congelar espermatozoides por um ano sem prejudicar sua potência. Mas a sua realização mais notável veio através do seu trabalho com o Dr. Gregory Pincus e o Dr. Min Chueh Chang na produção do primeiro contraceptivo oral. Dr. John Rock desempenhou um papel fundamental nos testes clínicos da pílula.

 

 

 

Atuando no sistema hormonal para inibir a ovulação, a pílula anticoncepcional permitiu que milhões de mulheres deixassem de nascer indesejada ou prematura. Como tal, ajudou a promover uma revolução no comportamento sexual, no status das mulheres e no controle populacional. Mas a pílula também provocou um vigoroso debate moral e religioso, no qual o Dr. Rock frequentemente imaginava.

Em desacordo com a igreja

O trabalho do Dr. John Rock colocou-o em desacordo com a Igreja Católica Romana, da qual ele foi um adepto durante toda a sua vida. Um homem que comparecia à missa todas as manhãs e mantinha um crucifixo na parede acima de sua escrivaninha, o Dr. Rock lutava arduamente para convencer os líderes católicos de que a pílula era um “complemento da natureza e seu uso se conforma à teologia católica”. seu livro, “O tempo chegou”.

Ele se tornou alvo de ataques amargos de alguns que o chamavam de renegado, e ele não conseguiu mudar a teologia católica. Mas ele estimulou muita discussão dentro e fora da igreja.

Quando questionado sobre a razão de sua batalha, ele disse aos amigos que quando era menino de 14 anos, ele foi informado por um padre católico em Massachusetts: “John, sempre se atenha à sua consciência. Nunca deixe ninguém guardar para você, e eu quero dizer qualquer outra pessoa.

Um famoso ginecologista e obstetra durante a maior parte de sua carreira, Dr. Rock fundou a Clínica de Fertilidade e Endocrinologia no Hospital Gratuito para Mulheres em Brookline, Massachusetts, um dos primeiros centros desse tipo nos Estados Unidos. Ele dirigiu de 1926 a 1956.

Ele ensinou em Harvard

Durante a maior parte desses anos, ele também manteve uma associação profissional com a Harvard Medical School; foi professor emérito de ginecologia em Harvard de 1947 a 1956. Depois disso dirigiu a Rock Reproductive Clinic em Brookline até sua aposentadoria.

John Rock cortou uma figura da elegância colegial da Nova Inglaterra, preferindo jaquetas de tweed e laços de gravata e às vezes fumando cachimbo.

Seus antepassados ​​do lado paterno eram nativos do condado de Armagh, na Irlanda, e ele nasceu em Marlboro, Massachusetts, em 24 de março de 1890. Seu pai administrava uma loja de bebidas de sucesso e vendia imóveis, mas o filho era um fracasso em sua vida. primeiras incursões no negócio. Ele foi demitido de trabalhos de contabilidade com a United Fruit Company na Guatemala e de uma empresa de engenharia em Rhode Island.

Ele ingressou na Universidade de Harvard e depois na Harvard Medical School, onde decidiu investir sua vida no estudo do sistema nervoso humano. Ele logo mudou seu interesse pela reprodução. Enquanto ele estava em Harvard, a Primeira Guerra Mundial estourou. Suas três tentativas de voluntariar-se pelo serviço não deram em nada porque os comitês de recrutamento preferiam que ele continuasse seus estudos médicos.

Durante todos esses anos, ele foi um católico leal. Em 1925, quando se casou com Anna Thorndike, William Cardinal O’Connell de Boston, um amigo próximo da família Thorndike, oficiou. Ele trabalhou na esterilidade

John Rock foi um defensor do controle de natalidade quando jovem e ele pediu em 1931 a revogação de uma lei de Massachusetts contra a venda de contraceptivos. Seu primeiro trabalho em medicina de pesquisa, no entanto, concentrou-se em superar a esterilidade. Em 1944 ele e a Dra. Mirian F. Menkin realizaram a primeira fertilização de um óvulo humano fora do corpo.

Os primeiros testes de uma pílula anticoncepcional em seres humanos começaram em meados da década de 1950, com centenas de mulheres em Brookline, Porto Rico, Haiti e outros lugares. As mulheres eram obrigadas a tomar a pílula, composta de hormônios sintéticos, diariamente por 20 dias no ciclo menstrual. Nenhum dos primeiros grupos de mulheres testadas engravidou.

A Food and Drug Administration aprovou a primeira versão comercial da pílula, Enovid, em 1960.

Ele Focou Religioso FoesDr. Rock se concentrou na oposição religiosa à pílula por causa da forte preocupação com a explosão da população mundial e seus efeitos. Ele sentiu que era importante ganhar a igreja para o seu lado, e ele conseguiu alguns convertidos. Até mesmo Richard Cardinal Cushing, que brigou com a teologia do Dr. Rock, disse que no livro Rock “há muito que é bom”.

Em 1970, foram levantadas questões sobre a segurança da pílula. Dr. Rock defendeu firmemente a pílula nas audiências do Senado. Em uma entrevista na época, ele disse:

”Se problemático ou trágico, esses efeitos colaterais são os mesmos encontrados em mulheres individuais durante a última parte do ciclo menstrual e da gravidez. Os hormônios sintéticos funcionam no corpo de maneira bastante semelhante à maneira como os hormônios das próprias mulheres funcionam”.

Ele enfatizou, no entanto, que a pílula deve ser prescrita por um médico familiarizado com a história médica do usuário e que as mulheres que tomam a pílula devem informar prontamente os médicos sobre quaisquer efeitos colaterais.

John Rock faleceu em 4 de dezembro de 1984 de um ataque cardíaco em Peterborough, Nova Hampshire. Ele tinha 94 anos e viveu em Temple, Nova Hampshire.

(Fonte: Companhia do New York Times – ARQUIVOS | 1984 / Por JOSEPH BERGER – 5 de dezembro de 1984 )

Powered by Rock Convert
Share.