Robert Mezey, poeta premiado, editor de antologia de ponta e tradutor de Pomona, estudou com o influente poeta-crítico John Crowe Ransom

0
Powered by Rock Convert

Robert Mezey, professor, poeta e tradutor de Pomona

 

 

Robert Mezey (Filadélfia, 28 de fevereiro de 1935 – Bowie, Maryland, 25 de abril de 2020), poeta premiado, editor de antologia de ponta e professor carismático do Pomona College.

 

Brilhante, inconstante e muitas vezes rebelde, Mezey atingiu a maturidade artística na década de 1960. Seu começo de carreira solto incorporou os desafios e mudanças daquele período dramático nas letras americanas.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Nascido na Filadélfia em 28 de fevereiro de 1935, Mezey provou ser um aluno precoce, mas inquieto. Já seguro de sua vocação literária, aos 16 anos ingressou no Kenyon College, onde estudou com o influente poeta-crítico John Crowe Ransom (1888–1974).

Em Kenyon, Mezey também fez amizade com dois alunos mais velhos que retornavam do serviço militar – o romancista EL Doctorow e o poeta James Wright. Apesar do ambiente favorável, Mezey desistiu após dois anos.
O poeta logo se viu no Exército dos Estados Unidos, mas foi dispensado cedo, como ele afirmou mais tarde, como um “subversivo”. Ele então frequentou a Universidade de Iowa, onde concluiu seu bacharelado.
Incentivado pelo poeta Donald Justice, que se tornou um amigo de longa data, Mezey começou seus estudos de pós-graduação no Iowa Writers’Workshop. Mais uma vez, ele desistiu – mas por um motivo mais feliz. Seu primeiro livro, “The Lovemaker” (1960), ganhou o Prêmio Lamont de Poesia.
Com base nesse volume de estreia, Mezey recebeu a bolsa Stegner em Stanford, mas no início do semestre de outono estava no México, em vez de Palo Alto. Seu novo mentor, o poeta rigorosamente formalista Yvor Winters (1900–1968), teve de enviar-lhe dinheiro para viajar de volta aos Estados Unidos. O relacionamento deles logo azedou.
Embora ele ainda não tivesse um diploma de pós-graduação – uma situação que não mudaria até que Kenyon lhe concedesse um doutorado honorário em 2009 – Mezey lecionou brevemente em várias universidades. Suas saídas às vezes eram abruptas.
No Franklin and Marshall College, na Pensilvânia, Mezey incentivou seus alunos a queimarem seus cartões de recrutamento. Oferecendo o salário de um ano inteiro, ele saiu mais cedo.
Enquanto isso, o estilo poético de Mezey mudouele seguiu o zeitgeist em versos livres. “Quando eu era bem jovem”, escreveu ele, “sofri influências doentias – Yvor Winters, por exemplo, e América, e minha mãe, embora não nessa ordem”.
Mezey explorou sua nova estética em uma série de livros, incluindo “White Blossoms” (1965) e “A Book of Dying” (1970). Quando seu novo e selecionado volume, “The Door Standing Open” (1970) apareceu, ele rotulou uma pequena seção de seus primeiros versos rimados de “Someone Else’s Poems”.
Sua rebelião poética atingiu o ápice com a publicação de “Naked Poetry” (1969), coeditado com Stephen Berg. Esta antologia polêmica proclamou o abandono da poesia métrica e o surgimento de “formas abertas”. Nenhum livro literário expressou melhor o clima do momento histórico.
Em 1976, a vida itinerante de Mezey encontrou um lugar de descanso feliz quando o Pomona College lhe ofereceu um cargo. “O melhor trabalho da minha vida”, disse ele. Ele ensinou em Pomona até sua aposentadoria em 2000 e esporadicamente depois. A faculdade nunca lhe garantiu a estabilidade, mas acabou promovendo-o a professor titular.
Não sendo um acadêmico por temperamento, Mezey provou ser um professor inspirador. A poetisa Jodie Hollander o chamou de “um mentor maravilhoso, mas muito exigente”. John Darnielle, fundador do Mountain Goats, descreveu a instrução de Mezey como crucial para sua habilidade como letrista. “Todos os dias da minha vida”, afirmou ele, “sou grato ao poeta Robert Mezey”.
Mezey também publicou edições comentadas de Thomas Hardy e EA Robinson e colaborou com a Justiça em uma edição póstuma do negligenciado poeta de Los Angeles Henri Coulette.
À medida que o século chegava ao fim, o estilo de Mezey voltou às formas tradicionais, que ele agora empregava com equilíbrio perfeito. Seus últimos volumes incluem “Seleção Natural” (1995) e “Poemas Coletados” (2000), que ganhou o Prêmio dos Poetas.
Enquanto isso, Mezey se sentia atraído pela tradução poética. Suas “traduções selecionadas” (1981) continham versões convincentes de autores espanhóis, franceses e iídiche. Seu maior empreendimento, entretanto, foi um desastre.
Com seu colega do Pomona College Dick Barnes, Mezey realizou uma tradução dos poemas de Jorge Luis Borges. Depois de algum incentivo inicial da viúva do autor argentino, os dois poetas passaram anos elaborando traduções suaves que reproduziam as formas métricas originais de Borges.
Então a dupla descobriu que não poderia obter os direitos da língua inglesa. As melhores traduções de Mezey permaneceram inéditas, exceto em algumas colações de copiadoras que circularam entre amigos.
Cético religioso, Mezey não acreditava na vida após a morte. Em vez disso, ele ofereceu uma visão suave da morte:

Abençoado esquecimento, infinitamente indulgente,
Perpétua paz e silêncio e completa
Ausência de dor. Agora, isso é o que chamo de vida.

 

Robert Mezey faleceu em 25 de abril de pneumonia em uma casa de repouso em Bowie, Maryland. Ele tinha 85 anos.

(Fonte: https://www-latimes-com – Los Angeles Times / STORY / POR DANA GIOIA – 29 DE ABRIL DE 2020)

Direitos autorais © 2021, Los Angeles Times

Powered by Rock Convert
Share.