Primeira mulher apresentadora do Prêmio Sexy Hot

0
Powered by Rock Convert

Natália Klein, 1ª mulher apresentadora do Prêmio Sexy Hot, diz querer dar ‘pegada feminina’ ao ‘Oscar pornô’

 

Atriz, humorista e roteirista conduziu a edição 2019 da cerimônia, que aconteceu em 6 de agosto. ‘É preciso tirar o pornô da obscuridade, porque existe demanda e mercado’, disse.

 

 

Primeira mulher escolhida para apresentar o 6º Prêmio Sexy Hot, conhecido como o Oscar pornô brasileiro, a atriz, humorista e roteirista Natália Klein disse que vai dar uma “pegada feminina” à edição 2019 do evento, que aconteceu em (6) em São Paulo.

 

“Mas quero que os homens gostem da cerimônia também. Não é para ser de menininha, é para ser divertido para todo mundo”, conta ela, em entrevista ao G1.

 

A premiação é promovida pelo canal de TV paga de mesmo nome, que faz parte do Grupo Playboy do Brasil.

 

“A gente sabe que o [público] é supermasculino. Espero que mude com o passar dos anos, mas ainda é”, afirma Natália. “Por isso, achei bem ousado terem me chamado.”

 

Nas últimas três edições, o Oscar pornô teve Leo Jaime como apresentador, que sucedeu o ator Sérgio Loroza. No Prêmio Sexy Hot 2018, as mulheres foram o destaque.

 

Apresentadora diz que foi criticada

Natália, que é criadora do programa “Adorável psicose”, do Multishow, admite que recebeu com surpresa o convite para assumir a função: “Achei que fosse zoação. Um prêmio de sexo é tão fora da minha realidade, eu me acho tão ‘não sexy’…”.

Quando tornou a notícia pública, recebeu críticas: “Teve vários comentários positivos, mas vários falando que eu estava incentivando uma indústria que prega violência contra a mulher. Mas as coisas estão mudando. Muitas das mulheres que trabalham com pornô não se consideram vítimas. Então, quem sou eu para julgar?”.

Ela cita, agora, o discurso da atriz e diretora Mila Spook, que em 2018 se tornou a primeira mulher a vencer a categoria Melhor Direção. No palco, a vencedora celebrou a conquista como um passo importante para mostrar “que é muito errado esse estereótipo de que a gente escolheu esse meio porque não teve outra opção”.

Natália diz e repete que “existe a demanda pelo pornô e existe o mercado”. “Sendo assim, vamos fazer com que o mercado seja saudável, que seja justo. Se a demanda vai sempre existir, por que não regulamentar?

“É preciso tirar o pornô da obscuridade, porque existe a demanda, existe o mercado. Então, vamos fazer direitinho, para que seja bom para todo mundo – não só para quem quem está assistindo, mas para quem está produzindo também, para que o profissional tenha a sua dignidade, o seu espaço. E digo isso como leiga…”

Marido contou para todo mundo

Perguntada se é consumidora de filmes pornôs, Natália diz que “não muito”. “Até tentei, anos atrás, mas é aquilo… O cara chega, tira a roupa, começa a transar, aí já começa…”, descreve, genericamente. “Claro que tem mulheres que estão super ok com isso e acham superssexy, mas não não é o meu tipo de coisa.” O que é sexy, então?

A humorista cita a série um romance entre um padre e uma jovem retratado na série “Fleabag”. “O negócio que demora, mas a maneira como é construído… Acho mais sexy do que muito filme pornô. Me deixa muito mais no clima do que um filme assim, de tipo eu falar pro meu marido.”

O marido volta a ser citado quando Natália comenta a reação de pessoas próximas ao convite para apresentar o prêmio. “Ele está achando muito engraçado, contando para todo mundo. Eu falei para ele: ‘Para de falar pra todo mundo!’. É que, às vezes, ele conta para umas pessoas nada a ver…”, diz ela.

No geral, lembra a atriz, a recepção foi positiva: “Fiquei muito preocupada, falei: ‘Será que vão me julgar?’. Mas, quando comecei a espalhar, todo mundo dizia: ‘Eu quero ir, eu quero muito assistir!’. É um universo que gera muita curiosidade. Todo mundo quer ir, inclusive minha mãe”.

 

Vai ver é, em parte por isso, que Natália tenha planos de “trazer uma coisa meio divertida, trazer um pouco mais de show business para a entrega do prêmio”. “Quero uma coisa menos burocrática. Vai ter movimentos, vai ter brincadeiras, quadros.”

 

 

O canal do Sexy Hot no YouTube transmitiu a entrega dos troféus ao vivo, a partir das 21h30. Além da apresentação de Natália, a sexta edição teve o humorista Paulinho Serra em participações especiais, interagindo com os concorrentes e com a plateia.

 

Em 2019, a principal novidade do Prêmio Sexy Hot é a volta das categorias LGBT, ausentes em 2018. Das 17 categorias, cinco são dedicadas a produções do tipo. Foi o público quem escolheu os ganhadores, em votação no site.

 

Veja, abaixo, os indicados ao Prêmio Sexy Hot 2019:

Melhor Atriz Hétero

  • Mary Luthay, de “Massagem excitante” (selo: Sexfoxx)

 

  • Mia Liz, de “Violada ao extremo” (selo: Brad Montana)

 

 

  • Dreadhot, de “Sugar baby” (selo: XPlastic)

 

Melhor Ator Hétero

  • Ed Junior, de “Amor e traição” (selo: HardBrazil)

 

  • Loupan, de “Massagem excitante” (selo: Sexfoxxx)

 

  • Vinny Burgos, de “Show de vizinha” (selo: Brad Montana)

 

 

Revelação do Ano Hétero

  • Luna Oliveira, de “Casting Brad Montana” (selo: Brad Montana)

 

  • Mario, de “Loira voraz 2” (selo: Fita Safada)

 

  • Alemão, de “Sugar baby” (selo: XPlastic)

 

Melhor Direção

 

 

  • Fabio Silva, de “La casa de Raquel” (selo: HardBrazil)

 

  • Lidy Silva, de “Massagem excitante” (selo: Sexfoxx)

 

  • Paul Wild, de “Start up das loiras” (selo: WS Produções)

 

 

Melhor Filme Hétero

 

 

  • “La casa de Raquel” (selo: HardBrazil), de Fabio Silva

 

  • “Massagem excitante” (selo: SexFoxxx), de Lidy Silva

 

  • “Sugar baby” (selo: XPlastic), de Roy LP

 

Melhor Cena de Fetiche

 

 

  • Mayanna Rodrigues e Patricia Kimberly, de “Amarradas e dominadas” (selo: Fetishboxxx)

 

  • Bia Roman e Dany Skyli, de “Bound up” (selo: XPlastic)

 

  • Amanda Souza e Loupan, de “Traições e fetiches” (selo: HardBrazil)

 

Melhor Cena de Sexo Oral

 

  • DreadHot e Alemão, de “Sugar baby” (selo: XPlastic)

 

  • Marcella Schultz e Loupan, de “Treinar ou gozar” (selo: HardBrazil)

 

  • Amanda Souza, Elisa Sanches e Capoeira, de “Triângulo sexual” (selo: Fita Safada)

 

Melhor Cena de Ménage

 

  • Carolina Carioca, Vinny Burgos e Jack Kallahari, de “Boas entradas” (selo: Redfire)

 

  • Mila Spook, Debora Blu e Nan, de “O que trazes pra mim” (selo: XPlastic)

 

  • Amanda Souza, Elisa Sanches e Capoeira, de “Triângulo sexual” (selo: Fita Safada)

 

Melhor Cena de Dupla Penetração

  • Luna Oliveira, Jack Kallahari e Vinny Burgos, de “Brad sex in Rio” (selo: Brad Montana)

 

  • Mirella Mansur, Nego Catra e Tony Tigrão, de “Promessa é dívida” (selo: HardBrazil)

 

  • Yana Morgana, Mark But, Eduardo Lima, Vinny Burgos e Felipe Costa, de “Taras de Yara Morgana” (selo: Redfire)

 

Melhor Cena de Orgia/Gang Bang

 

 

  • Amanda Souza, Mirella Mansur, Polly Petrova, Ed Junior e Loupan, de “Ilha da perdição III” (selo: HardBrazil)

 

  • Elisa Sanches, Giovana Bombom, Suzy Anderson, Indyara Dourado, Eduardo Lima, Fred Salazar, Jack Kallahari e Felipe Costa, de “Resenha do Brad” (selo: Brad Montana)

 

  • Yara Morgana, Eduardo Lima, Felipe Costa, Mark But e Vinny Burgos, de “Taras de Yara Morgana” (selo: Redfire)

Melhor Cena de Sexo Anal

 

  • Ed Junior e Amanda Borges, de “A hóspede desejada” (selo: WS Produções)

 

  • Elisa Sanches, Eduardo Lima e Vinny Burgos, de “Elisa, campeã anal” (selo: Brad Montana)

 

  • Loupan e Mary Luthay, de “Massagem excitante” (selo: Sexfoxxx)

 

 

Melhor Atriz Homo Feminina

 

 

  • Patricia Kimberly, de “Amarradas e dominadas” (selo: Fetishboxxx)

 

  • Giovanna Bombom, de “As aventuras de Giovana Bombom” (selo: Black Brothers)

 

  • Bruinha Fitness, de “Loira voraz 3” (selo: Fita Safada)

 

 

Revelação do Ano LGBT

 

 

  • Bellatrix, de “Diga sim para a yoga” (selo: Panda Lust / Trans Angels)

 

  • Victoria Neves, de “Escravinha T” (selo: TSRaw)

 

  • Yure Oberon, de “Yure Oberon e Christian Hupper” (selo: Hot Boys)

 

 

Melhor Atriz Trans

 

 

  • Deborah Tavares, de “Só queria sexo mesmo” (selo: TSRaw)

 

  • Amanda Fialho, de “Tentação tropical” (selo: Panda Lust/Trans Angels)

 

 

  • Carla Novaes, de “Trocando o óleo” (selo: Vídeos Made in Brazil)

 

 

Melhor Cena Homo Feminina

 

 

  • Alessandra Maia e DreadHot, de “Sugar baby” (selo: XPlastic)

 

  • Patricia Kimberly e Giovana Bombom, de “As aventuras de Giovana Bombom” (selo: Black Brothers)

 

  • Mayanna Rodrigues e Patricia Kimberly, de “Amarradas e dominadas” (selo: FetishBoxxx)

 

 

Melhor Cena Transexual

 

 

  • Bellatrix e Victor Hugo, de “Diga sim para a yoga” (selo: Panda Lust / Trans Angels)

 

  • Lilith Scarlett, Victoria Carvalho, Samara de Macedo, Juliana Leal, Geane Peron e Chrystal, de “Pau e buceta” (selo: TSRaw)

 

  • Carla Novaes e Capoeira, de “Trocando o óleo” (selo: Vídeos Made in Brazil)

 

 

Melhor Filme Sexy Hot Produções

 

 

Powered by Rock Convert
  • “App” (selo: WS Produções), de Paul Wild

 

  • “Atração” (selo: J3), de Javier Falcon

 

  • “Ano novo” (selo: WS Produções), de Paul Wild

 

(Fonte: https://g1.globo.com/pop-arte/noticia/2019/08/06 – POP & ARTE / NOTÍCIA / Por Cauê Muraro, G1 – 06/08/2019)

Powered by Rock Convert
Share.