Primeira e única mulher da história a confeccionar malas de couro

0
Powered by Rock Convert

Grife de Pauline Moynat

 

Pauline Moynat é a única mulher da história a confeccionar malas de couro e manter sua grife centenária

Pauline Moynat: 170 anos de história (Moynat/Divulgação)

 

Primeira e única mulher da história a confeccionar malas de couro

 

 

Malas Moynat, grife de Pauline Moynat (Moynat/Divulgação)

 

 

Para quem precisa se submeter a constantes viagens aéreas – e quase sempre é obrigado a despachar a bagagem a contragosto, por falta de espaço na cabine -, o ramo de malas não costuma evocar os sentimentos mais nobres. Quando a francesa Pauline Moynat começou a apostar nele, em 1849, elas eram sinônimo de sofisticação e da efervescência que tomava conta de Paris. Era a cidade de figuras como Balzac, Victor Hugo e Baron Haussmann, o responsável por reurbanizar a metrópole de cima a baixo.

 

 

 

Primeira e única mulher da história a confeccionar malas de couro, Pauline deu início ao negócio dela bem na época em que o sistema de trens da Cidade-Luz começou a ganhar corpo, abrindo terreno para a era de ouro das boutiques parisienses. Sua grife patenteou diversos modelos voltados para o transporte sobre trilhos e, quando os automóveis começaram a dominar as ruas, criou baús feitos sob medida para eles, na mesma cor das carrocerias.

 

 

 

Em 1903, a marca lançou a primeira bolsa em homenagem a uma celebridade, a atriz francesa Gabrielle Réjane, amicíssima de Pauline. A primeira loja da grife foi inaugurada em 1869, no número 1 da Avenue de L’Opéra. Passados 170 anos, a Moynat dispõe de lojas em Paris, Londres, Nova York, Los Angeles, Tóquio, Seul, Pequim, Xangai e Chengdu – em 2011, a rede foi adquirida pelo grupo LVMH.

 

 

 

Para celebrar o aniversário, a maison lançou diversas coleções especiais de suas peças. Além disso, criou um jornal, distribuído em suas lojas, batizado de “Voyageur”. O primeiro número rememora o ano de lançamento da boutique pioneira. O segundo presta tributo a 1809, quando a Torre Eiffel foi inaugurada, organizou-se a Exposição de Paris, da qual a Moynat participou, e viajar era um luxo só.

O glamour e a exclusividade das tradicionais bolsas Moynat

Vou contar a história de uma marca francesa que começou fazendo malas e até hoje fabrica seus produtos da mesma forma que em 1849, quando tudo começou.

E o mais interessante é que começou com uma menina de 16 anos, chamada Pauline Moynat, a única mulher que fabricou malas na história! Ela adorava este ramo e foi estudar esta profissão que era restrita aos homens, assim como a maioria das profissões na época.

Em frente à Comédia Francesa de Paris, Pauline instalou sua loja Moynat para atender à demanda dos viajantes de um novo meio de transporte chamado trem e, logo depois, do automóvel.

 

 

 

Mas, estar próxima ao teatro rendeu ótimas amizades e clientes fiéis, afinal, quem naquela época viajava mais que do que os artistas? Trocar ideias com pessoas descoladas é uma tradição da marca. Pauline era muito amiga da atriz Gabrielle Réjane e, 170 anos depois, o diretor artístico Ramesh Nair propôs ao músico Pharrell William assinar uma coleção (a famosa colab) utilizando uma técnica secular usada na madeira e que a marca faz no couro com uma excelência inimitável: a marchetaria.

 

 

 

Pauline deu os primeiros passos de muitos que se repetem até hoje na história da moda e um deles foi nomear sua primeira bolsa com o nome da sua melhor amiga atriz, isto mesmo: Réjane.

 

Powered by Rock Convert

 

 

Testou materiais dos mais leves aos mais estruturados e criou bolsas em forma de cubos, com estrutura de madeira e revestidas em couro. Este modelo, hoje chamado de Mini Vanity, foi usado por Réjane nas noites badaladas da Paris do século XIX e exige um conhecimento perfeito dos artesãos, uma vez que o rito de passagem para se tornar um é executar com perfeição esta peça que exige o encontro perfeito de partes com uma linha e duas agulhas.

 

 

Bolsas em forma de cubos, com estrutura de madeira e revestidas em couro.

 

 

 

Ela também patenteou suas criações, dentre elas a famosa mala que tem uma curva para se adaptar perfeitamente ao teto de uma Limousine, sem precisar de um porta bagagem metálico.

 

 

 

Mala que tem uma curva para se adaptar ao teto de uma Limousine.

 

 

 

Prática, inteligente, audaciosa e empreendedora seriam algumas de tantas características desta jovem francesa que deixou como legado uma marca que até hoje mantém nas suas criações contemporâneas seus princípios e tradições, que elevam seus produtos a um nível de excelência e exclusividade do mercado de luxo francês e internacional.

 

 

 

Esta marca se chama Moynat e está na programação do Passaporte Fashionista.

 

 

 

(Fonte: http://www.terapiadoluxo.com.br – LUXO / Por Andréa Furco – 21 fevereiro, 2019)

Jornalista e Consultora de Imagem, Estilo e Mercado de Luxo, formada pelo Instituto Marangoni em Milão e residente em Paris. Com 16 anos de carreira, é fundadora e presidente do Passaporte Fashionista.

(Fonte: https://exame.abril.com.br/estilo-de-vida – ESTILO DE VIDA / Por Daniel Salles – 11 set 2019)

Powered by Rock Convert
Share.