Phyllis Calvert, foi uma atriz que lotou os cinemas britânicos nos dias mais sombrios da II Guerra Mundial, com Margaret Lockwood, Stewart Granger e James Mason, foi uma das pedras angulares da Gainsborough Pictures

0
Powered by Rock Convert

Phyllis Calvert, heroína virtuosa dos melodramas em tempo de guerra

Phyllis Calvert (Londres em 18 de fevereiro de 1915 – Londres, em 8 de outubro de 2002), foi uma atriz feminina que lotou os cinemas britânicos nos dias mais sombrios da Segunda Guerra Mundial com suas atuações em dramas de fantasia escapistas e melodramáticos.

Junto com Margaret Lockwood, Stewart Granger e James Mason, a ruiva Phyllis Calvert foi uma das pedras angulares da Gainsborough Pictures, uma subsidiária do império cinematográfico J. Arthur Rank. Na década de 1940, Gainsborough lançou filmes de fanfarronice que foram assobiados pelos críticos, mas muito populares entre o público cansado da guerra e anseio por fantasia.

Ela alcançou a fama pela primeira vez como uma das chamadas Gainsborough Girls em “The Man in Gray” (1943), um drama da Regência em que interpretou a virtuosa Clarissa, presa em um casamento sem amor com o sádico Marquês de Rohan (Mason) e eventualmente salvo por um ator (Granger).

Em “Fanny by Gaslight”, no ano seguinte, Calvert foi vítima mais uma vez do traiçoeiro e sedutor Mason, apenas para ter sua virtude salva por Granger.

Dois outros golpes se seguiram. Como Maddalena em “Madonna das Sete Luas” (1944), Calvert interpretou a esposa esquizofrênica de um comerciante de vinhos italiano que foge periodicamente para Florença, onde, como Roseanna, ela se torna amante de um bandido, interpretado de forma não surpreendente por Granger.

Então, em “2000 Women” (1944), ela liderou as presidiárias de um campo de prisioneiros feminino na França ocupada pelos nazistas em uma versão animada de “There’ll Always Be an England” como a tripulação de um britânico abatido o bombardeiro escapou.

Phyllis Bickle, que mais tarde mudou seu nome para Phyllis Calvert, nasceu em Londres em 18 de fevereiro de 1915. Ela foi para a Margaret Morris School of Dancing e o Institut Français e fez sua primeira aparição no palco aos 10 anos em 1925. Ela a fez estreia no cinema aos 12.

Depois de trabalhar no teatro de repertório em várias cidades britânicas, ela apareceu pela primeira vez no West End em 1939 em “Punch Without Judy”. Durante essa produção, ela conheceu seu futuro marido, o ator e editor Peter Murray Hill, que morreu em 1957.

oexploradorPowered by Rock Convert

Seu primeiro grande sucesso no palco veio em 1942 em “Flare Path”, de Terence Rattigan, um drama de guerra sobre uma base de bombardeiros que Winston Churchill chamou de sua peça favorita. Quando não estava atuando, ela passava as noites como diretora de ataque aéreo.

Depois da guerra, a senhorita Calvert foi para Hollywood, onde apareceu em “Time Out of Mind” da Universal e em várias outras fotos. Mas, ao contrário de outras atrizes britânicas da época, como Vivien Leigh e Deborah Kerr, ela não repetiu seu sucesso britânico com o público americano.

Outras aparições notáveis ​​no teatro de Londres foram em “Complaisant Lover” de Graham Greene em 1959, em “Woman of No Importance” de Oscar Wilde em 1967 e em “Blithe Spirit” de Noël Coward em 1970.

Embora Phyllis Calvert tendesse a ser tipificada em comédias de sala de estar e thrillers menores, ela desempenhou vários papéis de maior peso, viajando com a Oxford Playhouse Company como Madame Ranevskaya em “The Cherry Orchard” em 1973 e interpretando a Condessa no “Enouilh” de Anouilh em 1961.

Phyllis Calvert faleceu em Londres, em 8 de outubro de 2002. Ela tinha 87 anos.

(Fonte: https://www.nytimes.com/2002/10/12/movies – New York Times Company / FILMES / Por Paul Lewis – 12 de outubro de 2002)

Powered by Rock Convert
Share.