O primeiro banco da história

0
Powered by Rock Convert

O banco mais antigo do mundo

 

O banco mais antigo do mundo sobreviveu 549 anos, mas está com os dias contados. Fundado em Siena em 1472, o Monte dei Paschi deve ser vendido ao concorrente Unicred.

Não fizesse parte da história italiana, talvez o Monte dei Paschi nem existisse mais. A instituição atravessa uma grave crise financeira desde 2007, quando decidiu comprar um concorrente para alcançar a marca de terceiro maior banco da Itália, atrás apenas do Intesa Sanpaolo e do UniCredit.

oexploradorPowered by Rock Convert

Depois, veio a crise econômica internacional, que deixou a economia e o sistema financeiro italiano em perigo. Diversas rodadas de capitalização ocorreram ao longo dos anos, permeadas por investigações de fraudes e até a morte misteriosa de um funcionário, num caso que foi investigado como suicídio.

Em julho, o Banco Central Europeu aplicou o chamado teste de estresse em todas as instituições financeiras do bloco. Isso é feito no mundo todo, para testar a solidez do sistema financeiro e evitar que uma instituição financeira em crise leve junto outras em efeito-dominó. Afinal, bancos são credores uns dos outros.

O problema é que o Monte dei Paschi apresentou o pior desempenho entre todas as instituições. Mais que isso: o teste revelou que o capital do banco cairia para perto de zero caso a recessão atual perdure até 2023. Daniele Franco, ministro da Economia da Itália, disse que a instituição precisaria de bem mais que 2,5 bilhões de euros em dinheiro novo para não quebrar.

Aí que a solução passa pela venda, apesar das críticas da população de Siena. A marca tem tanto apelo junto à população que poderá ser mantida, ainda que todos os serviços passem a ser prestados pelo Unicred. O negócio só se concretizará se os créditos podres da instituição ficarem com o governo italiano, acionista majoritário do Monte dei Paschi. Por sinal, as ações do banco valiam mais de 10 mil euros lá em 2007, quando a crise começou. Hoje, fecharam em 1,15 euro.

Apesar de existir há mais de 500 anos, o Monte dei Paschi não é o primeiro banco da história. A pedra fundamental do sistema bancário foi lançada em Gênova, pelo Banco di San Giorgio, em 1406. Foi bastante longevo, até. Fechou as portas quase 400 anos depois, em 1805. Por sinal, caso o fim anunciado do Monte dei Paschi realmente se confirme, o posto de banco mais antigo do mundo deverá ser ocupado pelo Berenberg Bank, fundado mais de um século depois em Hamburgo, na Alemanha.
(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/dinheiro/economia-e-negocios – DINHEIRO / ECONOMIA E NEGÓCIOS / VOCÊ S/A / por Tássia Kastner – 18/08/2021)

O banco mais antigo do mundo pode ir à venda na Itália

O banco mais antigo do mundo, o Banco Monte dei Paschi di Siena, fundado em 1472 na Itália, pode ser adquirido pelo UniCredit, um dos maiores do país. Em um teste de equilíbrio financeiro aplicado por reguladores europeus, teve um resultado pior que todos os demais participantes.

A avaliação apontou que uma recessão severa poderia acabar com o capital da instituição. O UniCredit discute a compra com a condição de que o governo fique encarregado dos empréstimos ruins.

Caso seja aprovada, o Monte dei Paschi poderá manter o nome,  os clientes não vão notar muitas diferenças, ao menos a curto prazo, e o título de banco mais antigo do mundo passará para o Berenberg Bank, fundado na Alemanha em 1590.

Publicidade

Monte dei Paschi representa um problema para o premiê italiano Mario Draghi, também ex-presidente do Banco Central Europeu, que tenta aprovar reformas e mudar o status da Itália de ‘economicamente atrasada’ em relação aos demais países da zona do euro.

“Há uma forte pressão política para encontrar uma solução o mais rápido possível”, afirmou Lorenzo Codogno, ex-economista chefe do Tesouro italiano, ao NY TimesSegundo ele, acabar com a responsabilidade governamental em relação ao banco, que foi quase estatizado depois de uma injeção de capital realizada pelo governo, “liberaria recursos, tempo e capital político para questões mais importantes”.

Mas, para os moradores de Siena, o Monte dei Paschi é um elemento importante da comunidade e identidade local. A instituição é a maior empregadora privada da região e investiu em creches, ambulâncias e até mesmo fantasias para o Palio, evento cultural que consiste em uma corrida de cavalos na praça central da cidade.

“O Monte dei Paschi faz parte da carne e do sangue da cidade”, diz Maurizio Bianchini, jornalista local, historiador do Palio e ex-chefe de comunicações do banco. “Do ponto de vista humano, é como se fosse parte de todas as famílias de Siena”.

Em 2008, o banco gastou mais do que podia na compra de um concorrente para se tornar o 3° maior da Itália, depois do Intesa Sanpaolo e UniCredit. Em 2013, executivos bancários foram investigados por denúncias de que teriam escondido, de reguladores e acionistas, dados sobre as perdas crescentes da instituição.

Durante a investigação, o diretor de comunicação do banco, David Rossi, foi encontrado morto embaixo da janela de seu escritório. Seus familiares afirmaram que Rossi não havia se suicidado, mas sim sido assassinado para que não divulgasse as informações que sabia, o que não foi comprovado pela polícia. Mas, em 2019, executivos do Monte dei PaschiDeutsche Bank e Nomura foram condenados por encobrir os problemas bancários.

Além do fator identitário, a população de Siena é contra o acordo com o UniCredit por causa das prováveis demissões, que podem chegar a cerca de 5.000, 1/3 do total de funcionários.

Os resultados dos testes aplicados pelo Banco Central Europeu apontaram que, no caso de uma recessão severa que dure até 2023, o capital do Monte dei Paschi chegaria a quase zero e o banco precisaria de cerca de € 2,5 bilhões para se recuperar, segundo o ministro da Economia da Itália Daniele Franco.

O CEO do UniCredit, Andrea Orcel, afirmou que o banco precisaria analisar as contas do banco italiano antes de decidir pela aquisição, mas o prefeito de Siena, Luigi De Mossi, disse que o Monte dei Paschi “não é um supermercado” e que o UniCredit não poderia escolher os bens e recursos que quer e deixar o resto para o governo.

A compra virou tema de discussão nas eleições parlamentares que serão realizadas em outubro e pode ser uma vantagem para o Lega Nord, partido de direita que apoia o atual prefeito.

Já Enrico Letta, ex-premiê italiano e candidato parlamentar para representar Siena e Arezzo, afirma que a cidade deve investir em outras áreas como a da saúde, a farmacêutica GlaxoSmithKline tem um centro de pesquisa  no local, onde fabrica vacinas.

“Os resultados do teste são uma amostra final de que o banco não é mais capaz de se sustentar por conta própria. Siena queria ser a capital das finanças, mas pode ser a capital da saúde. Temos que dar uma nova missão à cidade”, afirma.Alguns moradores concordam. “O Monte dei Paschi era a prosperidade de Siena, mas mesmo sem essa fusão, esse tempo já passou”, diz Marco Bruttini, designer gráfico aposentado de 70 anos.

(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil – NOTÍCIAS / BRASIL / por Poder360 – 19/08/2021)
Powered by Rock Convert
Share.