Enrico Castellani, foi um artista italiano que foi um membro proeminente da vanguarda do pós-guerra na Europa

0
Powered by Rock Convert

Enrico Castellani, artista da vanguarda do pós-guerra

 

Enrico Castellani (Castelmassa, na região de Veneto, 4 de agosto de 1930 – Celleno, Itália, 1º de dezembro de 2017), foi um artista italiano que foi um membro proeminente da vanguarda do pós-guerra na Europa.

 

Castellani participou do turbilhão de movimentos e grupos autoproclamados, alguns armados de manifestos, que floresceram em ambos os lados do Atlântico no final dos anos 1950 e 1960. Eles incluíram o Grupo Zero na Alemanha e o grupo Cobra em Copenhagen, Bruxelas e Amsterdã, bem como o círculo em torno de Yves Klein na França e os artistas Neo-Concretos no Brasil.

 

Muitos desses artistas enfatizaram materiais e processos cotidianos; a maioria rejeitou a expressão de subjetividade e emoção que prevaleceu na pintura abstrata gestual e escultura figurativa que imediatamente se seguiu à Segunda Guerra Mundial.

 

A arte de Castellani consistia em relevos na forma de telas monocromáticas com fileiras e mais fileiras de pontas tensas e protuberantes. Ele conseguiu esse efeito martelando dezenas de pregos cuidadosamente colocados em elaborados suportes de madeira, esticando a tela sobre suas cabeças salientes e pintando-a, geralmente de branco, mas também prateada, vermelha ou preta.

 

O resultado permaneceu fiel aos materiais básicos da pintura, enquanto transformava sua superfície tradicionalmente plana em um campo de ondulações topográficas que, interagindo com a luz, parecem mudar muito à medida que o observador se move em torno delas.

 

Incorporando aspectos de escultura, móveis e arquitetura, essas peças se assemelham a colchões aerodinâmicos e também sugerem modelos em escala de vastos edifícios modernos cujos telhados envolvem alguma tecnologia de engenharia até então desconhecida.

 

Especialmente quando brancos, os relevos de Castellani, que têm um ar estranho e lunar, faziam parte de uma tendência comum entre os artistas mais jovens de projetar pinturas da parede. Seus colegas nesses esforços incluíam os artistas americanos Lee Bontecou e Donald Judd e o artista alemão e fundador do Grupo Zero Günther Uecker, que também usou pregos para criar superfícies brutas, como fetiche.

 

Enrico Castellani nasceu em 4 de agosto de 1930, em Castelmassa, na região de Veneto, norte da Itália. Seu pai era um técnico industrial.

 

Castellani disse que sabia que queria ser pintor desde muito jovem, embora tenha obtido uma licença como agrimensor de construção, o que provaria ser adequado à precisão de seu trabalho artístico posterior.

 

Ele foi para Bruxelas em 1952 para estudar pintura na Académie des Beaux-Arts, mas logo decidiu que era uma perda de tempo e desistiu. Com seu conhecimento de agrimensura, ele se matriculou em uma escola de arquitetura lá, se formou e encontrou trabalho com um arquiteto em Milão, mudando-se para lá em 1956. Mas ele continuou a pintar em seu tempo livre, inspirando-se principalmente nas pinturas de Jackson Pollock.

 

Enrico Castellani buscou ir além da pincelada gestual e dos motivos pintados para o que ele chamou de uma forma de pintura “não pintada”. Ele logo conheceu Piero Manzoni, um artista de vanguarda três anos mais novo, cujo temperamento mercurial era o oposto da reserva de Castellani.

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Manzoni já estava fazendo suas próprias obras “não pintadas”, que chamava de Achromes brancas. Eram relevos brancos com superfícies feitas de materiais e objetos familiares (tecido, pão, algodão) cobertos de caulim líquido, uma argila branca, que endurecia quando seca.

 

Ambos os artistas acabariam por ingressar no Grupo Zero. Em setembro de 1959, eles estabeleceram a Galleria Azimut em Milão e uma revista experimental associada, Azimuth. Tanto a galeria quanto a publicação apresentavam uma lista internacional de artistas, e Azimuth, embora de curta duração (11 meses e duas edições), teve um efeito galvanizador no mundo da arte italiana e além.

 

Foi também em 1959 que Castellani encontrou por conta própria um método relativamente requintado de eliminar qualquer sinal da mão do artista. Em sua primeira tentativa de obter uma superfície semelhante a um relevo, ele colocou avelãs sob a tela. Mas ele logo se decidiu pelos pregos.

 

Ele também criou trabalhos ambientais e fez pinturas monocromáticas com superfícies curvas suaves. Mas os relevos de tela e pregos continuaram sendo seu formato principal.

 

Ele alcançou grande variedade em suas topografias de superfície, colocando os pregos em diferentes padrões, martelando-os em diferentes alturas ou dobrando-os, mudando a superfície significativamente. Ele também martelou pregos na tela esticada entre as pontas levantadas, criando contra-ritmos.

 

Enrico Castellani fez sua primeira exposição individual na Galleria Azimut em 1960 e rapidamente começou a expor nas capitais da arte em toda a Europa. Ele foi incluído em “The Responsive Eye”, a pesquisa popular do Museum of Modern Art sobre a Op Art em 1965, e teve sua primeira exposição individual em Nova York na Betty Parsons Gallery em 1966. Ele representou a Itália nas Bienais de Veneza de 1964, 1966 e 1984.

 

A carreira de Enrico Castellani se desenrolou amplamente na Europa, mas após a virada do século, com o crescente interesse pelas vanguardas ao redor do globo, ele fez exposições individuais em Nova York em 2009, 2011 e 2016.

 

Enrico Castellani faleceu no dia 1º de dezembro em sua casa em Celleno, Itália, perto de Roma. Ele tinha 87 anos.

Um porta-voz de Lévy Gorvy, a galeria que representa seu trabalho em Nova York e Londres, disse que a causa foram complicações de uma doença respiratória.

Sua companheira de longa data, Renata Wirtz, morreu em 2016. Ele deixa um filho dessa relação, Lorenzo; uma filha, Francesca Castellani, de um relacionamento anterior; dois netos; e uma bisneta.

(Fonte: https://www.nytimes.com/2017/12/12/arts – New York Times Company / ARTES / Por Roberta Smith – 12 de dezembro de 2017)

Powered by Rock Convert
Share.