Demétrius, ícone da Jovem Guarda, conhecido e lembrado pelo sucesso da música ‘O Ritmo da Chuva’

0

Cantor Demétrius, ícone da Jovem Guarda

 

Lembrado pelo sucesso ‘O Ritmo da Chuva’, de 1964

 

 

Capa do disco “Demétrius – Ídolo da Juventude”. (Foto: Reprodução)

 

‘O Ritmo da Chuva’ era uma das canções mais famosas.

 

 

Demétrius (Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, 28 de março de 1942 – São Paulo, 11 de março de 2019), cantor e compositor, nome artístico de Demétrio Zahra Neto, foi ídolo da Jovem Guarda, conhecido pela música ‘O Ritmo da Chuva’.

 

Demétrius lançou sete discos de estúdio e compôs canções que fizeram sucesso na voz de outros artistas, incluindo o próprio Roberto Carlos, que gravou Preciso lhe Encontrar (1970).

 

Demétrio Zahra Neto começou a carreira de músico em 1958, seguindo os passos de ídolos seus como Elvis Presley e Cauby Peixoto. Antes mesmo da explosão da Jovem Guarda, movimento musical surgido em 1965, no embalo da beatlemania, que lançou ao estrelato nomes como Roberto  Carlos, Demétrius consagrou um grande sucesso, em 1964: a balada romântica O Ritmo da Chuva, versão em português para Rhythm of the Rain, gravada pelo grupo americano The Cascades em 1962.

 

 

Demétrius lançou sete discos de estúdio e compôs canções que fizeram sucesso na voz de outros artistas, incluindo o próprio Roberto Carlos, que gravou Preciso lhe Encontrar (1970). Na década de 1980, chegou a abandonar a carreira de músico, segundo disse à época, para se dedicar à família. “Não estava vendo meus filhos crescerem. Decidi não gravar mais, fui viajar com eles e tirei um ano sabático”, disse em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo em 2008.

 

 

Depois disso, virou corretor imobiliário. Voltou a lançar um disco em 1999, seguido por duas coletâneas em 200o e 2001. Demétrius não seguiu o caminho de muitos de seus colegas que seguiram na ativa celebrando a Jovem Guarda.  Suas apresentações em público tornaram-se cada vez mais esporádicas.

 

Biografia

 

Demétrio Zahra Neto nasceu em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, em março de 1942. Aos seis meses de vida se mudou com seus pais para São Paulo. Seus ídolos na adolescência e juventude foram Elvis Presley, Cauby Peixoto, Ângela Maria e Tito Madi.

Quando surgiu o movimento Jovem Guarda, Demétrius gravou a música ‘Não Presto Mas Te Amo’, de autoria de Roberto Carlos, que alcançou as paradas de sucesso de todo o Brasil.

Em 1961, gravou outros sucessos com a gravadora Continental, entre eles ‘A bruxa’ (Baby Santiago), e em 1964, cantou ‘Ritmo da Chuva’ (Rhythm of the Rain, de John Gummoe). Quando mudou para gravadora a RCA em 1965, lançou ‘Ternura’, sua versão para ‘Somehow it Got to Be Tomorrow Today’ (Estelle Levitt).

Demétrius morreu em 11 de março de 2019, em São Paulo. Ele tinha 76 anos e morreu de parada cardíaca no Hospital São Paulo

(Fonte: https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/2019/03/12 – SÃO PAULO / POP & ARTE / MÚSICA / Por G1 SP – 12/03/2019)

(Fonte: GAÚCHA Zero Hora – ANO 55 – N° 19.346 – 13 de março de 2019 – TRIBUTO / MEMÓRIA – Pág: 29)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Demétrius, ícone da Jovem Guarda

O cantor e compositor Demétrius, ídolo da Jovem Guarda, nasceu Demétrio Zahra Neto em Jacarepaguá, no Rio, mas cresceu em São Paulo, para onde sua família se mudou quando ele tinha seis meses.

Durante a adolescência, o artista teve contato com as produções de ícones como Elvis Presley, Cauby Peixoto e Ângela Maria, que moldariam sua musicalidade.

O cantor começou sua carreira em 1958, antes da ascensão da geração que ficaria conhecida como Jovem Guarda.

Ao lado de Erasmo Carlos, ele era uma das mais roqueiras referências no movimento, e influenciou diversos músicos que o seguiram, como o cantor Nasi, do Ira!.

Seu primeiro sucesso foi “Rock do Saci”, em 1961, lançado em EP antes mesmo da sua estreia oficial em um disco completo, que aconteceria em 1962.

Já integrado à Jovem Guarda, o artista lançou a música “Não Presto Mas te Amo”, escrita por Roberto Carlos, com a qual tornou-se um sucesso em todo o país.

Em 1964, o músico gravou “O Ritmo da Chuva”, música que se tornaria seu maior sucesso -versão em português de “Rhythm of the Rain”, de John Gummoe.

Em 1965, ele novamente brilhou com outra versão: “Ternura”, adaptação da canção “Somehow it Got to Be Tomorrow Today”, de Estelle Levitt.

(Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2019/03 – ILUSTRADA / Por RAFAEL GREGORIO – SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – 12/03/2019)

Share.