Caio, atacante campeão mundial pelo Grêmio em 1983

0

 

Caio, campeão da Libertadores e do Mundo pelo Grêmio em 1983

Ex-atacante marcou o primeiro gol do Tricolor na decisão contra o Peñarol, do Uruguai

Caio em ação contra o Peñarol, na final da Libertadores 1983 (Mauro Mattos / Agencia RBS)

 

Herói de duas das principais conquistas do clube

 

 

 

Luiz Carlos Tavares Franco (Rio de Janeiro, no dia 16 de março de 1955 – São Luís, no Maranhão, 12 de fevereiro de 2019), ex-atacante, campeão da América e do mundo pelo Grêmio em 1983, foi autor do primeiro gol do Grêmio na decisão da Copa Libertadores da América de 1983, na vitória de 2 a 1 contra o Peñarol, no Olímpico.

 

 

Luiz Carlos Tavares Franco nasceu no Rio de Janeiro, no dia 16 de março de 1955. Começou a carreira na base do Madureira, mas se profissionalizou pelo Botafogo. Chegou ao Grêmio em 1983 e ficou por duas temporadas. Teve participação fundamental na conquista da Copa Libertadores de 1983, marcando quatro gols, inclusive o primeiro da decisão contra o Peñarol. Jogou também a final do Mundial, em Tóquio, entrando na segunda etapa.

 

Autor do primeiro gol na final da Libertadores daquele ano, contra o Peñarol,

 

Caio faleceu em 12 de fevereiro de 2019, aos 63 anos. O ex-jogador morava em São Luís, no Maranhão, e sofria com problemas de saúde como a trombose.

O Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense lamentou “com enorme pesar” a perda de Caio, que ajudou a “elevar ainda mais o nome do Grêmio, e se solidariza com os seus familiares, amigos e toda torcida gremista”.

 

O ex-jogador chegou a ter as duas pernas amputadas por conta da trombose. Em 2018, Caio foi um dos homenageados no gramado da Arena antes de Grêmio x Corinthians, pelo Brasileirão, por conta do aniversário de 35 anos da conquista do Mundial de Clubes.

 

O ex-zagueiro do Grêmio, Baidek, relembra com carinho do ex-colega, a quem ajudou diversas vezes durante a luta contra a trombose.

— Aquela homenagem em dezembro parecia uma despedida. Ajudei pessoalmente para ele conseguir viajar para Porto Alegre. Ele estava sofrendo bastante com as pernas amputadas. Ele já estava há dois ou três dias na UTI, a gente fazia o acompanhamento através do nosso grupo de WhatsApp com os campeões do mundo. Todos rezando para ele que se salvasse. Mas ficam as recordações, uma pessoa do bem e um colega extraordinário. Nos ajudou na conquista do primeiro título da América e do mundo, fica uma belíssima lembrança dele — relembra Baidek.

 

Muito abalado, o ex-goleiro Mazaropi lembrou do “choque” sofrido por todos os ex-companheiros de Caio durante o encontro na Arena.

 

— Apesar da situação, ele se mostrava conformado e tentava nos transmitir alegria. Era gente nossa, de primeira linha. Perdemos um grande amigo — lamentou Mazaropi.

 

Outro companheiro de Caio em 1983, o ex-lateral-direito Paulo Roberto lembra o sofrimento vivido pelo atacante em seus últimos anos.

 

— Era uma situação muito difícil para quem tinha sido atleta durante toda a sua vida. O que nos consola é que o sofrimento dele terminou. Só nos resta consolar os familiares — disse.

(Fonte: https://www.correiodopovo.com.br/esportes – ESPORTES / Por Correio do Povo – 12/02/2019)

(Fonte: https://gauchazh.clicrbs.com.br/esportes/gremio/noticia/2019/02 – ESPORTES / GRÊMIO / NOTÍCIA – 12/02/2019)

(Fonte: https://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2019/02/12- FUTEBOL / Por Marinho Saldanha Do UOL, em Porto Alegre – 12/02/2019)

Share.