Ana González de Recabarren, icônica e emblemática ativista contra a ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990)

0
Powered by Rock Convert

Emblemática ativista contra a ditadura de Pinochet

 

A paixão chilena

 

Uma ativista inesgotável e rebelde na ditadura de Pinochet

 

 

Ana González de Recabarren (Toco, Tocopilla, 27 de julho de 1925 – Santiago, 26 de outubro de 2018),​​​ icônica ativista contra a ditadura de Augusto Pinochet.

 

Sem saber o destino de seus quatro parentes desaparecidos em 1976 – seu marido, dois de seus filhos e sua nora grávida -, Ana González de Recabarren, uma das ativistas mais simbólicas dos direitos humanos no país, viveu o horror da ditadura (1973-1990) quando, em 1976, seu marido, dois filhos e uma nora grávida de três meses foram detidos e desapareceram sob o regime que derrubou o presidente socialista Salvador Allende.

 

 

Todo o seu povo foi preso em 1976 pela polícia secreta do ditador Augusto Pinochet , da Direção Nacional de Inteligência (DINA). Primeiro seus filhos e nora: Manuel Guillermo, Luis Emilio e sua esposa Nalvia Rosa Mena, 22, 29 e 20 anos, respectivamente. Na noite de 29 de abril, eles voltaram para a casa com o filho de dois anos do casal, Puntito, quando foram capturados. Nalvia, de acordo com as testemunhas, foi atingida na barriga com a ponta de uma submetralhadora, apesar de seus gritos e pedidos por estar grávida. Inconsciente, eles a introduziram em um dos carros em que os agentes se moviam. O menino foi o único que voltou, poucas horas depois, depois de ter sido abandonado nas proximidades da casa. O marido de González, Manuel Recabarren Rojas, de 50 anos, desapareceu no dia seguinte, quando saiu de casa cedo para procurar seus parentes. Ele foi preso na mesma porta. Algumas testemunhas dizem que o viram mais tarde no centro de detenção e tortura de Villa Grimaldi, onde ele perdeu a noção para sempre.

 

A morte de seus familiares – parte dos 3.200 mortos pela ditadura de Pinochet – fez com que ela lutasse para recuperar os restos mortais das vítimas e exigir justiça, participando de milhares de marchas ao longo dos anos.

 

Nascido em 1925 em Tocopilla, no norte do Chile, o desaparecimento de sua família mudou sua vida para sempre. Ele esqueceu o trabalho doméstico para virar a rua e a luta. Ela foi uma das fundadoras da Associação de Familiares dos Detidos Desaparecidos (AFPP). Ela foi detida em dezenas de ocasiões, liderou greves de fome e viajou para o exterior para denunciar o horror vivido no país durante a ditadura de Pinochet. Como em algumas ocasiões os militares não a deixaram entrar, González sonhava em cruzar a Cordilheira dos Andes escondida da Argentina – como o patriota Manuel Rodríguez no século 19, disse ele – para ficar na frente do prédio do Poder Judiciário e desafiar o magistrados Ele tinha uma péssima opinião da Justiça chilena, então no banheiro de sua casa instalou uma pequena placa que dizia: “Tribunal de Apelações”. Sua personalidade – corajosa, rebelde e engraçada – fez com que ela se tornasse um personagem conhecido e admirado pelas novas gerações.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Anita morreu sem saber o paradeiro dos restos mortais de seu marido, Manuel Recabarren, de seus filhos William e Luis Emilio e de sua nora Nalvia Mena.

 

Ela gostava de dizer que ela já foi batizada como La Pasionaria Chilena. “Eles me disseram La Pasionaria Chilena, mas também me chamaram de mijita rica”, disse ela a EL PAIS em setembro passado , quando deu uma entrevista sobre o 45º aniversário do golpe de Estado contra Salvador Allende. Em suas últimas semanas de vida, González analisou o Chile hoje. “O país é como Pinochet pensou, quando dizem ‘nós batemos em Pinochet’, acho que não é verdade, não vamos vencê-lo, ainda estamos divididos e os lutadores de antes se ergueram em suas casas, pois foi a ditadura: calar o silêncio. pessoas que conquistaram a liberdade, mas eu confio nos jovens de hoje, eles saem às ruas para protestar e isso significa que estamos indo bem.”

 

 

Os jovens chilenos a admiram, embora a maioria deles não tenha nascido na ditadura ou fosse criança. A cantora Ana Tijoux em fevereiro do ano passado a visitou para cantar para ela ao lado de sua cama, quando González teve uma crise de saúde. Em agosto, um graffiti em sua homenagem foi inaugurado no centro de Santiago. “Brinco pela vida linda, por estar jogando e por defender a vida, procuro o que estou procurando”, diz o retrato. Eles pediram selfies na rua e aplaudiram quando ela chegou em um evento público. Algum tempo atrás, as cartas que chegavam à sua casa vinham com mensagens escritas com uma caneta: “Stamina mate, ainda temos utopia”; “Para sempre na memória do tempo consciente”; “Assine junto com as pessoas.” O mensageiro anônimo era um jovem carteiro, que fez uma confissão: “Espero que em algum momento, Anita, traga boas notícias”.

 

Os cidadãos e vários líderes políticos expressaram sua tristeza por sua morte.“Para sempre, minha querida Ana González, o Chile se lembrará de você por sua grande coragem e por sua incansável defesa dos Direitos Humanos e justiça, e minhas condolências à sua família e amigos”, disse Michelle Bachelet, ex-palestrante no Twitter. Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos, com sede em Genebra.

 

Entre os múltiplos legados de Anita González – uma lenda – está um livro de memórias inédito, onde ela relata seus 40 anos de busca inesgotável.

Ana González faleceu em 26 de outubro de 2018 no Chile, aos 93 anos, informou a Associação de Famílias de Detidos Desaparecidos (AFDD), que teve ‘Anita’ como líder depois que o ditador matou a sua família.

“Confirmamos que Ana morreu”, disse uma porta-voz da AFDD à AFP.

Simultaneamente, a deputada comunista Carmen Hertz informou a morte de González.

“Lutadora exemplar contra a impunidade, seu marido, dois filhos e nora grávida, resistentes contra a ditadura, militantes do @PCdeChile foram sequestrados e mortos pelo DINA em abril de 1976. Honra e Glória!”, publicou Hertz no Twitter.

(Fonte: https://elpais.com/internacional/2018/10/26/america – EL PAÍS / AMÉRICA LATINA / Por ROCÍO MONTES / Santiago do Chile – 27 DE OUTUBRO DE 2018)

(Fonte: https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2018/10/26 – NOTÍCIA / INTERNACIONAL / Por AFP – postado em 26/10/2018)

© Copyright Jornal Estado de Minas 2000 – 2019. todos os direitos reservados.

Powered by Rock Convert
Share.