Ingvar Wixell, foi um barítono sueco cujas atuações inteligentes e vívidas no repertório italiano o tornaram uma figura respeitada nos palcos de ópera do mundo todo

0
Powered by Rock Convert

Ingvar Wixell, barítono sueco

 

Karl Gustaf Ingvar Wixell (Lulea, Suécia, 7 de maio de 1931 – Malmo, na Suécia, 8 de outubro de 2011), foi um barítono sueco cujas atuações inteligentes e vívidas no repertório italiano o tornaram uma figura respeitada nos palcos de ópera do mundo todo.

 

Wixell foi elogiado não apenas por sua voz firme e granulada, mas também por sua acuidade dramática, presença de palco e senso de espontaneidade. Revisando sua estreia no Metropolitan Opera no papel-título de “Rigoletto” de Verdi em 1973, Raymond Ericson escreveu no The New York Times: “O que deu ao canto de Wixell sua distinção foi sua consciência do texto. Sua enunciação clara e preocupação com as palavras carregavam a linha vocal de vitalidade”.

 

Ingvar Wixell nasceu em 7 de maio de 1931, em Lulea, Suécia. Ele estudou canto em Estocolmo, onde fez sua estreia em 1955 na Ópera Real Sueca como Papageno na “Flauta Mágica” de Mozart. Em 1962 cantou Guglielmo em “Così Fan Tutte” de Mozart no Festival Glyndebourne e na sua estreia na Deutsche Oper.

 

Ele fez sua estreia americana em San Francisco em 1967 como Belcore em “Elisir d’Amore” de Donizetti e apareceu pela primeira vez em Bayreuth em 1971 e na Royal Opera House de Londres em 1972. Nos seis anos após sua estreia no Met como Rigoletto, ele cantou 81 apresentações com a empresa. Ele encerrou sua carreira em 2003 cantando o professor de música em “Ariadne auf Naxos” de Strauss na Malmo Opera, na Suécia.

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Embora fosse mais conhecido por seus retratos contundentes e fascinantes dos principais papéis de barítono de Verdi – entre eles Rigoletto, Simon Boccanegra, Amonasro em “Aida” e Germont em “La Traviata” – ele também cantou partes de Mozart como Don Giovanni e O conde Almaviva em “Le Nozze di Figaro”, o papel-título em “Eugene Onegin” de Tchaikovsky, Scarpia em “Tosca” de Puccini e Marcello em “Boheme” do mesmo compositor. Ele gravou muitos de seus papéis principais, vários deles com o maestro britânico Colin Davis.

 

Wixell não teve medo de mergulhar o pé na arena pop, tocando todas as músicas da competição para escolher a entrada da Suécia no Festival Eurovisão da Canção de 1965. A canção vencedora foi “Annorstädes Vals” (“Elsewhere Waltz”), que Wixell executou – em inglês, como “Absent Friend” – na final internacional em Nápoles, Itália. A música ficou em 10º.

 

Em San Francisco, ele era um frequentador assíduo do La Traviata, um bar para artistas da ópera de lá. Ainda no cardápio do restaurante está o prato que leva seu nome: salmone alla Wixell, assado em pergaminho com tomate fresco, azeitonas pretas, pesto, alho e vinho branco.

 

Wixell faleceu no dia 8 de outubro em Malmo, na Suécia. Ele tinha 80 anos.

(Fonte: https://www.nytimes.com/2011/10/19/arts/music – New York Times Company / ARTES / MÚSICA / Por Zachary Woolfe – 19 de outubro de 2011)

Powered by Rock Convert
Share.