Tornou-se a primeira atleta israelense a chegar a uma final olímpica

0
Powered by Rock Convert

Tornou-se a primeira atleta israelense a chegar a uma final olímpica

Esther Roth-Shahamorov sobrevivente do ataque dos Jogos de Munique (1972) - (Foto: Renata Tranches/OESP)

Esther Roth-Shahamorov sobrevivente do ataque dos Jogos de Munique (1972) – (Foto: Renata Tranches/OESP)

Esther Roth-Shahamorov, atleta olímpica israelense, foi uma das israelenses sobreviventes do atentado contra a equipe olímpica de Israel nas Olimpíadas de Munique, em 1972. Aos 24 anos, ela era velocista e um dos destaques da equipe.

Na sua disciplina preferida, os 100 m barreiras, alcançou o feito de conquistar, pela primeira vez na história do seu país, um lugar numa final olímpica. Tal sucedeu em 1976, nos Jogos Olímpicos de Montreal, quando Roth terminou a final dos 100 m barreiras na sexta posição, com o tempo de 13.04 s.

Os recordes nacionais que bateu ao longo da sua carreira, perduraram por mais de duas décadas.

As suas melhores marcas pessoais são:

  • 100 metros – 11.45 s (1972)
  • 200 metros – 23.57 s (1975)
  • 100 m barreiras – 12.93 s (1976)

Em 1999 foi agraciada com o Prêmio Israel.

Esther relembrou o momento que marcou sua vida. A Vila Olímpica, “muito bonita”, não tinha segurança reforçada, uma forma de a Alemanha se afastar do passado então recente da barbárie nazista. A ideia era fazer um evento amistoso e pacífico. “A Alemanha queria mostrar que havia mudado desde a 2ª Guerra. Foi uma Olimpíada muito colorida”, conta ela.

A falta de vigilância permitiu que oito terroristas do grupo Setembro Negro invadissem o alojamento da equipe israelense, fortemente armados. Segundo Esther, eles sabiam onde estava a delegação. Os terroristas mataram dois atletas e fizeram nove reféns. Esther, que estava no alojamento feminino, em um prédio separado, foi levada às pressas para um local seguro, de onde acompanhou as negociações.

Powered by Rock Convert

Os terroristas exigiam a libertação de 234 palestinos em Israel, que negou o pedido. Eles então exigiram um avião para leva-los ao Egito. O governo alemão aceitou, com o objetivo de prendê-los no aeroporto. A operação foi um desastre, que resultou na morte de todos os reféns. Entre eles estava Amitzur Shapira, técnico de Esther, que “era como um pai para mim”.

A Comissão Olímpica Internacional decretou luto oficial por apenas 24 horas, retomando os jogos apesar do clima tenso. Os atletas olímpicos se dividiram entre aqueles que apoiavam a continuação dos jogos e os que não, o que levou algumas delegações – incluindo a de Israel – a se retirar. “Foi o acontecimento mais duro da minha vida. Eu tinha 20 e poucos anos e muitos sonhos. (…)   As condenações dos países foram muito formais. Vi que os interesses mandam no mundo. A falta de reações mais firmes deu a entender que se pode conseguir as coisas pela via do terrorismo”, contou a atleta em entrevista publicada no jornal O Estado de S. Paulo.

 

Esther Roth ganhou 5 de 13 Jogos Asiáticos medalhas de ouro de Israel em 1970 - (Foto: Pinoymiler)

Esther Roth ganhou 5 de 13 Jogos Asiáticos, sendo medalhas de ouro de Israel em 1970 – (Foto: Pinoymiler)

 

 

AMITZUR SHAPIRA – Único das 11 vítimas que não possuía ligação com o universo das lutas ou dos pesos, era natural de Tel Aviv, casado e pai de quatro filhos. Na década de 1950, foi um dos melhores velocistas do país e, quando deixou as pistas, tornou-se técnico do esporte e foi considerado o melhor de Israel. Amitzur trabalhava no Instituto Wingate e em meados dos anos 60 descobriu um grande talento do esporte israelense: a atleta Esther Roth-Shahamorov, que, na época, tinha 14 anos.

Shapira a treinou para disputar a Olimpíada de Munique e vibrou de felicidade quando a pupila chegou às semifinais. Apos essa conquista, ele escreveu um artigo para o jornal israelense “Maariv”, no qual previu um futuro brilhante para a atleta. Infelizmente, Shapira não teve tempo de ver seu artigo publicado, nem de presenciar a conquista de Esther nos Jogos seguintes. Em Montreal, quatro anos depois, ela fez história e tornou-se a primeira atleta israelense a chegar a uma final olímpica. 

(Fonte: http://acervo.oglobo.globo.com  – EM DESTAQUE – ESPORTES/ Por Natasha Correa Lima – 29/07/16)

(Fonte: http://www.conib.org.br/blog/noticias – NOTICIAS – CONIB – CONFEDERAÇÃO ISRAELITA DO BRASIL –   Sobrevivente do ataque dos Jogos de Munique (1972) – 29/JUN 2016)

Powered by Rock Convert
Share.