Sergei Kovalev, figura dissidente da era soviética, vencedor do Prêmio Sakharov do Parlamento Europeu, foi um dos líderes do movimento pró-democracia na URSS

0
Powered by Rock Convert

Dissidente soviético Sergei Kovaliov

 

Sergei Kovalev (Rússia, 2 de março de 1930 – Moscou Rússia, 9 de agosto de 2021), foi um dos defensores dos direitos humanos mais conhecidos da Rússia e figura dissidente da era soviética.

 

O dissidente russo dedicou sua vida à defesa dos direitos humanos, o que o tornou uma das grandes figuras da oposição na era soviética e também do governo de Vladimir Putin.

 

Vencedor em 2009 do Prêmio Sakharov do Parlamento Europeu, Kovaliov foi um dos líderes do movimento pró-democracia na URSS e passou sete anos em campos de trabalho nas décadas de 1970 e 1980 por “atividades antissoviéticas”.

 

“Nessa época, havia quem estivesse disposto a ir para prisão apenas para ter um direito tão efêmero quanto o amor próprio. E outros que não”. Assim explicou Kovaliov, em entrevista à AFP em 2017, as razões de sua militância.

Depois da dissolução da União Soviética, foi um dos principais críticos da primeira guerra de Moscou na Chechênia e do crescente autoritarismo do sistema estabelecido pelo presidente Vladimir Putin a partir da década de 2000.

 

Biólogo de formação, primeiro enviado para os direitos humanos do presidente Boris Yeltsin e um dos autores da Constituição russa, também foi deputado.

 

– Militância como compromisso

 

Sua militância nasceu em meados da década de 1950, quando Kovaliov, então um jovem estudante de biologia, manifestou pela primeira vez sua liberdade de pensamento junto com outros biólogos para criticar as teorias de Trofim Lysenko, flagelo da “ciência burguesa” e autor de uma teoria agrícola que se demonstrou falsa.

 

Diretor de um laboratório de biologia na Universidade de Moscou, Kovaliov passa a militar ativamente em 1968 e integra o Grupo de Iniciativa para a Defesa dos Direitos Humanos (a primeira associação desse tipo na URSS). Uma decisão que lhe custou o cargo.

 

Próximo do cientista dissidente Andrei Sakharov, durante vários anos participou da redação da Crônica de Acontecimentos Atuais, um boletim clandestino datilografado sobre as violações dos direitos humanos na então União Soviética: detenções, confinamentos de opositores em instituições psiquiátricas, a situação nos campos e nas prisões…

 

Kovaliov é preso em 1974 por fazer “propaganda antissoviética”. Passará sete anos em um campo, e três, no exílio em Kolima, a gelada região do nordeste do país.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

– “Idealista político” –

 

Apaixonado por biologia, Sergei Kovaliov sonhou, durante anos, dedicar sua vida à ciência. Em 1965, porém, sua opinião mudou, após a detenção do escritores Yuli Daniel e Andrei Siniavski, um momento fundacional da dissidência na URSS.

 

“Entendi, então, que não era possível me concentrar apenas na ciência. Teria sido vergonhoso”, afirmou.

 

Com a Perestroika de Mikhail Gorbachev, Kovaliov pôde voltar para Moscou, em 1987, onde fundou a ONG Memorial, dedicada à história da repressão soviética.

 

Ele foi um dos raros opositores da época soviética a se lançar na vida política: contribuiu para a redação da nova Constituição do país e foi duas vezes deputado.

 

Muito crítico do governo Putin, Kovaliov descreveu como “liberticidas” as leis promulgadas pelo presidente russo nos últimos anos.

 

“Estas leis dão possibilidades ilimitadas e arbitrárias ao poder: você pode condenar quem quer que seja, com a pena que quiser”, denunciou.

 

“Pertenço à família dos idealistas políticos, dizia Sergei Kovaliov.

 

Sergei Kovaliov faleceu em 9 de agosto de 2021, aos 91 anos.

Seu filho, Ivan Kovaliov, informou no Facebook que o pai faleceu “enquanto dormia”, nesta segunda-feira.

A organização russa de defesa dos direitos humanos Memorial, da qual Kovaliov foi presidente, elogiou um homem que “sempre lutou (…) pelos direitos humanos, contra a guerra da Chechênia, contra a violência e a mentira”.

“A falta de Sergei Adamovich será sentida em todos os aspectos: como amigo querido de longa data, companheiro destemido, intelectual e conselheiro, fiel à ideia dos direitos humanos sempre e em tudo, na guerra e na vida civil, na política e na vida cotidiana”, acrescentou a Memorial.

(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/mundo – NOTÍCIAS / MUNDO / por AFP / por Microsoft News – 09/08/2021)

(Fonte: GAÚCHAZH – ANO 58 – N° 20.097 – 11 DE AGOSTO DE 2021 – MEMÓRIA / TRIBUTO – Pág: 31)

Powered by Rock Convert
Share.