Robert Frank Borkenstein, desenvolveu o Drunkometer, um dos primeiros instrumentos que mediram com precisão o nível de álcool no sangue

0

Robert F. Borkenstein, inventor do bafômetro

 

 

 

Robert Frank Borkenstein (Fort Wayne, Indiana, em 31 de agosto de 1912 – Bloomington, Indiana, 10 de agosto de 2002), cientista americano que revolucionou o cumprimento das leis de dirigir bêbado inventando o bafômetro para medir o álcool no sangue.

 

O bafômetro é um dispositivo portátil que pode determinar se a pessoa que está sendo testada está legalmente bêbada. Mede a proporção de vapores de álcool no ar exalado, uma proporção que reflete o conteúdo de álcool no sangue.

 

Antes do uso generalizado do dispositivo, policiais investigando um acidente ou observando um carro de tecelagem procuravam sintomas como um rosto vermelho, fala arrastada e olhos vermelhos. Se o suspeito fosse dormir na delegacia, eles poderiam ter base suficiente para as acusações.

Conseguir uma condenação era ainda mais difícil. Os advogados de defesa podem dizer que o suspeito estava cambaleando por causa das longas horas em que trabalhava, e trazer amigos para dizer que ele não tinha mais do que duas cervejas. O réu poderia afirmar que seus olhos estavam vermelhos devido a alergias.

Mas o bafômetro forneceu evidências científicas de intoxicação.

“Essa inovação tecnológica permitiu às autoridades de fiscalização do trânsito determinar e quantificar as concentrações de álcool no sangue com precisão suficiente para atender às demandas de evidências legais”, disse o Conselho Nacional de Segurança ao nomear Borkenstein para seu Hall da Fama Internacional de Segurança e Saúde em 1988.

 

 

A proporção de álcool no ar expirado para o álcool no sangue é de 2.100 para 1, o que significa que 2.100 mililitros de ar exalado conterão a mesma quantidade de álcool que um mililitro de sangue.

Por muitos anos, o padrão legal típico para a embriaguez nos Estados Unidos foi de 0,10, o que significa 0,10 grama de álcool por 100 mililitros de sangue. Muitos estados adotaram 0,08 como padrão, e o governo federal pressionou outros a fazer isso.

Robert Frank Borkenstein nasceu em Fort Wayne, Indiana, em 31 de agosto de 1912. Sua paixão juvenil era experimentos científicos, e ele foi trabalhar em uma loja de fotografia depois de se formar no ensino médio. Ele desenvolveu um novo processo de impressão em cores, que foi vendido para outras empresas.

Ele começou a trabalhar para a polícia do estado de Indiana em 1936, fez pesquisas precoces sobre o desenvolvimento do detector de mentiras e subiu ao capitão encarregado dos serviços de laboratório.

Ele colaborou com o Dr. RN Harger, da Indiana School of Medicine, para desenvolver o Drunkometer, um dos primeiros instrumentos que mediram com precisão o nível de álcool no sangue. Isso levou à invenção independente de Borkenstein do bafômetro menor e mais fácil de usar em 1953. Subsequentemente, dispositivos ainda mais precisos para detectar embriaguez usam radiação infravermelha, entre outros meios.

Robert Borkenstein recebeu um diploma de bacharel em ciências forenses da Universidade de Indiana em 1958 e depois se juntou ao corpo docente de lá como presidente de um recém-formado departamento de administração policial.

 

 

Ao longo dos anos, ele foi presidente do Conselho Nacional de Segurança, consultor da Força-Tarefa Presidencial sobre Segurança nas Estradas, presidente do Comitê Internacional sobre Álcool, Drogas e Segurança no Trânsito e presidente da Academia de Ciências da Justiça Criminal.

 

 

Em 1981, Borkenstein supervisionou um estudo financiado pela indústria de bebidas, cujas descobertas sugeriam que um motorista que tivesse menos de 60 gramas de álcool poderia ser menos perigoso do que um que não tivesse nenhum. Ele teorizou que um pouco de álcool poderia ajudar o desempenho de um motorista ao volante, relaxando-o.

 

 

No entanto, Robert Borkenstein continuou a defender a abstinência antes de dirigir. Ele também lamentou os efeitos do consumo de álcool no trabalho, que em 1995 estimou o custo dos empregadores americanos em US $ 115 bilhões por ano.

 

 

“Uma maneira de não sacrificar nosso padrão de vida é manter nosso povo sóbrio no trabalho”, disse ele à Associated Press. “Se pudermos melhorar a vida simplesmente controlando o álcool, esse é um preço muito pequeno a pagar”.

Robert Borkenstein faleceu em sua casa em Bloomington, Indiana, em 10 de agosto de 2002. Ele tinha 89 anos.

(Fonte: Companhia do New York Times – ARQUIVOS 2002 / Por DOUGLAS MARTIN – 17 de AGOSTO de 2002)

Share.