Richard Wilbur, poeta americano laureado, venceu dois Pulitzer em 1957, com ‘Things of This World’, e em 1988, com ‘New and Collected Poems’.

0
Powered by Rock Convert

Richard Wilbur, o poeta americano laureado, tradutor e vencedor de Pulitzer com a capacidade de tocar verdades inquietantes sob a superfície em seu trabalho

 

Combateu na II guerra antes da glória.

 

Richard Purdy Wilbur (Nova York, em 1º de março de 1921 – Belmont, Massachusetts, 14 de outubro de 2017), poeta e tradutor. Seus poemas foram elogiados por sua beleza, mas foram criticados por sua “brandura”. Ele foi nomeado segundo poeta laureado da nação.

 

Na juventude, passou três anos na Europa a combater na II Guerra Mundial. Regressado aos EUA, começou a dar aulas em Harvard e refugiou-se na poesia (publicou ainda livros infantis, nos quais também fez as ilustrações). Venceu dois Pulitzer em 1957, com ‘Things of This World’, e em 1988, com ‘New and Collected Poems’.

 

Em 1957, quando ganhou o prêmio Pulitzer por seu terceiro livro de poesia, Coisas Deste Mundo, Richard Wilbur era claramente um dos principais poetas jovens dos EUA.

 

Ele combinou elegância aparentemente casual com artesanato meticuloso, e sua capacidade de tocar verdades inquietantes sob a superfície o tornou herdeiro aparente de Robert Frost. Alto, bonito e gracioso como sua poesia, Wilbur poderia ter sido escolhido como poeta por Hollywood. O fato de sua reputação nunca corresponder à de seu mentor Frost não se deveu a nenhuma falha em seu trabalho, mas aos tempos em que ele viveu.

 

A ascensão de Wilbur coincidiu com uma mudança radical na paisagem da poesia americana, uma reação ao rigor acadêmico das “novas críticas” na década de 1950 e à poesia altamente estruturada que prescreveu. O poeta Donald Hall disse: “O poema medonho típico dos anos 50 era um poema de Wilbur não escrito por Wilbur”. Nesse contexto, a extraordinária capacidade de Wilbur tornou-se de algum modo um passivo. Mesmo elogiando um poema de Wilbur como “o mais quase perfeito que um americano já escreveu”, Randall Jarrell reclamou que seus poemas “se compõem em uma beleza um pouco regular demais”.

Os poetas de Beats e Black Mountain ofereceram uma alternativa mais direta, menos formal e, nos anos 60, até o establishment poético foi dominado pela poesia “confessional” e gerou gerações inteiras de versos sérios sobre oficinas de escritores. Assim, embora Wilbur fosse o laureado do poeta americano (1987-88), sua poesia nunca assumiu o tipo de centralidade na cultura americana que viu Frost lendo na inauguração do presidente John F. Kennedy em 1961.

 

Nos 30 anos seguintes ao Pulitzer, Wilbur produziu apenas mais cinco coleções, uma das quais, Walking to Sleep (1969), ganhou o prêmio Bollingen; ele recebeu seu segundo Pulitzer por Novos e Coletados Poemas (1988). Ele também se estabeleceu como o melhor tradutor de Molière com sete peças, começando com sua versão rimada em inglês de The Misanthrope (1955). Isso o levou a escrever a letra da ópera em quadrinhos de Leonard Bernstein / Lilian Hellman de 1956, Candide. Nos anos 80, mudou-se para Racine, traduzindo Andrômaca e Fedra.

Ele traduziu poesia de idiomas que não falava, incluindo o do poeta russo Yevgeny Yevtushenko e o búlgaro Valeri Petrov. Ele escreveu cinco livros infantis, incluindo o premiado Loudmouse (1963), alguns dos quais se ilustrou, e publicou duas coleções de prosa.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Wilbur nasceu em Nova York, em 1º de março de 1921, para onde seu pai, Lawrence, havia se mudado de Nebraska para seguir uma carreira como artista comercial e pintor de retratos. Sua mãe, Helen (nee Purdy), veio de uma família de jornalistas de Nova York. Mas aos dois anos mudou-se para uma zona rural de Nova Jersey, onde cresceu em uma fazenda em West Caldwell. Em 1942, ele se formou no Amherst College, Massachusetts, onde editou o jornal, e casou-se com sua namorada da universidade, Charlotte Ward, cujo avô havia sido o primeiro editor de Frost.

 

Ele se juntou ao exército com a intenção de servir como criptógrafo, mas sua formação política de esquerda criou uma suspeita de “deslealdade” e ele foi transferido para a infantaria. Ele lutou em Anzio e Monte Cassino, na França e na Alemanha, alcançando o posto de sargento.

 

Após o término da segunda guerra mundial, obteve um mestrado em Harvard, onde foi nomeado para uma bolsa de estudos júnior, ajudando o pioneiro estudioso de estudos americanos FO Matthiessen e o crítico literário IA Richards. Foi lá que ele conheceu Frost, cujo trabalho se tornou uma influência importante. Como Frost, Wilbur tinha um profundo senso da natureza e um dom para ver a vida humana refletida no mundo natural.

 

Depois de Harvard, ele ensinou brevemente no Wellesley College, depois por 20 anos, a partir de 1957, na Universidade Wesleyan, onde ajudou a fundar a excelente série de poesias do editor da universidade. Como ex-aluno, posso testemunhar sua dedicação e a gentileza com que ele fez críticas sérias até mesmo das tentativas mais banais e embaraçosas de poesia. Seu ensino, seja de influências tão óbvias quanto Frost, Wallace Stevens ou EE Cummings, ou mais distantes, como George Herbert ou Gerard Manley Hopkins, baseava-se na capacidade de dissecar o funcionamento interno do poema e do poeta.

 

Apesar de sua celebridade e sua graça aristocrática, ele estava notavelmente sintonizado com seus alunos. Seu poema de 1970, For the Student Strikers, foi escrito para o jornal não oficial produzido em Wesleyan durante a greve em protesto contra a invasão do Camboja por Richard Nixon e a prisão do líder dos Panteras Negras Bobby Seale. Wilbur não perdeu o contato com seu próprio radicalismo estudantil. Depois de deixar Wesleyan em 1977, serviu como escritor residente no Smith College por 10 anos antes de se aposentar. Ele continuou a escrever e, em 2006, recebeu o prêmio de poesia de Ruth Lilly por sua realização na vida.

 

Poucos poetas modernos se concentraram tão intensamente no modo como tristeza e alegria, tragédia e admiração se combinam na riqueza da vida. A escrita de nenhum outro poeta parece celebrar e aproveitar mais a vida. A coleção de 2000 da Maybur, de Wilbur, continha o poema impressionante This Ser Agradável e Ansioso, publicado pela primeira vez na New Yorker em 1998.

 

É uma meditação sobre a vida e a memória – como se ele estivesse escrevendo seu próprio e elegante epitáfio. A terceira seção do poema lembra uma criança de sete anos, envolvida em cobertores, no banco de trás de um Buick sendo conduzido por uma tempestade no Natal com parentes. É 1928; sua mãe se inclina para fora da janela para limpar a neve do para-brisa e, através dos “olhos semicerrados” da criança, o “capô escuro do carro” sugere e lembra sua vida futura.

 

Richard Wilbur faleceu em 14 de outubro de 2017, aos 96 anos, em Belmont, Massachusetts.

(Fonte: https://www.theguardian.com/books/2017/oct/17 – LIVROS / POESIA / Por Michael Carlson – 17 Out 2017)

(Fonte: https://www.cmjornal.pt – CORREIO DA MANHÃ / LITERATURA / Por Hugo Real – 17 de Outubro de 2017)

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.

Powered by Rock Convert
Share.