Chris Amon, foi considerado um dos melhores pilotos de Fórmula 1 na sua geração

0
Powered by Rock Convert

Piloto da Fórmula 1 por 14 temporadas

Apesar de nunca ter vencido uma corrida, neozelandês foi considerado um dos melhores de sua geração

Chris Amon (1943-2016) | (Foto: Motor Sport Magazine/Divulgação)

Chris Amon (1943-2016) | (Foto: Motor Sport Magazine/Divulgação)

Christopher Arthur Amon (Bulls, 20 de julho de 1943 – 3 de agosto de 2016), neozelandês, que foi considerado um dos melhores pilotos de Fórmula 1 na sua geração

Ele participou de 96 provas entre 1963 e 1976, conquistou 83 pontos, 11 pódios, cinco poles e três voltas mais rápidas. Mas a sonhada vitória na F1 teimou em não aparecer jamais. A fama de seu azar era tão grande, que certa vez o norte-americano Mario Andretti, campeão da F1 em 1978, chegou a dizer que Amon se tornasse coveiro, as pessoas parariam de morrer.

Ele competiu na Fórmula 1 entre 1963 e 1976 largou em 95 corridas, tendo cinco pole positions e 11 pódios, mas sem nenhuma vitória.

Amon venceu a edição de 1966 das 24 Horas de Le Mans em um Ford GT40 com o compatriota Bruce McLaren, que mais tarde morreu em um acidente de corrida. Agora, o falecimento de Amon ocorre menos de dois meses após o 50º aniversário desse triunfo.

 

Chris Amon conquistou cinco pole positions ao longo de sua carreira - (AP Photo)

Chris Amon conquistou cinco pole positions ao longo de sua carreira – (AP Photo)

 

O fato é que Amon liderou 183 voltas em toda a sua carreira na F1.

Ele começou na categoria em 1963 pela equipe Parnell. Um ano depois pelo mesmo time ele marcou seus primeiros pontos a bordo de um Lotus 25. Mas sua carreira não engrenou até 1966, quando venceu as 24 Horas de Le Mans a bordo de um Ford GT40 ao lado do compatriota Bruce McLaren.

Isso rendeu a ele um contrato com a Ferrari na F1 no ano seguinte. No entanto, o piloto bateu seu carro de rua antes da primeira corrida e não pôde fazer a abertura do ano, na África do Sul. Quando voltou, Amon foi o único piloto da Ferrari por boa parte da temporada, após a morte de Lorenzo Bandini no GP de Mônaco e o sério acidente de Ludovico Scarfiotti na Bélgica. Ainda assim, ele conseguiu quatro pódios e foi quarto naquele ano – sua melhor temporada.

Em 1968, ele fez pole em três das quatro primeiras provas que participou, mas por problemas mecânicos não conseguiu sequer um pódio.

Nos anos seguintes ele passou por March, Matra e Tyrrell, mas sem jamais conseguir vencer. Em 1976 ele colocou um fim à sua carreira após se negar a relargar o GP da Alemanha – prova marcada pelo acidente sério de Niki Lauda (que completou 40 anos nesta segunda-feira). Ele foi demitido pela Ensign. Esta seria sua última prova na F1.

Ele voltou para sua terra natal, a Nova Zelândia, no fim do ano e ajudou a administrar a fazenda de sua família por muitos anos. Ele manteve relações estreitas com automobilismo, aparecendo em programas de televisão e comerciais, bem como fazendo um breve retorno ao volante em um carro de rally ao lado de Murray Walker (ex-narrador da F1 no reino Unido) em 2003.

Ele sempre refutou a fama de “azarado” que marcou a sua carreira, dizendo que teve a sorte de sobreviver em uma das eras mais perigosas do automobilismo. “Um monte de gente dizia que eu era muito azarado e acho que em termos de resultados, eu era”, afirmou Amon. “Mas uma coisa que eu sempre digo para as pessoas é que tenho muita sorte de estar aqui. Sou eternamente grato por estar aqui”.

Powered by Rock Convert

Amon passou os primeiros quatro anos de sua carreira na Fórmula 1 nas equipes Lola, Lotus, Brabham, Cooper e McLaren antes se transferir para a Ferrari em 1967, onde passou três temporadas.

Na primeiras delas, em 1967, subiu quatro vezes ao pódio, mas sem conseguir vencer “Foi muito frustrante às vezes. Estava tão perto e depois tão longe em tantas ocasiões durante a minha carreira. Mas eu tive um sucesso razoável com carros esportivos e isso equilibra um pouco as coisas”.

Depois de trocar a Ferrari pela March, Amon também correu pelas equipes Matra, Tecno, Tyrrell, BRM, Ensign e Williams nos seus últimos anos na Fórmula 1. Seu último GP foi no Canadá, em 1976. Seus maiores sucessos, então, ocorreram em provas longas, que incluiu triunfos nos Mil Quilômetros de Monza e nas 24 Horas de Daytona.

Chris Amon morreu aos 73 anos, em 3 de agosto de 2016, em um hospital em Rotorua. Um câncer foi a causa do seu falecimento. 

Ron Dennis presta tributo

Chefe da McLaren, Ron Dennis prestou sua homenagem a Amon em um comunicado divulgado pela equipe.

“Foi com profunda tristeza que recebi a notícia nesta manhã de que Chris Amon havia falecido”, disse Dennis.

“Chris largou em 96 GPs, mas não ganhou nenhum deles. É seguro dizer que ele foi o maior piloto que nunca venceu uma corrida na Fórmula 1. Ele quase ganhou algumas, mas parecia que ele sempre ficava sem sorte antes da bandeira quadriculada.”

“No entanto, ele ganhou em Le Mans, com um poderoso motor Ford 7.0 litros exatamente 50 anos atrás com seu copiloto, amigo e compatriota Bruce McLaren, que dá nome à equipe cuja qual tenho dedicado minha vida profissional.”

“Eu não via Chris há muitos anos, mas, mesmo assim, tenho memórias muito boas dele. Na verdade, eu o descreveria como um dos homens mais simpáticos que conheci na minha carreira.”

“Por todas estas razões eu quero aproveitar esta oportunidade para estender as minhas sinceras simpatias e todos os sentimentos dos 3300 funcionários da McLaren para a família e os amigos deste grande neozelandês. Um verdadeiro cavalheiro e um dos pilotos mais rápidos que já existiu: o primeiro e único Christopher Arthur Amon.”

“Que ele descanse em paz.”

(Fonte: http://esportes.estadao.com.br/noticias/velocidade – NOTICIAS – VELOCIDADE – Piloto da Fórmula 1 por 14 temporadas – 3 Agosto 2016)

(Fonte: http://br.motorsport.com/f1/news – MOTOR SPORT – FÓRMULA 1 – CONTEÚDO ESPECIAL – 2016-08-03)

(Fonte: Zero Hora – ANO 53 – N° 18.534 – 4 de agosto de 2016 – TRIBUTO – Pág: 35)

Powered by Rock Convert
Share.