Primeiro brasileiro negro aprovado em MBA do Instituto de Tecnologia de Massachusetts

0
Powered by Rock Convert

Pioneiro no MIT

 

Primeiro brasileiro negro aprovado em MBA do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, Wellington Vitorino foi vendedor de picolés na infância e teve que morar numa escola para pavimentar seu caminho de sucesso.

 

O engarrafamento na Ponte Rio-Niterói é um marco no cotidiano dos moradores da região metropolitana do Rio de Janeiro. Não à toa, virou inspiração musical nas mãos de Seu Jorge: “Morando em São Gonçalo, você sabe como é: hoje à tarde a ponte engarrafou, e eu fiquei a pé”, dizem os versos de São Gonça. De forma menos poética, o trânsito na via ameaçou o futuro de Wellington Vitorino, de 26 anos, primeiro brasileiro negro aprovado para MBA do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT).

 

Em 2012, ele tinha acabado de iniciar o terceiro ano do Ensino Médio na Escola Parque, um prestigiado colégio particular na Gávea, Zona Sul do Rio, graças a uma bolsa de estudos. Assim como o eu lírico de Seu Jorge, Wellington morava em São Gonçalo e acordava às 4h da manhã para conseguir chegar à aula às 7h. Em turno integral, ele só voltava para casa por volta das 20h.

 

Sobrava pouco tempo para estudar, em um cenário de defasagem com relação aos colegas, pela fragilidade de sua formação anterior no ensino público. O desempenho no primeiro bimestre foi preocupante, com notas vermelhas em seis disciplinas. A situação comoveu uma professora do colégio, que trouxe uma solução inesperada.

 

Ela sugeriu que o adolescente passasse a dormir nas dependências de uma escola pública no bairro do Leblon onde sua irmã lecionava, para evitar a perda de tempo com os deslocamentos. Após o constrangimento inicial, Vitorino tentou ver a situação por outro prisma. “A gente sempre tem que buscar formas de se motivar. A minha foi pensar que aquilo era estilo Uma Noite no Museu. Eu gostava muito daquele filme, e iria dormir cercado de livros”, conta.

 

Somente as irmãs professoras, o estudante e sua família sabiam do plano inicialmente. Ele se misturava ao movimento de alunos perto das 22h e dormia em um sofá apertado na sala dos professores, antes de conseguir um colchão inflável. Conforme funcionários e a própria diretora da escola tomaram conhecimento da situação, Vitorino se ofereceu para substituir professores faltantes, como um monitor voluntário.

 

“Das 7h às 17h, eu convivia com filhos de famosos como Caetano Veloso — sou muito amigo do Tom e toda a família —, Malu Mader e Pedro Bial. De 17h às 22h, eu vivia a realidade do Brasil. Quem estuda em uma escola pública do Leblon à noite é gente das comunidades, que trabalha o dia inteiro e tenta conseguir, pelo menos, um diploma do Ensino Médio”, comenta Vitorino, que dormiu na escola por oito meses.

 

MIT: sonho antigo

 

Aprovado em todas as universidades públicas, após tirar nota máxima na redação do Enem, Vitorino optou por cursar Administração de Empresas no Ibmec, uma universidade privada, com isenção de mensalidade assegurada pelo Programa Universidade para Todos (ProUni). O trânsito pelas diferentes classes sociais trouxe ao jovem de São Gonçalo uma visão singular da realidade, que logo chamou a atenção de grandes empresários brasileiros.

 

Ainda na graduação, Vitorino se tornou bolsista da Fundação Estudar, criada pelo empresário Jorge Paulo Lemann para apoiar a formação de jovens promissores no Brasil e no exterior. O estudante alimentava o sonho de entrar no MIT desde o início da faculdade. Com apoio do projeto, ele viajou aos Estados Unidos duas vezes, para conhecer o ambiente universitário local e fazer um curso intensivo de inglês.

 

O empresário escreveu pessoalmente cartas de recomendação para candidaturas a universidades dos EUA que antecederam a aprovação no MIT. Vitorino, que integra a Rede de Líderes da Fundação Lemann, irá começar um MBA na instituição em agosto, com um horizonte bem definido em mente. Após concluir a pós-graduação, quer trabalhar na iniciativa privada por 20 anos e, em seguida, entrar na política.

 

“Penso em cargos executivos, na prefeitura, governo estadual, e sonho com a presidência um dia”, afirma. Crítico da incompetência generalizada que enxerga no meio político, Vitorino acredita reunir as credenciais necessárias pela formação e experiências acumuladas ao longo de sua trajetória, desde a infância. Com apenas oito anos de idade, ele começou a vender refrigerantes nas praias da Zona Sul.

 

Vendedor de picolés

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Aos 12, passou a vender picolés dentro de um Batalhão de Polícia Militar no Rio, sob a exigência de ir bem na escola. Chamado de “Pelezinho”, tinha livre trânsito entre os oficiais e faturava dois salários mínimos por mês. “Meu pai é padeiro, e minha mãe, auxiliar de saúde bucal. Não passávamos necessidade, mas também não sobrava”, conta. No Batalhão, ele diz ter aprendido sobre pensamento estratégico, articulações e relações de poder.

 

“Eu mostrava meu boletim ao final de cada bimestre para o coronel, e ele me perguntava o que eu estava ouvindo ali dentro. Eu sabia aonde ele queria chegar, mas a gente começava a bater papo, falava sobre a escola. Assim, eu aprendi que pessoas em posições influentes também são seres humanos”, diz.

 

Vitorino mantém contato com os antigos clientes até hoje. E fez questão de dar a notícia da aprovação no MIT pessoalmente ao antigo coronel, para garantir que ele não soubesse do feito pela imprensa. Sua capacidade de networking, que diz ter aprendido “por osmose” no Batalhão, foi decisiva para alavancar seu principal projeto até aqui, o Instituto Four.

 

Trata-se de um empreendimento social voltado à capacitação de jovens lideranças. O PróLíder, principal programa de formação do Instituto, formou 250 jovens de 17 estados brasileiros em suas cinco primeiras edições, e está com inscrições abertas. Tendo como princípio a promoção da diversidade, a iniciativa fez parte da trajetória de empreendedores que atuam em diferentes áreas, além de quadros da administração pública, incluindo um prefeito no interior de Minas Gerais.

 

Fundador e CEO do projeto, Vitorino terá que deixar a gestão direta quando se mudar para os EUA. Mas ele não pretende se desvincular do Instituto, com o qual mantém uma relação afetiva. O jovem defende a importância de aproveitar o legado de políticas públicas na educação, como as cotas e o ProUni, para assegurar que a geração beneficiada por elas consiga boas posições no mercado de trabalho.

 

“Assim, eles poderão quebrar o ciclo de pobreza de suas famílias. A gente perdia muitos talentos por não conseguir dar a formação adequada. Os filhos e netos dessas pessoas também vão ocupar essas posições, porque os pais terão condições de investir neles. Cria-se um ciclo virtuoso, e a gente faz com que a economia do Brasil cresça mais, porque elas vão produzir em um nível mais elevado”, explica.

 

Apoio de Lemann

 

Hoje, Vitorino tem um salário no Instituto Four custeado pela Fundação Ford. É uma realidade bem diferente do início do projeto, quando trabalhou por 20 meses como voluntário e investiu cerca de 20 mil reais do próprio bolso. Após contar com o apoio de amigos e empresários na fase inicial, ele formalizou a iniciativa em 2017. O primeiro aporte oficial veio de Jorge Paulo Lemann, que continua a apoiar o projeto por meio da Fundação Lemann.

 

Com fortuna avaliada em 22,8 bilhões de dólares, o segundo homem mais rico do Brasil apoiou diretamente a formação de jovens lideranças que hoje têm mandatos parlamentares: Renan Ferreirinha (PSB), deputado estadual e secretário municipal de Educação no Rio de Janeiro, e Tabata Amaral (PDT), deputada federal por São Paulo.

 

Com planos explícitos de ingressar na política, Vitorino garante que o apoio do empresário não é condicionado a qualquer tipo de adesão ideológica. O jovem diz não se identificar com nenhum dos partidos políticos constituídos no Brasil, nem tampouco com qualquer “rótulo” do espectro político.

 

“Eu apoio posições que são mais identificadas com a esquerda, como as cotas raciais e programas de transferência de renda, assim como defendo a necessidade de mexer na Previdência. Essa divisão que a gente construiu no Brasil e em muitos países está minando a democracia, com bolhas monstruosas de pessoas revoltadas que não respeitam a opinião do próximo”, defende.

 

Vitorino vê o Brasil em um estágio embrionário com relação ao debate sobre o racismo no país. E acredita que a forma mais eficiente de enfrentar essa mazela social no longo prazo é a integração nas escolas. Ele defende, inclusive, que as escolas particulares de elite destinem bolsas para crianças de menor renda, sobretudo negras.

 

“As crianças não podem estar na escola só para aprender que dois mais dois é igual a quatro. As habilidades socioemocionais precisam ser trabalhadas. Assim, elas vão começar a entender sobre empatia, e que um cabelo afro não é inferior ao liso. O convívio com a diversidade é o caminho para eliminar os bloqueios e a reprodução deles”, conclui.

(Fonte: https://www.msn.com/pt-br/noticias/brasil – NOTÍCIAS / BRASIL / por João Pedro Soares / fornecido por Microsoft News – 30/04/2021)

Powered by Rock Convert
Share.