Youssef Chahine, o mais famoso cineasta egípcio

0
Powered by Rock Convert

O maior cineasta do Egito

Diretor de origem cristã combatia avanço do radicalismo islâmico nos países árabes.

Chahine fotografado nos anos 1980 (Foto: Reprodução)

Chahine fotografado nos anos 1980 (Foto: Reprodução)

Considerado o mais importante diretor do mundo árabe, o cineasta egípcio era cultuado principalmente na França

O mais famoso cineasta egípcio, Youssef Chahine (Alexandria, 25 de janeiro de 1926 – Cairo, 27 de julho de 2008), fez cerca de 40 longas-metragens, nos quais deixou claro suas ideias esquerdistas e sua oposição ao islamismo. Mais conhecido no exterior do que no próprio Egito, Chahine ganhou em 1997 a Palma de Ouro do Festival de Cannes, pelo conjunto da obra, logo depois de ganhar um Urso de Prata no Festival de Berlim.

Diretor há quase 60 anos, Chahine estreou em 1950 com Baba Amine . Cinco anos mais tarde, em Sira Fi Mina , lançou um jovem ator que faria sensação, no começo dos anos 60, no épico Lawrence da Arábia , de David Lean – Omar Sharif.

Era admirador de Federico Fellini, mas possuía um estilo bem distante do barroquismo que caracterizava seu colega italiano – era simples e direto, o que não impedia que seus filmes recorressem a elementos como melodrama e números musicais, muito fortes na produção egípcia.

Em filmes como sua biografia de Nasser e Adieu, Bonaparte, sobre a incursão de Napoleão pelo Egito, Chahine ganhou fama de radical, provocando polêmica por sua visão negativa do Ocidente. Embora favorável a Nasser, nunca foi um cineasta ‘oficial’. Sua obra é toda ela uma denúncia da opressão e da censura.

Seus filmes sobre a condição feminina na sociedade egípcia abordam o tema da sexualidade com uma franqueza que irritava as autoridades religiosas. Elas também invocaram o Corão para pedir a proibição de O Emigrante , em 1994. O filme sobre o profeta José foi considerado blasfemo por dar um rosto ao religioso. A polêmica prosseguiu nos últimos anos, quando Chahine virou crítico do extremismo islâmico em ascensão no país.

oexploradorPowered by Rock Convert

Nascido em 25 de janeiro de 1926 na cosmopolita cidade de Alexandria, educado em francês e inglês, Chahine foi estudar cinema em Pasadena, na Califórnia, aos 21 anos, e voltou ao país para liderar a cinematografia egípcia, então a mais influente do mundo árabe.

Ele começou sua carreira de cineasta com dramas retratando a pobreza, a luta operária e os conflitos da independência egípcia nos anos 1950 e 1960. A partir de 1978, iniciou uma trilogia autobiográfica que foi até 1989. A expansão do islamismo radical irritou Chahine.

Na infância, ele conheceu um Egito tolerante, multiétnico, no cristãos como ele e judeus viviam em harmonia com o resto da população. Com “O Emigrado”, filme inspirado na vida do patriarca bíblico José, e “O Destino”, sobre a vida do filósofo árabe Averróis (século 12), ele despertou a ira dos integristas egípcios.

Um de seus trabalhos de impacto mais recentes foi a participação no filme colaborativo “11’09”00″, no qual 11 diretores abordam os atentados de 11 de setembro.

“Ele queria ser ator, mas percebeu que gaguejava um pouco e que não era suficientemente bonito. Por isso decidiu que ia atuar através dos outros”, contou Omar Sharif, um dos atores de fama internacional descobertos por Chahine.

Youssef Chahine, morreu aos 82 anos, no Cairo, em 27 de julho de 2008, após passar várias semanas em coma, afirmou seu ex-discípulo Khaled Youssef. Ao anunciar a morte do diretor, a TV egípcia transmitiu imagens de arquivo de Chahin e cenas de seus principais filmes.

Sarkozy lamenta

O presidente da França, Nicolas Sarkozy, em comunicado oficial, declarou que o diretor egípcio era “um fervoroso defensor da liberdade de expressão e das liberdades individuais e coletivas”, que lutou contra “a censura, o fanatismo e o integrismo”. “A sétima arte perdeu um de seus mais célebres servidores”, disse ele.

(Fonte: http://g1.globo.com/Noticias/Cinema/0,,MUL702343-7086,00- CINEMA – Da France Presse – 27/07/08)

(Fonte: http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil – CINEMA – Da France Presse – Agência Estado – 28/07/08)

Powered by Rock Convert
Share.