Theodore Hall, espião soviético dentro do famoso Projeto Manhattan; ele ajudou a União Soviética a ingressar no clube atômico

0
Powered by Rock Convert

Prodígio e Espião Atômico

 

O cientista americano que vazou informações sobre a bomba atômica para os soviéticos e se safou

 

 

Moscou roubou informações vitais sobre ‘Fat Man’, a bomba que os EUA explodiram em Nagasaki. (Foto: Getty Images / BBC News Brasil)

 

 

 

Theodore Hall era um espião soviético dentro do famoso Projeto Manhattan; ele ajudou a União Soviética a ingressar no clube atômico.

 

 

Theodore Alvin Hall (Nova York, 20 de outubro de 1925 – Cambridge, Inglaterra, 1º de novembro de 1999), era o físico mais jovem a trabalhar no projeto da bomba atômica em Los Alamos durante a Segunda Guerra Mundial e mais tarde foi identificado como um espião soviético.

 

 

 

 

 

 

Por 37 anos, desde que se mudou para Cambridge, Inglaterra em 1962, onde se tornara um líder, e obstinado, pioneiro em pesquisa biológica, Hall se recusou firmemente a confirmar diretamente as acusações de espionagem. Mas fragmentos de cabos de espiões soviéticos em Nova York e Washington durante a Segunda Guerra Mundial foram liberados em 1995 e 1996, dando credibilidade às acusações contra ele.

 

 

Em uma declaração escrita publicada em 1997, ele quase admitiu as acusações, embora obliquamente, afirmando que, nos anos imediatos do pós-guerra, sentiu fortemente que “um monopólio americano” sobre armas nucleares “era perigoso e deveria ser evitado.”

 

 

“Para ajudar a evitar esse monopólio, pensei em um breve encontro com um agente soviético, apenas para informá-los da existência do projeto da bomba atômica”, disse o comunicado. Antecipei um contato muito limitado. Com alguma sorte, poderia facilmente ter sido assim, mas não era para ser”.

 

 

O que Hall desistiu, dizem Joseph Albright e Marcia Kunstel, autores do livro de 1997 “Bombshell: A História Secreta da Conspiração por Espiões Desconhecidos da American” (Times Books), não era apenas o conhecimento da existência da bomba, mas informações técnicas isso ajudou a União Soviética a construir uma bomba anos antes do que poderia ter feito de outra maneira.

 

 

Referindo-se às avaliações de que suas ações mudaram o curso da história, Hall disse: “Talvez o curso da história, se inalterado, pudesse ter levado à guerra atômica nos últimos 50 anos – por exemplo, a bomba poderia ter sido lançada sobre China em 1949 ou no início dos anos 50. Bem, se eu ajudei a impedir isso, aceito a acusação”.

 

 

Em uma entrevista posterior, ele reconheceu ter tido algumas dúvidas após a divulgação da brutalidade do governo soviético. “Acho que minha repulsa emocional contra o terror de Stalin teria me parado no meu caminho”, disse ele. ”Simples assim.”

 

 

As únicas pessoas em Los Alamos condenadas como agentes soviéticos foram o alemão Klaus Fuchs e o americano David Greenglass, cuja espionagem levou à execução de Julius e Ethel Rosenberg.

 

 

Um terceiro espião era suspeito há muito tempo. Mas a identidade do espião, codinome Mlad – de uma raiz eslava que significa jovem – permaneceu opaca.

 

 

Fuchs, refugiado da Alemanha nazista e membro da equipe britânica do Projeto Manhattan, foi condenado por espionagem e sentenciado à prisão na Grã-Bretanha.

 

 

Theodore Hall foi interrogado pelo Federal Bureau of Investigation na década de 1950, mas pouco antes disso ele havia deixado a rede de espionagem. Seus contatos erráticos eram difíceis de rastrear, e ele nunca foi processado.

 

 

Sua esposa, ex-professora de russo e italiano, descreveu hoje suas atividades de espionagem como ”algo em sua juventude” – uma época em que ele era conhecido como um físico brilhante que tinha um diploma de Harvard aos 18 anos e era o caçula da equipe de jovens cientistas recrutados para o projeto secreto de Manhattan em Los Alamos, NM

 

 

Theodore Hall nasceu em Nova York em 20 de outubro de 1925, filho de um peleiro, e frequentou a universidade 173 em Washington Heights durante a Depressão. A inteligência era tão precoce que, aos 14 anos, ele foi admitido provisoriamente na Universidade de Columbia, segundo o “Bombshell”.

 

 

O livro registrou a ascensão de Hall através de Harvard, onde ele foi aceito aos 16 anos, à sua primeira entrevista para uma posição como físico júnior em Los Alamos, por volta de seu 18º aniversário em 1943.

 

 

Designado para o projeto em janeiro de 1944, ele ficou conhecido como uma espécie de rebelde contra formas militares, freqüentemente omitindo saudações, dizer “senhor” ou usar um boné regulamentar do Exército. Ele ganhou o direito do oficial da base de usar um gorro, embora não fosse religioso.

 

 

Albright e Kunstel dizem que Hall e um ex-colega de quarto em Harvard, Saville Sax, entraram em contato com uma empresa soviética em Nova York no final de 1944 e começaram a fornecer informações críticas sobre o projeto atômico.

 

 

Hall deu à União Soviética, segundo Albright e Kunstel, algumas das informações técnicas cruciais que a ajudaram a construir sua própria bomba, uma cópia aproximada da versão americana, com uma grande economia em investimentos industriais.

 

 

Ele afirmou, segundo os autores, o “princípio da implosão”, uma mudança radical em relação aos projetos anteriores para desencadear uma explosão nuclear. Tornou possível produzir a pressão necessária para desencadear uma reação em cadeia nuclear usando plutônio, o principal combustível de bombas do dia.

 

 

No pós-guerra, o Sr. e a Sra. Hall aproveitaram a oportunidade de deixar os Estados Unidos em 1962 pelo que seria inicialmente um ano no Cavendish Laboratory da Universidade de Cambridge.

 

 

O trabalho de Hall no uso de microscópios eletrônicos na microanálise biológica de raios-X levou a grandes elogios. Em uma entrevista a um jornal britânico em 1996, ele descreveu como sua maior conquista.

 

 

Depois de viver uma vida tranquila em Cambridge, seu passado voltou a assombrá-lo. Com a desclassificação dos cabos soviéticos em meados dos anos 90, nomeando Teodor Kholl e Savil Saks como informantes voluntários soviéticos, os anos em Los Alamos o alcançaram novamente, assim como sua própria saúde estava falhando.

 

 

Naquela época, as mortes de Sax e outros que poderiam tê-lo vinculado diretamente à espionagem, e as dos mestres de espionagem soviéticos, tornariam improvável uma acusação bem-sucedida.

 

 

Hall tinha doença de Parkinson e câncer de rim inoperável. Ele nunca pareceu se desculpar e, de fato, parecia ter um orgulho secreto em suas atividades de espionagem.

 

 

No comunicado de 1997 a Albright e Kunstel, que ele finalmente fez depois de muitas horas de entrevistas, ele disse que tinha agido aos 19 anos como alguém que era “imaturo, inexperiente e muito seguro de mim”.

 

 

“Não sou mais essa pessoa, mas não tenho vergonha dele”, disse ele.

 

 

Hoje à noite, sua filha Ruth disse em uma entrevista por telefone: ”Ele fez o que fez por um motivo real para salvar a vida das pessoas. Foi uma obrigação. Ele era um homem de princípios de enorme integridade. Ele fez o que fez com grande risco pessoal. Ele não tinha nada a ganhar com isso pessoalmente”.

 

 

“Não há segredo agora”, disse ela. ”Ele fez isso. Eles não podem fazer nada agora ”.

 

 

Mas, durante décadas, ela disse, suas ações pesaram sobre ele e ele não compartilhou seu segredo com seus filhos até que suas atividades se tornassem públicas em 1995.

 

 

“Ele manteve isso em segredo a vida toda”, disse ela. “Foi um grande fardo para ele.” Além de sua esposa e filha Ruth, Hall deixa uma outra filha, Sara.

 

Theodore Hall faleceu em 1º de novembro em Cambridge, Inglaterra. Ele tinha 74 anos.

A causa de sua morte foi câncer, disse sua esposa, Joan Hall.

(Fonte: The New York Times Company – MUNDO / Por Alan Cowell – 10 de novembro de 1999)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Em 29 de agosto de 1949, a União Soviética tornou-se oficialmente a segunda “nação atômica” quando detonou sua primeira arma nuclear – uma bomba de plutônio conhecida como RDS-1.

 

Não foi uma coincidência que a RDS-1 tivesse uma grande semelhança com “Fat Man”, a bomba de plutônio que os EUA detonaram sobre a cidade japonesa de Nagasaki em 9 de agosto de 1945.

Informações sobre o projeto da bomba foram passadas para os soviéticos a partir do Projeto Manhattan, o codinome do programa de armas atômicas liderado pelos EUA, em colaboração com a Grã-Bretanha e o Canadá.

Espantosamente foi um cientista americano, Theodore Hall, que ajudou as ambições nucleares de Moscou ao repassar informações sigilosas aos soviéticos.

 

 

De fato, Theodore Hall não foi o único cidadão americano que vazou segredos atômicos para os rivais, mas sua particularidade é ter se safado.

 

 

Mas como esse cientista nuclear de Nova York, ligado à Universidade Harvard, se tornou um espião?

Powered by Rock Convert

Os soviéticos detonaram sua primeiro bomba perto do Cazaquistão. (Foto: Getty Images / BBC News Brasil)

Segredo de Estado

O sigilo foi crucial. Para citar um artigo da revista Life publicado em 1945, “provavelmente não mais do que algumas dezenas de homens em todo o país conheciam o Projeto Manhattan”.

Um desses homens era Theodore Hall.

Nascido em 20 de outubro de 1925, filho de uma dona de casa e de um empresário, Hall cresceu durante a Depressão, uma era cheia de dificuldades para os americanos comuns.

Mas isso não impediu Hall de avançar como um gênio em matemática e física.

 

 

Aos 16 anos, ele conseguiu vaga na prestigiosa Universidade Harvard, onde se formou em 1944.

Seu desempenho estelar como estudante não passou despercebido pelas autoridades dos EUA, que estavam procurando pessoas para trabalhar em seu novo programa nuclear.

Hall foi entrevistado para uma posição no laboratório secreto de Los Alamos em 1943.

Colega de quarto comunista

 

 

 

No entanto, o que os oficiais americanos não sabiam era que o jovem físico já havia passado por outro tipo de recrutamento.

Hall era membro da organização estudantil marxista de Harvard e, seu colega de quarto era um aluno chamado Saville Sax.

Filho de imigrantes russos, Sax era um comunista, também nascido e criado em Nova York.

Foi Sax que recrutou Hall para os soviéticos, e serviu como mensageiro dos segredos nucleares.

Em dezembro de 1944, o jovem cientista Hall, com a ajuda de seu ex-colega de quarto, entregou o que é considerado o primeiro segredo atômico vazado de Los Alamos – uma atualização sobre a criação da bomba de plutônio.

 

 

“Durante o ano de 1944, eu estava preocupado com os perigos de um monopólio americano de armas atômicas se houvesse uma depressão pós-guerra”, disse Theodore Hall em um comunicado escrito publicado no New York Times em 1997, dois anos antes de sua morte por câncer de rins.

 

 

‘O Jovem’

 

 

Hall argumentou que uma URSS nuclear nivelaria o campo de jogo e serviria como contenção aos EUA.

“A União Soviética na época não era o inimigo, mas o aliado dos Estados Unidos.” Para Hall, “o povo soviético lutou heroicamente contra os nazistas, a um tremendo custo humano, e isso pode ter salvado os aliados ocidentais da derrota”.

O Projeto Manhattan Project tinha regras de confidencialidade.
(Foto: Getty Images / BBC News Brasil)

 

 

 

O americano tornou-se conhecido pelos soviéticos como “o jovem” e alimentaria ainda mais Moscou com informações tecnológicas específicas, especialmente o trabalho sobre o princípio da implosão – um novo método para detonar bombas feitas de plutônio.

A bomba que os EUA lançaram sobre a cidade japonesa de Nagasaki era baseada em plutônio, ao contrário da que visava Hiroshima, que usava urânio.

Mensagens criptografadas

 

 

Os EUA e a URSS podem ter lutado contra o mesmo inimigo na Segunda Guerra Mundial, mas isso nunca impediu que Moscou e Washington se espionassem.

Na verdade, o gigantesco projeto de contrainteligência dos Estados Unidos, dirigido aos soviéticos, conhecido como Venona, começou a funcionar já em fevereiro de 1943.

Em dezembro de 1946, seus decodificadores finalmente conseguiram decifrar as comunicações do NKVD, o Ministério do Interior da União Soviética.

Os cabos telegráficos interceptados revelaram a existência da espionagem soviética no Projeto Manhattan.

Hall estava fazendo seu PhD na Universidade de Chicago em 1950, quando o FBI veio bater à sua porta.

Ele havia sido identificado como colaborador de Moscou em uma mensagem criptografada.

 

 

Outro espião de Los Alamos, o físico alemão Klaus Fuchs, havia sido preso no ano anterior, confessando seu papel no envio de segredos nucleares americanos ao inimigo.

No entanto, o FBI não conseguiu extrair uma confissão de Theodore Hall, nem de Saville Sax, a quem eles também interrogaram.

Viagem à Grã-Bretanha

 

 

Nenhum cientista foi mencionado nominalmente por nenhum dos outros espiões acusados. O uso da vigilância não produziu nenhuma prova de espionagem, pois Hall estava praticamente inativo depois do Projeto Manhattan.

 

Havia, claro, as mensagens de Moscou, que poderiam ter sido usadas como prova. Mas as autoridades americanas relutaram em usá-las no tribunal, pois isso tornaria público que elas conseguiram decodificar as mensagens soviéticas.

No final, Hall fugiu, ao contrário de outros que cumpriram pena de prisão, ou foram executados sob a acusação de espionagem.

 

 

Mas ainda assim, Hall e sua esposa temiam por sua segurança. Ele deixou seu posto acadêmico em Chicago e aceitou um trabalho de pesquisa discreto em um hospital de Nova York. Então, em 1962, uma oferta de trabalho veio da Universidade de Cambridge, e ele se mudou para o Reino Unido com sua esposa.

 

 

Hall se aposentou em 1984 e estava pronto para viver uma vida discreta.

 

 

Mas em 1996, seu passado veio à tona. Os telegramas revelando seu contato com os russos perderam o caráter sigiloso e abertos ao público.

Naquela época, todas as testemunhas conhecidas das atividades de Hall já estavam mortas, incluindo Saville Sax.

Exposto

 

 

“Até foi dito que eu mudei o curso da história”, disse Hall aos repórteres do New York Times.

“Talvez o curso da história, se inalterado, pudesse ter levado à guerra atômica nos últimos 50 anos, por exemplo, uma bomba poderia ter sido lançada sobre a China em 1949 ou no início dos anos 50.”

 

“Bem, se eu ajudei a evitar isso, aceito a acusação”, declarou ele.

Não houve ataques nucleares desde Hiroshima e Nagasaki, e Theodore Hall foi até o túmulo acreditando que ele tinha um dedo nisso.

(Fonte: https://www.terra.com.br/noticias/ciencia – NOTÍCIAS / CIÊNCIA – 31 AGO 2019)

BBC News Brasil – Todos os direitos reservados.

Powered by Rock Convert
Share.