Se tornou a primeira mulher a assumir o comando de um time na história da MLB, a liga principal de beisebol dos EUA

0
Powered by Rock Convert

O mundo mudou quando uma mulher assumiu o comando de um time de beisebol

 

Kim Ng foi pioneira em um caminho para inúmeras mulheres que desejam trabalhar no beisebol. (Foto de Linda Cataffo / NY Daily News Archive via Getty Images)

 

O mundo do esporte mudou desde 13 de novembro, quando o Miami Marlins, time da MLB, a liga principal de beisebol dos Estados Unidos, anunciou a contratação de Kim Ng como sua nova gerente-geral. Ela se tornou a primeira mulher a ocupar o cargo na história do esporte.

 

Kim Ng foi anunciada como nova GM do Miami Marlins. A americana-asiática de 51 anos é a primeira mulher a ocupar a gerência geral de uma equipe na história da MLB.

 

Ng e Derek Jeter, CEO dos Marlins, já são velhos conhecidos. Ambos estiveram no New York Yankees entre 1998 e 2001, com Derek no plantel e Kim como GM assistente. Além dos Yankees, ela passou por Chicago White Sox e Los Angeles Dodgers, além de ter feito parte do front office da MLB, onde estava desde 2011.

O beisebol é um dos esportes mais populares dos Estados Unidos, junto do basquete e do futebol americano. E o cargo de gerente-geral é um dos mais importantes na operação de um time, responsável pelo planejamento de longo prazo, por quais jogadores contratar, dispensar ou oferecer para troca.

 

Virar gerente de um time da MLB, a Major League Baseball, seria o equivalente aqui no Brasil a ocupar um cargo de comando em um time de futebol da série A —comparando com o nosso esporte mais popular.

 

Isso é inédito no Brasil, como também era nos Estados Unidos. Agora não é mais. O caminho foi aberto por Kim Ng para tantas outras mulheres lá fora, que hoje podem se espelhar nela e acreditar que é possível ter uma carreira profissional no esporte. Para nós, aqui, ainda é um primeiro passo distante. Mas é um grande passo, que pode abrir mentes, mudar comportamentos e o mais importante: superar resistências.

 

Não à toa o anúncio de sua contratação teve impacto gigante no mundo do esporte —e fora dele, entre tantas mulheres que se sentiram orgulhosas e empoderadas pela conquista. A ex-primeira-dama dos EUA Michelle Obama foi uma delas. “Muito animada em ver Kim Ng como a primeira mulher e a primeira americana de ascendência asiática a ser gerente-geral na MLB. Cresci amando os Cubs [time de Chicago], mas estarei torcendo por você!”, afirmou no Twitter.

 

Outra que postou mensagem nas redes sociais foi a ex-tenista Billie Jean King, famosa pelas batalhas que sempre travou contra o sexismo no esporte. “Parabéns a Kim Ng, a nova gerente-geral do Marlins. Com 30 anos de experiência como executiva de beisebol, ela fez história como a primeira mulher e a primeira pessoa com ascendência asiática a ter essa posição em um departamento de operações do beisebol. Progresso!”

 

Segundo o jornal “The New York Times”, a mensagem de King sensibilizou Kim, que já era fã da esportista. Ela própria, enquanto crescia, tinha suas inspirações no mundo do esporte. Assim acontecem as mudanças: uma mulher vai motivando as próximas. E é esse o legado que a nova gerente do Marlins pretende deixar a tantas meninas que sonham em trabalhar com beisebol —um universo tradicionalmente dominado por homens brancos.

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Tem um provérbio que diz: ‘Você não pode ser o que não consegue ver’. Digo a elas: ‘Agora vocês podem ver’. Estou ansiosa para ouvir as histórias dessas garotas e saber o quão inspiradas elas estão para conquistar um emprego no esporte, um emprego no beisebol e atingir as estrelas.

 

Não poderia haver exemplo melhor do que Kim para inspirar outras mulheres. Sempre foi apaixonada por beisebol, é superpreparada para o trabalho, mas nada foi fácil em sua trajetória. Ela mesma chegou a afirmar que, apesar de tantas negativas, nunca pensou em desistir. E por isso já era vista há tempos no universo do beisebol como a mulher que poderia quebrar essas barreiras.

 

Atuou como executiva de times como Chicago White Sox —onde começou a carreira como estagiária—, Yankees, Los Angeles Dodgers e da própria MLB. Nas equipes, chegou ao posto assistente do gerente-geral, mas até agora não havia conseguido o posto principal —embora já tivesse passado por seis entrevistas em times diferentes. Acabou preterida por Dodgers, Seattle Mariners, Philadelphia Phillies, San Diego Padres, New York Mets e Anaheim Angels.

 

“Entrei na MLB como parte da equipe gestora, e agora, após décadas de trabalho e determinação, me sinto honrada em liderar os Marlins. Meu objetivo aqui é estabelecer uma cultura vencedora em Miami, que é o que os torcedores esperam e merecem”, disse Kim em nota oficial.

 

Em passagem pelo Brasil em julho de 2020, falou à “Folha de S.Paulo” sobre o assunto.

 

Eu sei que poderia fazer esse trabalho. Alguém vai ter de superar esse obstáculo. Falta coragem [para os donos das equipes]. 

 

O “corajoso” do momento foi Derek Jeter, presidente do Marlins. O ex-jogador foi estrela do Yankees quando Kim trabalhava lá e veio dele a decisão de transformá-la na peça-chave de sua atual equipe.

 

Parece que por essa nem a própria Kim esperava. Mas o mundo mudou e vai continuar mudando até que a equidade seja natural no esporte. O mundo mudou desde que uma mulher assumiu o comando de um time de beisebol. Mas ainda há obstáculos a vencer.

(Fonte: https://www.playmakerbrasil.com.br/noticia – NOTÍCIA / por Diego Dias – 14 de novembro de 2020)

(Fonte: https://www.uol.com.br/universa/colunas/debora-miranda/2020/11/22 – UNIVERSA / COLUNAS / EXTRAORDINÁRIAS / por Débora Miranda Colunista do UOL – 22/11/2020)

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL 

Powered by Rock Convert
Share.