Raymond Marcellin, político francês, ministro do Interior, que considerava os estudantes e grevistas inimigos da França

0
Powered by Rock Convert

Ministro francês duro que liderou a repressão aos eventos

Raymond Marcelino (Sézanne, Marne, 19 de agosto de 1914 – Paris, 8 de setembro de 2004), político francês, ministro do Interior, que considerava os estudantes e grevistas inimigos da França.

 

Aqueles que escrevem sobre os acontecimentos de 1968 na França são geralmente favoráveis ​​aos chamados revolucionários. Por isso, raramente escrevem sobre o ministro do Interior Raymond Marcelino. Ele acreditava que, na melhor das hipóteses, eles eram burros, vítimas de uma trama fabricada em Cuba e que precisavam ser reprimidos.

 

Seu momento de fama chegou quando o Presidente de Gaulle o nomeou para o ministério do Interior em 31 de maio de 1968. Nesse ponto, os manifestantes estudantis, aos quais alguns trabalhadores em greve se juntaram, pareciam estar ficando fora de controle e, em seu segredo. Na visita a Baden-Baden, De Gaulle parecia considerar a demissão. Mas ele voltou, determinado a se reafirmar e pôr um fim à crise. “Não é um trabalho agradável”, disse De Gaulle. “Mas ele fará isso. Ele é um homem de coragem.”

 

O passado de Marcelino diferia do da maioria dos gaullistas. De fato, ele nunca fora membro de um partido gaullista. Nascido em Sézanne, perto de Epernay, no Marne, ele treinou como advogado e ensinou durante a guerra na Université-Jeune-France, uma organização de Vichy. Em 1946, ele foi para a Bretanha, onde foi eleito deputado pelo departamento de Morbihan na primeira das quartas eleições da república. Ele era conservador e independente, e permaneceu assim.

 

Raymond Marcelino, político, nascido em 19 de agosto de 1914, foi ministro júnior de vários governos da quarta república, congratulou-se com a volta de Gaulle ao poder em 1958. Tornou-se associado próximo de Georges Pompidou, que assumiu o cargo de primeiro ministro da França em 1962, e foi nomeado para vários cargos ministeriais, entre os quais públicos. saúde, indústria e planejamento. Ele permaneceu um membro líder do Centro Nacional não Gaullista de independentes e camponeses.

 

Marcelino substituiu Christian Fouchet como ministro do Interior e, quando mostrou sua hostilidade a várias organizações e indivíduos, De Gaulle observou que “agora temos o verdadeiro Fouché” (uma referência ao brutal Joseph Fouché da revolução de 1789). Marcelino aumentou o orçamento da polícia e prometeu que, se fosse necessário ter 50.000 policiais para manter a ordem em Paris, seriam 50.000.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Uma unidade especial de inteligência foi criada para examinar potenciais organizações revolucionárias. A Ligue Communiste foi tornada ilegal e vários grupos trotskistas e maoístas foram desmembrados, assim como o extremo direito Ordre Nouveau.

 

As eleições nacionais de 1968 foram bem-sucedidas para os gaullistas e uma homenagem a Marcelino, embora o próprio de Gaulle tenha renunciado no final do ano. Pompidou, o novo presidente, insistiu para que Marcelino permanecesse no cargo como o primeiro policial da França – “le premier flic de France”.

 

Houve muitos protestos contra os métodos de Marcelino, alguns deles do sindicato da polícia. Em 1971, ele aprovou uma lei anti-destruidores, que tornava ilegal o simples comparecimento a uma reunião em que ocorria violência. Também houve incidentes envolvendo ações irregulares da polícia e, em 1974, foi descoberto que uma equipe de agentes da inteligência da polícia, posando de encanador, instalava microfones nos escritórios do semanário satírico Le Canard Enchaîné.

Foi fácil responsabilizar Marcelino por essa ação, uma vez que o objetivo da operação estava de acordo com os desejos ministeriais de descobrir a fonte de informação do jornal sobre escândalos políticos. Então Pompidou o transferiu para o ministério da agricultura, substituindo-o no ministério do interior pelo atual presidente, Jacques Chirac. Quando Pompidou morreu repentinamente em 1974, Marcelino se recusou a servir sob o presidente Valéry Giscard D’Estaing e, a partir de então, ele atuou inteiramente na Bretanha.

 

Ele permaneceu deputado até 1997. Foi prefeito de Vannes de 1965 a 1977 e ocupou outros cargos no conselho regional da Bretanha. Ele sempre insistia que, quando chegasse a hora de renunciar, seria ele quem anunciaria a decisão. E assim foi.

 

Ele nunca se casou.

 

Raymond Marcellin faleceu em Paris, em 8 de setembro de 2004, aos 90 anos.

(Fonte: https://www.theguardian.com/news/2004/sep/15 – NOTÍCIAS / FRANÇA / Por Douglas Johnson – 15 Set 2004)

Powered by Rock Convert
Share.