José Luis Brown, campeão do mundo com a Argentina na conquista do Mundial em 1986

0
Powered by Rock Convert

Campeão mundial pela Argentina

 

Herói na conquista do Mundial-1986

 

Ídolo do Estudiantes e responsável por abrir caminho para a conquista do bicampeonato da Argentina

 

 

José Luis Brown (Ranchos, Argentina, 10 de novembro de 1956 – Buenos Aires, 12 de agosto de 2019), ex-zagueiro argentino, campeão mundial que marcou o primeiro gol da Argentina na final da Copa do Mundo de 1986 contra a Alemanha Ocidental

 

 

Autor de um dos gols do triunfo albiceleste sobre a então Alemanha Ocidental, por 3 a 2, no jogo da conquista da Copa do Mundo de 1986, Brown, chamado afetuosamente pelo apelido “Tata”, passou a maior parte da carreira de jogador no Estudiantes, atuando quase 300 vezes com o time na liga nacional.

 

 

No final da temporada 1985-86 ele foi dispensado pelo Deportivo Español por causa de uma lesão grave no joelho, mas mesmo assim foi convocado para a Copa do Mundo do México como reserva de Daniel Passarella.

 

Depois que Passarella ficou doente e foi descartado do torneio, Brown foi incluído na escalação principal do time liderado por Diego Maradona.

 

Brown, que jogou 36 vezes por seu país, fez o único gol de sua carreira na seleção na final, quando completou uma cobrança de falta de cabeça aos 23 minutos na vitória de 3 x 2.

Powered by Rock Convert

 

Mais tarde no mesmo jogo, quando seu time liderava por um gol, ele deslocou o ombro em uma colisão com Norbert Eder, mas se recusou a sair de campo, enfrentando a dor até a Argentina conquistar seu segundo título mundial.

UM GOL PARA A HISTÓRIA DA ARGENTINA

Zagueiro emblemático, José Luis Brown inicialmente foi para a Copa do Mundo de 1986 como opção a Daniel Passarella. Contudo, devido a um problema gástrico que acometeu o titular, coube a Brown o desafio de fazer parte do setor defensivo no decorrer da competição.

Marcado pela firmeza nas divididas, Brown contribuiu (ao lado de Ruggeri e Cuciuffo)  para a equipe de Carlos Bilardo engrenar na competição até chegar à decisão daquele Mundial. E, no dia 29 de junho de 1986, o camisa 5 entraria para a história: após Burruchaga alçar bola para a área, o defensor subiu mais do que a defesa da Alemanha Ocidental e balançou a rede.

O gol de cabeça na final da Copa do Mundo foi o único que Tata Brown marcou em 36 partidas com a camisa albiceleste. Na vitória por 3 a 2, que culminou no segundo título mundial da Argentina, o zagueiro ainda ficou marcado por um momento dramático: ao chocar-se com um adversário, seu ombro foi deslocado. Após rasgar a camisa 5 para improvisar o apoio no braço direito, ele seguiu em campo até o final.

IDOLATRIA NO ESTUDIANTES

Nascido em Ranchos (província de Buenos Aires na qual foi reverenciado, ao dar nome a um estádio), José Luis Brown profissionalizou-se no Estudiantes em 1975. Nos “Pinchas”, foi campeão metropolitano em 1982 e conquistou o título argentino de 1983, ao lado de nomes como Bertero, Alejandro Sabella e Trobbiani.

Após as conquistas com a camisa do Estudiantes, o zagueiro mudou de ares, ao aceitar a proposta do Atlético Nacional (COL) e teve passagens por Boca Juniors, Brest (FRA) e Real Murcia (ESP). Em 1990, pendurou as chuteiras no Racing.

MEDALHA DE OURO… NA COMISSÃO TÉCNICA

Mesmo após deixar os gramados, Tata Brown seguiu no futebol. Após ter comandado o modesto Los Andes (lidando com o também ex-jogador Nery Pumpido), em 1996 foi para o Boca Juniors, onde tornou-se um dos auxiliares de Carlos Bilardo, seu ex-treinador no Estudiantes e na Argentina.

Depois, teve trabalhos em clubes como Almagro, Nueva Chicago e Blooming (BOL) e retornou ao Estudiantes, seu ex-clube, como técnico das categorias de base. José Luis Brown ainda comandou equipes como Atlético Rafaela, Ben Hur de Rafaela e Ferro Carril Oeste.

Porém, em 2008, chegaria ao seu ápice na beira de campo. “Tata” Brown foi auxiliar técnico da Argentina na medalha de ouro dos Jogos Olímpicos de Pequim. A geração comandada por Sergio Batista trazia o camisa 10 Messi e nomes como Romero, Agüero, Di María, Lavezzi, Buonanotte, além de Riquelme.

Brown faleceu em 12 de agosto de 2019, aos 62 anos, em Buenos Aires.

De acordo com informações divulgadas pelo “Olé”, nos últimos meses, o ex-jogador sequer requer reconhecia sua filha, Florencia. O velório de José Brown ocorreu, na sede do Estudiantes, clube no qual foi ídolo.

(Fonte: https://www.lance.com.br/futebol-internacional – FUTEBOL INTERNACIONAL / Buenos Aires (ARG) – 13/08/2019)

(Fonte: https://www.terra.com.br/esportes – ESPORTES – 13 ago 2019)

Reuters – Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Todos os direitos reservados.
Powered by Rock Convert
Share.