John Gagnon, propôs que o comportamento sexual poderia ser melhor entendido olhando para as forças sociais em vez da biologia ou psicologia, e editou a coleção de ensaios “Sexual Deviance: A Reader” com o professor William Simon,

0
Powered by Rock Convert

John Gagnon, que vinculou sexualidade a influências sociais

 

John Gagnon (Fall River, Massachusetts, 22 de novembro de 1931 – Palm Springs, Califórnia, 11 de fevereiro de 2016), sociólogo norte-americano, foi um sociólogo que mudou o terreno da pesquisa sexual ao propor que o comportamento sexual poderia ser melhor entendido olhando para as forças sociais em vez da biologia ou psicologia.

 

O professor Gagnon (pronuncia-se GAN-yun) estabeleceu sua carreira como pesquisador no Institute for Sex Research (agora Kinsey Institute) na Universidade de Indiana na década de 1960, e na década de 1990 realizou uma pesquisa abrangente sobre o comportamento sexual nos Estados Unidos. Ele via a sexualidade humana como uma construção social em vez de um desejo primordial ou identidade fixa enraizada na psique.

 

Em “Sexual Conduct: The Social Sources of Human Sexuality”, escrito com seu colega pesquisador de Kinsey William Simon e publicado em 1973, e nos ensaios coletados em “An Interpretation of Desire” de 2004, ele explorou a noção de “scripts” sexuais escrito, por assim dizer, por forças políticas, econômicas e sociais, e o comportamento sexual como uma espécie de performance.

 

“A conduta sexual é aprendida, adquirida e montada na interação humana, julgada e realizada em mundos culturais e históricos específicos”, escreveram ele e o professor Simon em “Sexual Conduct”.

 

“John Gagnon talvez tenha contribuído mais do que qualquer outro indivíduo ao levar a pesquisa sexual das margens para o centro e, ao fazê-lo, do ponto de vista da construção social da sexualidade, inspirou uma geração de estudiosos”, Lenore Manderson, um antropólogo médico australiano, escreveu no The Journal of the History of Sexuality em 2006.

 

John Henry Gagnon nasceu em 22 de novembro de 1931, em Fall River, Massachusetts. Sua mãe, a ex-Mary Emma Murphy, era empregada de hotel, e seu pai, George, era mineiro e anarquista.

 

À medida que a Depressão se aprofundava, a família mudou-se para um acampamento do Civilian Conservation Corps em Vermont e depois para Bisbee, Arizona. Em um ensaio autobiográfico para o livro “Autores de suas próprias vidas”, o professor Gagnon escreveu sobre esse período: “Adeus à pobreza respeitável; olá, pobre esfarrapado.”

 

Depois que as visões políticas de esquerda de George Gagnon o tornaram indesejado em Bisbee, ele se mudou com a família para Long Beach, Califórnia, onde moraram em um barraco de madeira com telhado de lona por dois anos antes de encontrar trabalho no estaleiro durante a Segunda Guerra Mundial.

 

Depois de se formar na Long Beach Polytechnic High School, o professor Gagnon matriculou-se na Universidade de Chicago, onde passou de uma matéria para outra enquanto juntava o dinheiro das mensalidades trabalhando na Continental Can Company e na divisão de motores de aeronaves da Ford Motors. Após receber o diploma de bacharel em artes liberais em 1955, ele continuou os estudos de pós-graduação na Universidade de Chicago, onde acabou se concentrando em sociologia por processo de eliminação.

 

Nesse meio tempo, ele encontrou trabalho como diretor assistente da Cadeia do Condado de Cook, uma experiência que ofereceu material rico para seu primeiro livro, “Sex Offenders”, escrito depois que ele começou a trabalhar para o Institute for Sex Research em 1959.

 

Em 1968, depois de editar a coleção de ensaios “Sexual Deviance: A Reader” com o professor Simon, ele se juntou à faculdade de sociologia na que hoje é a State University of New York em Stony Brook, em Long Island. Por não ter conseguido escrever uma dissertação, ele recebeu o título de conferencista de nível básico, que foi atualizado para professor associado depois que ele recebeu um doutorado em 1969.

 

No final da década de 1980, trabalhando com dois colegas da Universidade de Chicago e do National Opinion Research Center, o professor Gagnon projetou a primeira pesquisa abrangente do comportamento sexual desde os relatórios de Kinsey de 1948 e 1953, que se basearam em entrevistas realizadas já no início da década de 1980, final da década de 1930.

 

Ao contrário dos estudos de Kinsey, que foram baseados em amostras selecionadas e evidências anedóticas, a pesquisa do professor Gagnon usou técnicas de amostragem para chegar a uma população representativa de cerca de 3.400 adultos entre 18 e 59 anos. sobre homens gays e seu comportamento que eram desesperadamente necessários à medida que a crise da AIDS se aprofundava.

 

Em contraste com os relatórios de Kinsey, a pesquisa pediu aos entrevistados que refletissem sobre por que faziam sexo e o que pensavam sobre isso. “Não queremos apenas listar o que as pessoas fazem; queremos começar a explicar por que eles fazem o que fazem”, disse o professor Gagnon à revista Science em 1989.

 

A pesquisa foi publicada em 1994 como “A Organização Social da Sexualidade: Práticas Sexuais nos Estados Unidos”. Um volume complementar, destinado ao público geral, foi publicado no mesmo ano sob o título “Sex in America”.

 

Entre outras descobertas, a pesquisa mostrou que a maioria dos americanos casados ​​eram monogâmicos e não particularmente aventureiros em suas práticas sexuais.

“Tivemos o mito de que todo mundo estava por aí fazendo muito sexo de todos os tipos”, disse o professor Gagnon ao The New York Times em 1994. “Isso teve duas consequências. Isso enfureceu os conservadores. E criou ansiedade e infelicidade entre aqueles que não o estavam tendo, que pensavam: ‘Se não estou recebendo nenhum, devo ser uma pessoa defeituosa.’ O bom senso deveria ter nos dito que a maioria das pessoas não tem tempo e energia para administrar um caso, um emprego, uma família e a Long Island Rail Road.”

Outros trabalhos do professor Gagnon incluem “Concebendo Sexualidade: Abordagens à Pesquisa Sexual em um Mundo Pós-Moderno”, editado com Richard G. Parker em 1995, e “Em Tempos de Mudança: Homens Gays e Lésbicas Encontram HIV/AIDS”, editado com Martin P. Levine (1950-1993) e Peter M. Nardi 1997.

John Gagnon faleceu em 11 de fevereiro em sua casa em Palm Springs, Califórnia. Ele tinha 84 anos.

O primeiro casamento do professor Gagnon terminou em divórcio. O professor Greenblat disse que seus sobreviventes imediatos, além dela, são dois filhos, Christopher Gagnon e Kevin Greenblat; duas filhas, Andrée Gagnon e Leslie Greenblat Shah.

A causa foram complicações do câncer de pâncreas, disse sua esposa, Cathy Greenblat, professora emérita de sociologia da Universidade Rutgers.

(Fonte: https://www.nytimes.com/2016/02/26/us – New York Times Company / De William Grimes – 25 de fevereiro de 2016)

Powered by Rock Convert
Share.