Jo Van Fleet, atriz que ganhou um Oscar, um Tony e outras honrarias por sua representação de mulheres orgulhosas e exóticas

0
Powered by Rock Convert

Jo Van Fleet, foi uma atriz que retrata mulheres orgulhosas

 

Jo Van Fleet (Oakland, Califórnia, 29 de dezembro de 1915 – Queens, 10 de junho de 1996), atriz que ganhou um Oscar, um Tony e outras honrarias por sua representação de mulheres orgulhosas e exóticas.

 

Van Fleet era conhecida como atriz de atriz, uma profissional altamente qualificada que trabalhava com igual facilidade no palco, em filmes e na televisão. Para sua primeira aparição na tela em 1955, ela ganhou um Oscar de melhor atriz coadjuvante por interpretar a mãe de James Dean no filme de Elia Kazan “East of Eden”. Dois anos depois, ela ganhou um prêmio Tony como melhor atriz por seu papel como a irritadiça Jessie Mae Watts em “Trip to Bountiful”, de Horton Foote (1916-2009).

 

Em seu outro papel característico, em Wild River, de Kazan, ela foi Ella Garth, uma matriarca de 80 anos que se recusa a deixar sua ilha natal apesar do fato de estar prestes a ser inundada pela Autoridade do Vale do Tennessee. Nesse filme, Montgomery Clift desempenhou um simpático funcionário do governo.

 

Ao longo dos anos, ela passou a ser conhecida por interpretar mães de diversas origens étnicas, com a variedade indo do drama naturalista à comédia absurda. Ela era a mãe de Anthony Perkins em “Look Homeward, Angel” na Broadway; a mãe sufocante original, Madame Rosepettle, em “Oh Dad, Pai Ruim, Mamãe Pendurou Você no Armário e Estou Sentindo Tão Triste”, de Arthur Kopit, e a mãe de Paul Newman no filme “Cool Hand Luke”.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Sua galeria materna incluía a malvada madrasta no revival da televisão de 1965 de “Cinderela”, de Rodgers e Hammerstein. No mesmo ano, ela seguiu Maureen Stapleton como Amanda Wingfield na produção do 20º aniversário de “The Glass Menagerie”.

 

Van Fleet, que era membro do Actors Studio, muitas vezes creditou a Kazan uma grande influência em sua carreira.Além de seu trabalho no cinema, ele a dirigiu no palco em “Flight Into Egypt”, de George Tabori, e “Camino Real”, de Tennessee Williams, no qual ela criou o papel de Camille.

 

Ela nasceu em Oakland, Califórnia, e começou seu treinamento teatral no College of the Pacific em Stockton, Califórnia. Depois de estudar com Sanford Meisner (1905-1997) no Neighborhood Playhouse, ela fez sua estreia em Nova York em “The Winter’s Tale” em 1946. Em 1950, ela interpretou Regan para “King Lear”, de Louis Calhern. Nos anos 50 e 60, ela estava frequentemente na Broadway e ocasionalmente na Broadway (em “Rosemary” e “The Alligators”, um projeto duplo de Molly Kazan).

Com “East of Eden”, ela começou uma carreira de filme florescente. Seus outros filmes incluíam “The Rose Tattoo”, “Eu vou chorar amanhã”, “Um rei e quatro rainhas”, “Gunfight no OK Corral”, “This Angry Age”, “Eu te amo, Alice B. Toklas” e “A gangue que não poderia atirar em linha reta.” Na década de 1970, ela costumava atuar no teatro regional.

Van Fleet era casada com William Bales, um dançarino e coreógrafo que morreu em 1990.

Jo Van Fleet morreu em 10 de junho de 1996, no Hospital Jamaica, no Queens. Ela tinha 81 anos.

(Fonte: Companhia do New York Times – ARTES /  – 

Powered by Rock Convert
Share.