Izzy Young, dono da loja de discos, a Folklore Center, organizou o primeiro show de um jovem e talentoso músico do gênero, era Bob Dylan

0
Powered by Rock Convert

NA HISTÓRIA, COM BOB DYLAN

 

Uma das realizações mais memoráveis de Young foi apresentar o primeiro concerto de Bob Dylan em Nova York, no Carnegie Chapter Hall, em 1961.
(Credito: Centro Americano de Folklife, Biblioteca do Congresso)

 

 

Izzy Young, que presidiu o reavivamento popular

 

 

Izzy Young em 1963, em frente ao Folklore Center, em Greenwich Village. A loja de Young, Bob Dylan escreveu uma vez, “era como uma capela antiga, como um instituto do tamanho de uma caixa de sapatos”. (Crédito: David Gahr / Getty Images)

 

 

Izzy Young (Manhattan, 26 de março de 1928 – Estocolmo, 4 de fevereiro de 2019), empresário cuja loja em Greenwich Village, o Folklore Center, foi o coração pulsante do renascimento da música folclórica do meio do século 20 – e que em 1961 apresentou o primeiro show de Nova York pelo jovem Bob Dylan.

 

Em 1957, o americano inaugurou no Greenwich Village, em Nova York, uma loja de discos, a Folklore Center. O estabelecimento tornou-se um reduto do folk. Quatro anos mais tarde, Izzy organizou o primeiro show de um jovem e talentoso músico do gênero na cidade. Era Bob Dylan. Realizada no Carnegie Chapter Hall, a apresentação foi um fracasso. Não importa: Izzy entrou para a história. Em 1973, ele fechou a Folklore e mudou-se para Estocolmo.

 

Israel Goodman Young nasceu em 26 de março de 1928, no Lower East Side de Manhattan e foi criado no Bronx. Seus pais, Philip e Pola, eram imigrantes judeus da Polônia.

 

Ao longo dos anos, Folk City apresentou nomes como Dylan, Joan Baez, Judy Collins, Tom Paxton e Muddy Waters. Foi fechado em 1987.

 

Quem quiser capturar a essência da época poderia se sair muito pior do que ir ao Folklore Center, na 110 Macdougal Street, entre Bleecker e West Third Streets. Fundada em 1957, era nominalmente uma loja de música, vendendo discos, livros, instrumentos, partituras e revistas de fãs, a maioria originada de máquinas de suor e mimeógrafo, como Sing Out !, Caravan e Gardyloo.

 

Na prática real, o centro também era uma sala de contratação de partes iguais; A Schwab’s Pharmacy, onde jovens esperavam a descoberta; espaço para recitais de caixas de fósforos para apresentações organizadas e jam sessions improvisadas; centro nervoso para fofocar em pé de igualdade com qualquer barbearia de cidade pequena; e fórum para um debate contínuo e crepitante sobre o assunto que consome toda a música folclórica, que em grande parte graças ao Sr. Young estava desfrutando de uma atenção ampla e renovada.

 

“Comecei a sair no Folklore Center, a cidadela da música folclórica americana”, escreveu Dylan em suas memórias “Chronicles: Volume One” (2004), lembrando sua chegada a Nova York em 1961. “A pequena loja estava aberta um lance de escadas e o local tinha uma graça antiga. Era como uma capela antiga, como um instituto do tamanho de uma caixa de sapatos.

 

Crepitando mais alto acima do barulho estava o Sr. Young, que, com seus óculos de aro de chifre, capacidade vocal prodigiosa e cornucópia sem fundo de opinião, era o nebuloso platônico e genialmente abrasivo de Nova York da Central Casting.

 

“Sua voz era como um trator e sempre parecia alta demais para o quartinho”, escreveu Dylan. “Izzy estava sempre um pouco abalado com uma coisa ou outra. Ele era desleixado de boa índole. Na realidade, um romântico. Para ele, a música folclórica brilhava como um monte de ouro. Também fez por mim.

 

Até que ele fechou a loja em 1973 para se mudar para Estocolmo e iniciar um centro semelhante, Young reinou supremo como um deficiente físico (“As primeiras vezes que conheci Dylan, não fiquei impressionado”, disse ele. comecei a escrever essas ótimas músicas, percebi que ele era realmente algo”); um empresário (ele organizou centenas de shows em toda a cidade, incluindo a primeira aparição formal de Dylan, no complexo Carnegie Hall, além de apresentações dos caminhantes da Cidade Nova Perdida, Dave Van Ronk, Jean Ritchie e Phil Ochs); e um evangelista que quase sozinho colocou o “Folk” em Folk City, a famosa boate Village.

 

Ele também era escritor, com uma coluna regular em Sing Out !; uma emissora, com um show de música folclórica na WBAI em Nova York; um agitador (em 1961, ele ajudou a organizar protestos públicos de sucesso depois que a cidade proibiu a música folclórica do Washington Square Park); um feroz guardião do castelo (“Ele era conhecido por expulsar pessoas de sua loja”, escreveu Dick Weissman, ex-membro do grupo folclórico dos Journeymen, “simplesmente porque o irritavam”); e um defensor igualmente feroz da fé. Young repudiou Dylan depois que ele começou a empunhar uma guitarra elétrica em meados dos anos 60.

 

Se, no final das contas, o Folklore Center era um empreendimento capitalista sem sucesso – quem, afinal, gosta de música folclórica para ficar rico? – isso pouco importava. Joni Mitchell foi descoberto lá. Peter encontrou Mary lá, depois de ver sua foto em uma parede. (Paul se juntou a eles logo depois.) O Sr. Van Ronk, então o músico mais estabelecido, conheceu o recém-chegado Sr. Dylan lá e o convidou para subir ao palco no Gaslight Cafe, nas proximidades.

 

Young, em suma, era o folknik original – literalmente, pois foi ele quem cunhou o termo, no final da década de 1950, como atestado pelo Oxford English Dictionary.

 

Quando jovem, Izzy passou a maior parte do tempo, ele disse mais tarde, “tentando evitar me comprometer com qualquer coisa”.

 

Então, enquanto estudante da Bronx High School of Science, ele foi afetado pela dança folclórica, tornando-se membro do American Square Dance Group. A empresa, fundada em Nova York pela folclorista e professora Margot Mayo, reviveu danças tradicionais de vários tipos.

 

oexploradorPowered by Rock Convert

As danças o levaram à música folclórica, e ele logo estava colecionando livros sobre o assunto. Ele estudou no Brooklyn College, mas não terminou.

 

Em meados da década de 1950, depois de trabalhar por vários anos no Borough Park Shomer Shabbos, a padaria que seu pai havia estabelecido no Brooklyn, Young tornou-se traficante de livros raros de música folclórica. Seus clientes particulares incluíam Harry Belafonte e Burl Ives.

 

Ele abriu o Folklore Center em abril de 1957, e rapidamente se tornou uma meca para atividades prazerosas de todos os tipos.

 

“As drogas não eram permitidas”, disse Young ao jornal The Weekend Australian, em 2013. “Mas toda vez que você abria a porta do banheiro, uma grande nuvem de fumaça roxa surgia”.

 

No início da década de 1960, Young convenceu Mike Porco a um restaurante do Village, a enfatizar músicos folclóricos em seu estabelecimento, Gerdes. Eles provaram tanto sucesso que o nome do restaurante foi alterado para Gerdes Folk City e, eventualmente, simplesmente para Folk City.

 

Em 1961, Young ajudou a liderar um protesto conhecido na imprensa como o motim dos Beatnik. Naquele ano, o Departamento de Parques da Cidade de Nova York, sob pressão de grupos conservadores e interesses imobiliários, baniu músicos folclóricos do Washington Square Park. O parque, no coração do Village, era um local de encontro e apresentação tradicional para músicos desde a década de 1940.

 

Com o Rev. Howard R. Moody, ministro da vizinha Igreja Judson Memorial, o Sr. Young formou o Comitê de Direito de Cantar. Em 9 de abril de 1961, quando vários policiais da cidade de Nova York observaram, o comitê fez um protesto no parque, com centenas de músicos marchando e cantando.

 

“Todo mundo canta ‘The Star Spangled Banner'”, disse Young à NPR em 2011. “Eu disse: ‘Eles não podem nos acertar na cabeça enquanto estamos fazendo isso’.”

 

O comitê realizou mais manifestações nas semanas seguintes, mas não conseguiu impedir a Suprema Corte do Estado de defender a proibição da cidade no final da primavera. Em julho, no entanto, um tribunal de apelação suspendeu a proibição, e o parque foi novamente inundado pela música folclórica.

 

O Folklore Center mudou-se para a Sexta Avenida em 1965. Oito anos depois, depois de ficar paralisado pela tradicional música de violino sueca, Young fechou a loja e se mudou para Estocolmo, onde abriu o Folklore Centrum.

 

Lá, como em Nova York, ele levou uma existência esfarrapada. Em 2014, Young colocou em leilão no Christie os manuscritos de duas canções obscuras de Dylan: “Talking Folklore Center”, sobre o antigo estabelecimento da Macdougal Street e “Go Away You Bomb”, sobre desarmamento nuclear. Ambos não cumpriram o preço de reserva e não foram vendidos.

 

O Folklore Centrum permaneceu aberto e ativo por mais de quatro décadas; Young estava apresentando shows lá até a primavera de 2018. Mas, em novembro, o centro anunciou que seria fechado no final do mês “devido à idade de Izzy”.

 

O anúncio dizia que a filha de Young, Grandin, atriz sueca, “passou os últimos meses catalogando e empacotando a vasta biblioteca de folclore de Izzy” e esperava vendê-la “como uma coleção para todas as partes interessadas”.

 

“É triste fechar o lugar”, disse Grandin na época, “mas foi um passeio bonito e é tão bom ver todo o amor e música que Izzy ainda está cercado”.

 

Young foi o tema de um documentário, “Izzy Young: Talking Folklore Center” (1989), dirigido por Jim Downing. Seu cantar para fora! colunas e outros artigos foram antologizados em “A Consciência do Renascimento Popular: Os Escritos de Israel ‘Izzy’ Young” (2013), editado por Scott Barretta.

 

Talvez a conquista mais memorável de Young tenha sido a apresentação do primeiro concerto de Dylan em Nova York, no Carnegie Chapter Hall – um espaço de cerca de 200 lugares acima do que é hoje o Weill Recital Hall, na West 57th Street – em 4 de novembro de 1961. O programa incluiu “Massacre de 1913”, de Woody Guthrie, e “Freight Train Blues”, de Roy Acuff.

 

Embora o show agora seja considerado um marco, Young, que cobrava US $ 2 por ingresso, perdeu dinheiro.

 

“Havia apenas 53 pessoas lá”, disse ele a um entrevistador em 2004. “Agora, 3.000 pessoas se lembram bem”.

Izzy Young faleceu em sua casa em Estocolmo em 4 de fevereiro de 2019. Ele tinha 90 anos.

(Fonte: Veja, 13 de fevereiro de 2019 – ANO 52 – N° 7 – Edição 2621 – DATAS – Pág: 24)

(Fonte: The New York Times Company – TRIBUTO / MEMÓRIA / Por Margalit Fox – Feb. 5, 2019)

Powered by Rock Convert
Share.