Henry Sobel, rabino emérito da Congregação Israelita Paulista (CIP), teve trajetória também marcada pelo diálogo com as demais religiões

0
Powered by Rock Convert

Rabino Henry Sobel foi símbolo da defesa dos direitos humanos no Brasil

 

Rabino emérito da Congregação Israelita Paulista (CIP), ele se destacou como uma voz firme em defesa dos direitos humanos.

 

Henri Sobel em São Paulo, em foto de outubro de 1975 — Foto: Oswaldo Jurno/Estadão Conteúdo/Arquivo

 

Rabino se destacou pela defesa dos direitos humanos desde a ditadura militar

 

 

Henry Sobel (Lisboa, Portugal, 9 de janeiro de 1944 – Miami, 22 de novembro de 2019), rabino emérito da Congregação Israelita Paulista (CIP), teve trajetória também marcada pelo diálogo com as demais religiões.

 

Rabino destacou-se como uma “voz firme em defesa dos direitos humanos no Brasil”, teve forte atuação na ditadura militar pelo esclarecimento da morte de Vladimir Herzog, não aceitando a versão oficial de que o jornalista teria cometido suicídio e autorizando que o ex-diretor da TV Cultura fosse sepultado no Cemitério Israelita do Butantan, seguindo os ritos judaicos.

 

Junto a D. Paulo Evaristo Arns e ao reverendo James Wright, Sobel celebrou um ofício inter-religioso em homenagem ao jornalista, de origem judia, em 23 de outubro de 1975, na Catedral da Sé. A celebração reuniu cerca de oito mil pessoas e foi considerada uma manifestação importante para a derrubada da ditadura.

 

Powered by Rock Convert

Nascido em Lisboa, sua mãe belga e seu pai polonês chegaram a Portugal fugindo da perseguição nazista durante a 2.ª Guerra Mundial. Ainda na primeira infância, a família de Sobel se estabeleceu em Nova York, onde ele se formou rabino.

A partir de 1970, depois de se formar, ele se radicou no Brasil, onde permaneceu por mais de quatro décadas.

Defesa dos direitos humanos

Nos seus primeiros anos no Brasil, Sobel era visto como uma autoridade religiosa: dava entrevistas para explicar elementos do judaísmo, fazia cerimônias às vítimas do nazismo, entre outras atividades.

Sobel, no entanto, se tornou também uma autoridade e uma voz firme em defesa dos direitos humanos no país durante a ditadura militar.

Ele teve destaque na luta pelo esclarecimento da morte do jornalista Vladimir Herzog, também de origem judaica, ocorrida quando este ficou detido pelos órgãos de repressão da ditadura, em São Paulo, em 1975.

Na ocasião, Sobel se recusou a enterrar Herzog na ala dos suicidas do cemitério israelita, por rejeitar a versão oficial acerca das circunstâncias da morte. O rabino também se juntou a líderes de diferentes religiões num ato ecumênico em homenagem a Herzog, em 31 de outubro de 1975, na Praça da Sé, uma semana depois de seu assassinato. Além de Sobel, estavam presentes o católico Dom Paulo Evaristo Arns e o presbiteriano Jaime Wright.

“Com todas as manchas, eu vi, com meus olhos, foi esta visão que eu levei para a frente quando conversei com três militares e também no culto ecumênico, ecoando as palavras do cardeal de São Paulo. A coragem foi de Dom Paulo. Não minha. Dom Paulo disse ele foi morto, ele foi assassinado. Eu disse ‘eu concordo com o senhor’”, lembrou Henry Sobel, em entrevista a Serginho Groisman.

“Foi um momento muito triste na nossa história –eu me refiro ao Brasil e a mim”, completou.

Rabino emérito da Congregação Israelita Paulista (CIP), ele casou-se com Amanda Sobel e, em 1983, os dois tiveram uma filha, Alisha Sobel.

“O que mais amo em São Paulo é ver pessoas das mais diversas origens, tantas nacionalidades diferentes, tantos credos diferentes”, declarou Sobel.

Mesmo tendo morado no Brasil por bastante tempo, o rabino sempre falou um português com sotaque americano e era conhecido, também, por isso.

 

Quando alguém comentava sobre sua pronúncia, Sobel brincava, dizendo que falava daquela forma por ter nascido em Portugal, segundo narra o jornalista Caio Blinder em seu livro “Terras prometidas”.

“Serei honesto: podia ficar nos EUA. Mas não quis ser mais um entre muitos rabinos norte-americanos, servindo entre muitas congregações. Aqui, pensei, teria condições de criar algo genuinamente meu. Ser um pioneiro, um arquiteto do judaísmo segundo minha maneira de encarar o judaísmo”, disse a Blinder.

Ele chamava essa forma de interpretar a religião de “judaísmo interrogativo”. Para Blinder, Sobel resumiu a vertente da seguinte forma: “É necessário perguntar, estudar, formular dúvidas e procurar a resposta com o judaísmo”.

Amizade com Dom Paulo

Sobel e Dom Paulo passaram a aparecer em conjunto em outros momentos em que era convocada a participação institucional de líderes religiosos, em ocasiões como a Páscoa.

Em 1978, os dois redigiram juntos uma nota que condenava a invasão de Israel ao Líbano.

“Como há dois dias, protestamos contra a violência de um ataque palestino que ceifou vidas de inocentes em Israel, hoje lançamos, com a mesma veemência, o protesto contra os ataques de Israel que custaram vidas tão preciosas no Líbano”, escreveram os dois, de acordo com uma reportagem da “Folha de S.Paulo” do dia 17 de março de 1978.

Quando Dom Paulo morreu, em dezembro de 2016, Sobel falou ao jornal “O Estado de S. Paulo”:

“Dom Paulo era meu amigo. Passamos momentos incríveis juntos. Ele era um grande liberal: um discípulo e descendente dos profetas de Israel. Sentirei a sua falta. A igreja, a Sinagoga, o Mundo está de luto.”

Gravatas

 

Em 2007, o envolvimento em um furto de gravatas de grife em uma loja em Palm Beach (EUA) levou ao seu afastamento da Congregação Israelita Paulista (CIP). Na época, ele atribuiu o episódio a uma doença psicológica e ao efeito de remédios para depressão. Posteriormente, ele afirmou que não poderia atribuir o ocorrido a “fatores externos” e que cometeu um “erro”.

“Desde jovem, fui um intolerante comigo. E o autojulgamento sempre foi severo demais. Mas o rabino é humano, portanto, falível”, disse.

Outas polêmicas

 

Ele se envolveu em polêmicas ligadas à religião: em 2006, o então deputado federal Clodovil Hernandez acusou os judeus de manipularem o Holocausto.

Ao comentar, Sobel falou dele mesmo na terceira pessoa: “Se ele falou isso, o rabino Henry Sobel declara que ele vai apanhar”, disse.

“A declaração do deputado eleito é uma provocação, é uma ofensa, reflete ignorância histórica. Certamente não vai ficar sem resposta. A comunidade judaica vai tomar todas as providências que cabem”, afirmou.

Sobel também chegou a defender a pena de morte após o assassinato de Liana Friedenbach e Felipe Caffé por Roberto Aparecido Alves Cardoso, conhecido como Champinha, em 2003. Depois, Sobel voltou atrás e disse que a defesa havia sido “uma reação emocional”.

Em 2004, ele criticou o filme “A Paixão de Cristo”, de Mel Gibson, pela caracterização dos judeus: “Fiquei repugnado com a falta de fundamentação histórica, a subjetividade de Gibson e a violência do início ao fim. Anti-semitas podem usar o filme para recriar a ficção que justifique o preconceito contra os judeus”.

Conciliador

Ele também atuou para desarmar um momento potencialmente constrangedor. Em março de 2002, Henry Kissinger, o ex-secretário de Estado dos EUA durante o governo de Richard Nixon, ia receber uma homenagem do governo de São Paulo.
Grupos de esquerda ameaçaram fazer protestos se Kissinger recebesse uma medalha do governo estadual.
Sobel, em nome da comunidade judaica, entrou no circuito para explicar ao americano qual era a situação no Brasil, e Kissinger, que também é judeu, cancelou a vinda.
“Falei muitas vezes com ele pelo telefone e deixei claro o que acontecia nos bastidores, e ele foi sensível a isso. Foi a nossa forma de evitar problemas e constrangimentos para ele e para nós”, disse Sobel ao “New York Times”, na ocasião.

O rabino escreveu a autobiografia Um Homem. Um Rabino, lançada em 2008 pela Ediouro.

Também teve parte da trajetória narrada no documentário A história do homem Henry Sobel, do diretor André Bushatsky, de 2014.

 Henry Sobel faleceu em 22 de novembro de 2019, em Miami (EUA), aos 75 anos. Sobel morreu em decorrência de complicações causadas por um câncer.

(Fonte: https://www.terra.com.br/noticias/brasil/cidades – NOTÍCIAS / BRASIL / CIDADES – 22/11/2019)

(Fonte: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2019/11/22 – MUNDO / NOTÍCIA / Por G1 – 22/11/2019)

(Fonte: Zero Hora – ANO 56 – N° 19.565 – 25 de NOVEMBRO de 2019 – TRIBUTO / MEMÓRIA – Pág: 42)

Powered by Rock Convert
Share.