Gian Carlo Menotti, compositor de óperas italiano, recebeu prêmios Pulitzer, nos EUA, por suas óperas “The Consul” e “The Saint of Bleecker Street”

0
Powered by Rock Convert

MÚSICA: Compositor italiano conhecido por óperas melodiosas e teatrais eficazes que fundaram o festival Spoleto

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Gian Carlo Menotti (Cadegliano-Viconago, 7 de julho de 1911 – Montecarlo, Mônaco, 1º de fevereiro de 2007), compositor italiano, era versátil em teatro musical, com um respeito duradouro pelo poder expressivo da voz humana. Ele pretendia alcançar um grande público – sobretudo com Amahl e os Visitantes da Noite, escritos para os telespectadores de Natal. As mais bem sucedidas de suas 22 óperas foram executadas com uma frequência desconhecida pela maioria dos compositores durante suas vidas.

Em 1957, depois de três décadas vivendo nos EUA, ele retornou à Itália para fundar um prestigiado festival de artes em Spoleto. Ele também dirigiu óperas de outros compositores em todo o mundo, mas acabou se arrependendo dessa distração de escrever suas próprias obras.
Enquanto ele estava infeliz até o final de sua vida, muitos na Itália o associaram sobretudo a Spoleto, nos EUA ele era frequentemente mencionado como o único sucessor de Puccini. Ele foi respeitado pela maioria dos compositores americanos de suas gerações e subsequentes, que sustentavam que seus sucessos ajudaram a música americana contemporânea a sobreviver após a Segunda Guerra Mundial.
Um dos oito irmãos e irmãs, Menotti nasceu em uma família abastada de Cadegliano, no lago Lugano, na Lombardia. Sua mãe pianista o matriculou no Conservatório de Milão, e o grande maestro Arturo Toscanini, amigo da família, recomendou que enviassem o jovem de 16 anos para estudar nos EUA. Um de seus primeiros amigos americanos no Instituto Curtis, na Filadélfia, foi colega e futuro compositor Samuel Barber, um ano mais velho. Os dois viveram, viajaram e trabalharam juntos até a morte de Barber, em 1981.
Gian Carlo Menotti, compositor, nasceu em 7 de julho de 1911, foi aluno, entre outros, do compositor americano Samuel Barber.
No início dos anos 30, escreveu sua primeira ópera, Amelia al Ballo, que foi bem recebida em Nova York, e a Metropolitan Opera o levou para a próxima temporada.
Em 1937, Menotti teve sua primeira composição importante executada. A história em quadrinhos de um ato Amelia Goes to the Ball foi bem recebida em Nova York, e a Metropolitan Opera o levou para a próxima temporada. Então o rádio da NBC encomendou uma ópera dele, The Old Maid and the Thief (1939).
Durante a segunda guerra mundial, Menotti ficou nos EUA, embora tenha mantido a cidadania italiana por toda a sua vida. Em 1946, veio a bem-sucedida ópera cômica de um ato, The Telephone, que se tornou uma cortina de cortina para The Medium, estreou na Universidade de Columbia no mesmo ano – seu primeiro trabalho a ganhar grande reconhecimento americano e, posteriormente, internacional.
O médium, que Menotti afirmou ter sido inspirado por experiências pessoais de espiritualismo, ofereceu um grande papel dramático a um contralto como o falso médium Madame Flora, cantada pela primeira vez por Marie Powers, que também apareceu na versão cinematográfica que Menotti se dirigiu em 1951 em Roma.
O cônsul (1950) e a rua Saint of Bleecker (1954), que lhe renderam prêmios Pulitzer e sucesso popular, conseguiram casar o melodrama italiano com o musical da Broadway. Ele escreveu os libretos para as duas óperas e dirigia com freqüência a encenação. Às vezes, ele foi criticado por deixar a melodia sufocar a qualidade musical, mas ninguém contestou a teatralidade altamente eficaz de ambas as obras, que podem muito bem premiar um lugar ao lado de Porgy e Bess, Peter Grimes e West Side Story entre os grandes “dramas musicais” de o século.
O cônsul era muito atual na década de 1950, com sua localização em um estado policial europeu (sem nome), onde uma mulher passa horas angustiadas em um consulado buscando obter um visto para ela e seu marido, um militante dissidente. A partitura variegada tem ecos tanto de Bartok quanto de Puccini, mas os três atos são talvez falhos por interpolações cruéis como os sonhos de liberdade da mulher. O drama é enfraquecido pela ausência de um verdadeiro vilão. O próprio cônsul nunca aparece e, embora o chefe de polícia faça uma aparição assustadora, ele não consegue – ao contrário dos Scarpia de Puccini – uma ária boa.
A rua Saint of Bleecker está ainda mais mergulhada nas raízes italianas de Menotti, incluindo aquelas que ele encontrou entre italianos na Filadélfia e mais tarde em Greenwich Village, Nova York, onde a colorida procissão em homenagem ao napolitano São Januário deixou uma impressão cética duradoura mente do norte da Itália, aumentando suas dúvidas religiosas. Ele deu forte expressão musical aos personagens da não crente Michele e sua irmã Annina, para quem ele exibe proteção incestuamente angular quando ela revela estigma inexplicável em suas mãos, inspirando veneração pelas multidões da Pequena Itália.
No período seguinte a esses sucessos, Menotti começou a se sentir inquieto na América, mesmo que não faltasse ao trabalho. Sua música não era apenas teatral: obras de concerto, balé e peças infantis foram amplamente apreciadas, e a comissão da NBC para Amahl e os Visitantes Noturnos (1951) criou seu trabalho mais realizado.
Para Bruxelas, ele finalmente completou Maria Golovin (1958) e para Paris, Le Dernier Sauvage (1963). Enquanto isso, Barber, com quem ele fez um pacto de sangue quando eram estudantes na adolescência na Filadélfia de que nunca faria uma ópera juntos, o convenceu a escrever o libreto para a compositora americana Vanessa, apresentada pela primeira vez em 1958.
No entanto, Menotti também queria o prazer de criar um festival onde ele e seus amigos pudessem apresentar seus trabalhos e os dos artistas que admiravam. Ele estava determinado a não chegar aos 50 anos ainda pensando que a arte era, como ele dizia, “apenas um licor nos jantares dos ricos”. Depois de explorar o local, instalou-se em Spoleto, uma das cidades medievais mais bem conservadas da Úmbria, com teatros que precisavam apenas de restauração.
O evento inaugural, uma produção de Macbeth de Verdi, conduzida por Thomas Schippers (1930-1977) e dirigida por Luchino Visconti, recebeu uma atenção da mídia italiana e internacional após a noite de abertura em 5 de junho de 1958. O status de culto se seguiu e o festival de Menotti passou a ser considerado o Edimburgo do sul.
 Ele ficou feliz em apresentar novos talentos, mas quando os famosos vieram a Spoleto, de John Gielgud, Nureyev e Fonteyn a Pavarotti, ele os convenceu a fazer isso por taxas simbólicas. Poetas célebres passaram a ler seus versos, entre eles Spender, Yevtushenko, Pasolini e Ginsberg. Nos últimos anos, Ezra Pound, embora praticamente mudo, compareceu ao festival duas vezes, em 1965, para assistir a uma performance de sua composição musical Le Testament, com palavras de François Villon, e um ano depois, quando encontrou forças para murmure alguns de seus versos durante um recital de Gregory Corso e outros poetas de Beat. A dança ganhou lugar de destaque desde o início, e a presença de Jerome Robbins com sua companhia nos primeiros anos ajudou os italianos a descobrir a dança moderna.
O festival se tornou uma vitrine para novas tendências no teatro, europeu e americano. Tanto Tennessee Williams quanto Edward Albee experimentaram novas peças lá e algumas das principais empresas off-Broadway fizeram suas estreias na Europa em Spoleto. Os desenhos de artistas famosos para os pôsteres do festival, como os de Richard Lindner, Ben Shahn, David Hockney e Willem De Kooning, tornaram-se itens de colecionador.
Em 1962, uma exposição de escultura moderna, decorada com bom gosto e iluminada nas praças e becos medievais da cidade, foi uma ideia inspirada. Várias peças, incluindo uma de Henry Moore, que desenhou os cenários para a produção de Don Giovanni por Menotti em 1968, permaneceram como parte do cenário natural de Spoleto.
Inevitavelmente, os muitos meses necessários todos os anos para a organização do festival tornaram-se cada vez mais um sacrifício para Menotti, mesmo que ele contratasse diretores artísticos de grande prestígio para ajudá-lo. Os problemas começaram quando milionários americanos e políticos italianos começaram a perder o interesse. Ele pagou um preço em termos de sua própria carreira como compositor. Embora tivesse inaugurado o quarto festival com a Vanessa Barber-Menotti, ele não apresentou uma de suas próprias composições até o 11º festival, a rua Saint of Bleecker. Ele também realizou excelentes avivamentos de seus sucessos consagrados e de algumas de suas óperas posteriores, como La Loca (1979), sobre a rainha espanhola Juana e Goya (1986).
Durante o apogeu do patrocínio americano, o festival se duplicou em Charleston, Carolina do Sul, e houve até uma passagem em Melbourne, mas Menotti nunca realizou sua ameaça de transferi-lo para outro lugar na Itália, mesmo quando atormentado por disputas com autoridades locais ou um crescente cansaço na cobertura da mídia. Ele entregou a administração a Francis, seu filho adotivo, conhecido como “Chip”, que ele conhecera quando jovem ator interpretou o mudo Toby em uma produção de The Medium.
Menotti Junior teve dificuldade em conquistar a confiança ou simpatia de Spoleto, e o Menotti mais velho continuou a ser uma presença e influência carismática vital em todos os festivais. No entanto, no 49º festival do ano passado, Gian Carlo não estava presente nas comemorações habituais de seu aniversário. Há alguns anos, ele estabeleceu uma casa em Yester House, East Lothian, onde Francis mora com sua família.
O compositor de óperas italiano Gian Carlo Menotti recebeu prêmios Pulitzer, nos Estados Unidos, por suas óperas “The Consul” e “The Saint of Bleecker Street”.
Menotti, que também produziu espetáculos para a TV e compôs músicas para orquestras e balés (além de ter escrito os libretos de suas óperas), tornou-se cidadão dos EUA em 1984, embora desde muito antes já se apresentasse como “ítalo-americano”.
“Ele apresentou a ópera a toda uma geração de americanos”, disse sobre Menotti o administrador do Metropolitan Opera de Nova York, Peter Gelb.
Em 1976, o jornal “The New York Times” afirmou que o compositor era o o autor de óperas mais executado nos EUA.
Menotti faleceu em Montecarlo, num hospital de Mônaco, em 1º de fevereiro de 2007, aos 95 anos.
(Fonte: https://www.theguardian.com/news/2007/feb/03 – NOTÍCIAS / Música Clássica / MÚSICA / Por John Francis Lane – 3 fev 2007)
© 2020 Guardian News & Media Limited ou suas empresas afiliadas. Todos os direitos reservados.
(Fonte: https://cultura.estadao.com.br/noticias/musica – CULTURA / NOTÍCIAS / MÚSICA / Por Agência Estado – 1 de fev. de 2007)
(Fonte: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrada – FOLHA DE S.PAULO / ILUSTRADA – São Paulo, 3 de fevereiro de 2007)
Copyright Empresa Folha da Manhã S/A. Todos os direitos reservados.
Powered by Rock Convert
Share.