Gerson Camata, ex-governador do Espírito Santo, foi o primeiro governador democraticamente eleito depois da Ditadura Militar, no período de reabertura política

0
Powered by Rock Convert

Gerson Camata, ex-governador do Espírito Santo

 

 

 

Gerson Camata (Castelo, no sul do Espírito Santo, em 29 de junho de 1941 – Praia do Canto, em Vitória, 26 de dezembro de 2018), jornalista e ex-governador do Espírito Santo.

 

 

oexploradorPowered by Rock Convert

Camata foi governador do Espírito Santo entre 1982 e 1986, exerceu três mandatos como senador, de 1987 até 2011. Ele ainda foi vereador de Vitória, deputado estadual e deputado federal.

 

Biografia

 

 

Gerson Camata nasceu em Castelo, no sul do Espírito Santo, em junho de 1941. Começou a vida profissional como jornalista e apresentador no programa Ronda Da Cidade, na Rádio Cidade de Vitória. Era formado em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Vitória.

 

Camata começou na vida pública como vereador da capital do Espírito Santo em 1967, no mandato seguinte, em 1971, foi eleito Deputado Estadual. Foi Deputado Federal por dois mandatos, de 1975 a 1983, governador do Espírito Santo em 1983 e foi por três vezes senador pelo estado, de 1987 até 2011.

Camata foi o primeiro governador democraticamente eleito depois da Ditadura Militar, no período de reabertura política.

Gerson é casado com Rita Camata, ex-deputada federal.

 

Gerson Camata foi assassinado na tarde de 26 de dezembro de 2018, na Praia do Canto, em Vitória, aos 77 anos. O crime ocorreu em frente a um restaurante. Segundo a polícia, o ex-governador foi morto com um tiro no ombro depois de uma discussão com um ex-assessor, causada por uma ação judicial movida por Camata contra ele. Marcos Venício Andrade, ex-assessor de Camata, confessou o crime e foi preso.

O Samu chegou a ser acionado, mas o ex-governador morreu no local. Segundo a polícia, o autor dos disparos fugiu após cometer o crime, mas foi preso logo depois e prestou esclarecimentos no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). A arma usada não tinha registro e foi apreendida.

De acordo com o Secretário Estadual de Segurança Pública, Nylton Rodrigues, o suspeito foi preso e declarou, em depoimento, que a motivação foi uma ação judicial movida contra ele por Camata, que resultou no bloqueio de R$ 60 mil de sua conta bancária.

“Na tarde de hoje, o assessor foi tirar satisfação ao encontrar Gerson Camata na rua, na calçada, próximo a uma banca de revista e a uma padaria. Neste encontro, iniciou uma discussão verbal, onde o assessor sacou a arma e efetuou o disparo contra o ex-governador”, explica Rodrigues.

Suspeito e vítima tinham relação conflituosa

Marcos Andrade trabalhou como assessor de Gerson Camata por quase 20 anos. Em 2009, contudo, a relação entre eles ficou comprometida quando Marcos denunciou um suposto crime de caixa 2 cometido por Camata ao jornal “O Globo”.

Em entrevista, Marcos afirmou que Camata recebia mesadas de empreiteiras, apresentava recibos falsos de contas eleitorais e obrigava funcionários a pagar, com salários do Senado, suas despesas pessoais.

Gerson Camata negou as acusações à época. Ele afirmava que Marcos sofria de problemas psicológicos e que suas acusações não deveriam ser levadas em consideração.

O processo continua ativo na Justiça do Espírito Santo.

Depois de ser baleado, Camata ficou caído na calçada. A família esteve no local do crime. Depois da perícia da Polícia Civil, o corpo foi levado ao Departamento Médico Legal (DML) de Vitória e liberado no fim da noite. O velório ocorreu no Palácio Anchieta, sede do governo capixaba.

(Fonte: https://g1.globo.com/es/espirito-santo/noticia/2018/12/26 – ESPIRITO SANTO / NOTÍCIA / Por André Rodrigues e Luiza Marcondes, G1 ES – 
(Fonte: https://veja.abril.com.br/politica – POLÍTICA / Por Diego Freire, Meire Kusumoto – 26 dez 2018)
Powered by Rock Convert
Share.