Gerardo D’Ambrosio, ficou conhecido na Itália pela participação na “Operação Mãos Limpas”, a qual investigou casos de corrupção durante a década de 1990 envolvendo os principais partidos políticos do país, ministros, senadores, empresários e ex-chefes de Governo

0
Powered by Rock Convert

Ex-procurador italiano

 

D’Ambrosio ficou conhecido pela “Operação Mãos Limpas”

 

Gerardo D’Ambrosio (Foto: Mauro Scrobogna / LaPresse / 10-25-2012 / Roma)

 

Gerardo D’Ambrosio (Santa Maria a Vico, Itália, 29 de novembro de 1930 – Milão, 30 de março de 2014), político e ex-procurador-geral de Milão.

 

 

Gerardo D’Ambrosio foi um magistrado histórico do Ministério Público de Milão, que também liderou e é o protagonista da investigação das Mãos Limpas, nasceu em Santa Maria a Vico (Caserta) em 29 de novembro de 1930, formou-se na escola clássica e formou-se em direito em direito em Nápoles com uma tese em direito administrativo, chegou ao Judiciário em 1957 e chegou a Milão pouco depois.

 

Seu nome e a história do tribunal milanês estão indissoluvelmente ligados: ele lida com a investigação do massacre da Piazza Fontana e a morte do anarquista Giuseppe Pinelli. Em 1981 assumiu o cargo de vice-promotor público e lidou com os primeiros julgamentos por terrorismo, bem como as investigações preliminares sobre a falência do Banco Ambrosiano, que viu Roberto Calvi entre os réus (encontrado morto em Londres em 1982).

 

 

Alguns anos depois, em 1989, foi nomeado Procurador Adjunto de Milão, onde dirigiu primeiro o departamento de crime organizado e depois o crime contra a administração pública. Desde 1992, ele está entre os protagonistas (juntamente com Francesco Saverio BorrelliAntonio Di PietroPiercamillo Davigo e Gherardo Colombo) do grupo que lida com a questão das Mãos Limpas. Nos anos de Tangentopoli, os olhos de todo o país estão focados no tribunal de Milão.

 

 

Powered by Rock Convert

Em 1999 foi nomeado Procurador-Geral do Ministério Público de Milão, em 2002, partiu para os limites de idade mas continuou a sua aventura no campo da política: por ocasião das eleições de 2006 aceitou a candidatura proposta pelos democratas de esquerda, de assento no Senado, resultando eleito na região da Lombardia. Ele também foi membro do II Comitê Permanente (Justiça) do Senado. Nas eleições de 2008, ele foi confirmado como senador do PD.

Formou-se no colegial clássico e formou-se com honras em direito em Nápoles em 1952 com uma tese de direito administrativo. Em 1953 ele se tornou um advogado, entrou no Judiciário em 1957. Após uma breve estada no Ministério Público no Tribunal de Nola, ele foi designado para o Tribunal de Voghera. Mais tarde, foi transferido para o Tribunal de Milão, primeiro como magistrado civil (por cinco anos), depois como juiz de investigação criminal.

 

Ele ficou conhecido na Itália pela participação na “Operação Mãos Limpas”, a qual investigou casos de corrupção durante a década de 1990 envolvendo os principais partidos políticos do país, ministros, senadores, empresários e ex-chefes de Governo.

 

A “Operação Mãos Limpas” levou ao fim a chamada Primeira República Italiana e ao desaparecimento de várias legendas políticas.

 

Em 1981, ele foi designado para o Ministério Público de Milão , atuando como Procurador Geral Adjunto por oito anos. Neste período, ele apoiou a acusação nos primeiros julgamentos de terrorismo e no processo após o escândalo do petróleo. Ele também realizou investigações preliminares sobre o ilícito Banco Ambrosiano, que viu Roberto Calvi entre os outros réus. Em 1989, foi nomeado procurador adjunto de Milão e primeiro dirigiu o Departamento de Crime Organizado e, desde 1991, o de crimes contra a administração pública.

 

Desde 1992 ele está entre os protagonistas (junto com Francesco Saverio Borrelli, Antonio Di Pietro, Piercamillo Davigo e Gherardo Colombo) do Pool que lida com a investigação das mãos limpas: estes são os anos de Tangentopoli, que lhe dá grande fama. Em 1999, foi nomeado procurador-geral do Ministério Público de Milão, contribuindo para a reorganização dos Gabinetes, exigida pela introdução do juiz único.

 

Gerardo D’Ambrosio faleceu em Milão, aos 83 anos, em 30 de março de 2014.

O ex-senador, hospitalizado por dois dias no departamento de emergência do Policlínico de Milão por uma insuficiência cardiorrespiratória muito grave, morreu no domingo à tarde, depois que sua condição piorou repentinamente. No início dos anos 90, ele havia passado por um transplante de coração.

(Fonte: http://ansabrasil.com.br/brasil/noticias/italia/noticias/2014/03/30 – BRASIL / NOTÍCIAS / ITÁLIA – 30/03/2014)

(Fonte: https://www.ilfattoquotidiano.it/2014/03/30 – il Fatto Quotidiano – CRÔNICA – 30 DE MARÇO DE 2014)

Powered by Rock Convert
Share.