Freddie Young, venceu o Oscar de melhor fotografia em três ocasiões: por Lawrence da Arábia, Doutor Jivago e Filha de Ryan

0
Powered by Rock Convert

Operador de câmara para Hitchcock e David Lean

 

Freddie Young (Londres, 9 de outubro de 1902 – Londres, 1° de dezembro de 1998), foi um diretor de fotografia britânico. Venceu o Oscar de melhor fotografia em três ocasiões: por Lawrence da Arábia, Doutor Jivago e Filha de Ryan.

 

Foi um dos cineastas mais respeitados do mundo, cujo trabalho incluiu uma elaborada série de dissoluções para a montagem que abre “Blackmail” de Alfred Hitchcock, o primeiro talkie da Grã-Bretanha e o famoso filme de três minutos de Lawrence da Arábia, de David Lean, em que Omar Sharif lentamente emerge da névoa do deserto.

 

Em sua longa e distinta carreira, Freddie Young tinha a reputação de ser um profissional consumado, um artesão que se esforçava para recriar a simplicidade da vida real no cinema e que acreditava que o cinema era um esforço colaborativo em que seu trabalho era servir e melhorar, se possível, a visão do diretor. Seus talentos eram bem reconhecidos: indicado várias vezes para o Oscar de direção cinematográfica, ele ganhou um Oscar três vezes: por “Lawrence of Arabia” (1962), “Dr. Zhivago ” (1965) e ” Ryan’s Daughter ” (1970), todos dirigidos por Lean.

 

 

 

 

Lawrence foi lançado em 1962 e foi o começo de três filmes de 65mm com Lean, ganhando três Oscars. (Foto: British Cinematographer / DIREITOS RESERVADOS)

 

 

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Young nasceu em Londres em outubro de 1902, o sétimo de oito filhos. Sua família era pobre, então ele deixou a escola aos 14 anos para trabalhar em uma fábrica de munição, ajudando a fabricar granadas de mão. Mas ele odiava isso, e – inspirado por frequentes viagens ao cinema com seu irmão Bill – bateu na porta do Gaumont Studios, um estúdio de Londres agora extinto, e foi contratado para trabalhar no laboratório de filmes. Ele rapidamente avançou para o gerente do laboratório. Quando o estúdio fechou, ele se juntou à British and Dominions, a empresa de filmes dirigida por Herbert Wilcox (1890-1977).

 

Ansioso para fazer qualquer coisa, ele ocasionalmente trabalhou como um dublê em filmes como “Rob Roy” (1922), em que ele mergulhou de uma parede do castelo de 50 pés, e “Triumph of the Rat” (1926), onde ele foi o dublê do ator Ivor Novello (1893-1951), arremessando-se no trânsito de Paris. Na década de 1930, ele foi chefe de câmera para muitos filmes de Wilcox, incluindo “The Blue Danube” (1932) e “Goodbye Mr. Chips” (1939).

 

Depois de passar a Segunda Guerra Mundial fazendo filmes para a Unidade de Cinema do Exército, Freddie Young tornou-se chefe de câmera do braço britânico da MGM, trabalhando com diretores como John Ford, King Vidor e George Cukor. Ele conheceu Lean, para o que seria uma colaboração longa e frutífera, quando os dois trabalharam juntos em “Major Barbara” (1941), a versão cinematográfica da peça de Shaw. Mas o relacionamento nem sempre foi fácil: depois de um comando particularmente severo de Lean, Freddie Young olhou-o friamente e disse: “Não ensine sua avó a chupar ovos”.

 

Embora Young tendesse a resmungar que Lean nunca lhe deu crédito suficiente, alguns anos mais tarde o diretor escreveu-lhe lisonjeiramente sobre o trabalho deles em conjunto. “Na maior parte do tempo, vou dar um esquema, brincar com os objetos, conversar com os atores e ir tomar uma xícara de chá”, disse Lean. “Eu sei um pouco sobre lentes, considero-me bastante inteligente com relação à composição e, em um piscar de olhos, faço uma sugestão ou pequenas críticas sobre a iluminação, mas no geral você é um homem solitário deixado por conta própria”.

 

O sempre enérgico Freddie Young trabalhou até tarde em sua vida, e saiu da aposentadoria aos 82 anos para dirigir “Arthur’s Hallowed Ground” para a televisão. Mas principalmente ele passou seus últimos anos pintando, o que ele adorava. “Estou criando imagens com um pincel com ninguém para interferir no meu trabalho”, escreveu em sua autobiografia, “Seventy Light Years: A Life in Movies”, que foi publicado na Inglaterra pela Faber & Faber em 1999. “É maravilhoso”.

Freddie Young morreu em 1° de dezembro. Ele tinha 96 anos.

(Fonte: The New York Times Company – ARTES / Por SARAH LYALL – DEC. 5, 1998)

Powered by Rock Convert
Share.