Foi um dos primeiros coreógrafos a tecer a experiência afro-americana no tecido da dança moderna e o primeiro negro a dirigir e coreografar um musical da Broadway

0
Powered by Rock Convert

Donald McKayle, coreógrafo da Broadway e da dança moderna

 

Donald McKayle em 1956. Foi o primeiro negro a coreografar e dirigir um musical da Broadway (“Raisin”). (Crédito: Donald McKayle)

Donald McKayle (Manhattan em 6 de julho de 1930 – Irvine, Califórnia, 6 de abril de 2018), era um dos primeiros coreógrafos a tecer a experiência afro-americana no tecido da dança moderna e o primeiro negro a dirigir e coreografar um musical da Broadway (“Raisin”).

 

Ele foi professor de dança na Universidade da Califórnia, Irvine, por quase 30 anos.

Donald McKayle trabalhava na Broadway por mais de duas décadas quando alcançou seu triunfo com “Raisin”, um musical baseado em “A Raisin in the Sun”, o drama clássico de Lorraine Hansberry (1930–1965) sobre uma família negra lutando contra a perda, mudança e identidade em Chicago da metade do século.

Clive Barnes, em sua resenha da produção no New York Times, sugeriu que o musical era ainda mais evocativo do que a peça e comparou McKayle ao famoso coreógrafo Jerome Robbins.

 

“Donald McKayle chega ao teatro musical como coreógrafo graduado”, escreveu Barnes, “mas também como Jerome Robbins, sua habilidade com os atores agora deve ser inquestionável”.

O show ganhou o prêmio Tony de 1974 de melhor musical, e McKayle foi indicado por seus dois papéis – como diretor de um elenco liderado por Joe Morton e como coreógrafo.

Não foram suas primeiras indicações ao Tony – a primeira foi para “Golden Boy”, com Sammy Davis Jr., em 1965 – e não seriam as últimas: ele recebeu mais duas, por “Doctor Jazz” em 1975 e por “Soph Sofisticado Senhoras”, que era seu conceito original, em 1981.

Donald McKayle recebeu mais de uma vintena de outros prêmios e bolsas, incluindo um lugar na lista original da Dance Heritage Foundation dos 100 “tesouros insubstituíveis da dança” da América.

Muito antes de seus sucessos na Broadway, entretanto, seu trabalho era bem conhecido no mundo da dança de Nova York; pelo menos duas de suas obras são consideradas clássicos modernos.

Em 1951, quando Donald McKayle tinha apenas a maioridade, “Games” estreou no Hunter College Playhouse (agora Kaye Playhouse). Ele retratava crianças urbanas brincando nas ruas correndo com uma corrente de medo, e se distinguia por ser executado sem qualquer música orquestral: A dança era definida com canções a cappella e cantos associados a jogos infantis.

Quando “Rainbow ‘Round My Shoulder” de McKayle estreou em 1959, poucos amantes da dança de Nova York já tinham visto uma gangue representada no palco antes. Uma fila de homens sem camisa, às vezes de mãos dadas e às vezes entrelaçando os braços, como se estivessem acorrentados, lamentavam sua prisão e sonhavam com as mulheres queridas em suas vidas. Em 2016, quando o trabalho fazia parte da temporada de American Modern Dance de Paul Taylor no Lincoln Center, recebeu o prêmio Bessie de melhor revival.

Donald Cohen McKayle nasceu em Manhattan em 6 de julho de 1930, o mais jovem dos dois filhos de Philip McKayle e da ex-Eva Cohen, ambos nascidos na Jamaica. Quando os filhos eram pequenos, o senhor McKayle mais velho trabalhou como ajudante de comida, por um tempo, em Copacabana; com a aproximação da Segunda Guerra Mundial, ele se tornou mecânico de aviação. A mãe de Donald trabalhou na indústria de roupas e depois voltou para a escola para se tornar assistente médica.

oexploradorPowered by Rock Convert

A dança fazia parte da vida dos McKayles em seu bairro do Harlem, lotado de imigrantes das Índias Ocidentais. Donald se lembrava de ter ido com os pais ao Renaissance Ballroom e visto seu pai fingir que dançava no trabalho, usando almofadas de lã de aço nos pés enquanto esfregava o chão. Mas foi a dança moderna que encantou o jovem.

Um dia, a caminho da igreja, Donald notou um pôster mostrando negros atraentes em roupas exóticas. Era um anúncio de Katherine Dunham e sua companhia, a primeira trupe de dança moderna negra autossustentável do país. Donald prontamente gastou US $ 4,50 por um assento na varanda para ver seu show, “Haitian Roadside”.

Ele logo viu Martha Graham se apresentar, mas não tinha certeza se gostava, ele escreveu em suas memórias “Transcending Boundaries: My Dancing Life” (2002). Mas, ele acrescentou, não conseguia tirar isso da cabeça.

Quando tinha 14 anos, ficou encantado com o primeiro musical que viu, “Finian’s Rainbow”. Mas foi um concerto de dança com Pearl Primus (1919-1994), outra pioneira em apresentar a dança africana e caribenha aos americanos, que selou o acordo. “Quero dançar como ela”, anunciou ele a um amigo naquela noite. E a partir daí ele se considerou um dançarino.

Sem qualquer formação formal, recebe, em 1947, uma bolsa do New Dance Group, empresa que se dedica a promover a transformação social. Três anos depois, ele estava na Broadway, parte do conjunto da revista musical “Bless You All”, com Pearl Bailey como atração principal. (Ele frequentou o City College de Nova York, mas desistiu no segundo ano.)

A carreira de McKayle durou sete décadas. Seu último trabalho, “Crossing the Rubicon: Passing the Point of No Return”, abordou a situação difícil dos imigrantes e foi apresentado no ano passado pelo Etude Ensemble na Universidade da Califórnia, Irvine. Embora tenha se aposentado formalmente da universidade em 2010, ele continuou a ensinar e a trabalhar com o conjunto.

O Sr. McKayle também trabalhou no cinema e na televisão, coreografando filmes como o clássico animado “Bedknobs and Broomsticks” (1971) e o remake de “The Jazz Singer” (1980), estrelado por Neil Diamond, e recebendo uma indicação ao Emmy por “Minstrel Man” (1977). Ele também fez a coreografia para o especial de TV de Marlo Thomas, “Free to Be … You and Me” (1974).

A tela não era seu lugar favorito, entretanto. Quando Norman Lear, o rei da televisão socialmente consciente dos anos 1970, ofereceu-lhe um emprego como diretor de sua mais nova série, “Good Times”, um spinoff de “Maude” estrelado por Esther Rolle (1920-1998), McKayle aceitou, mas hesitantemente. Ele dirigiu três episódios. Depois disso, ele teve que se ausentar por causa de uma doença na família de sua esposa e nunca mais voltou.

Sua última contribuição na Broadway foi para a revista “It Ain’t Nothin ‘but the Blues”, estrelada por Gregory Porter, em 1999.

Além de sua esposa de quase 53 anos, que ele conheceu em Israel quando ela era sua estudante de dança, os sobreviventes do Sr. McKayle incluem duas filhas, Liane McKayle e Gabrielle McKayle, ambas de seu primeiro casamento, com Esta Beck; um filho, Guy.

Em uma entrevista de 2008 para a publicação Backstage, McKayle foi questionado sobre qual seria seu conselho para jovens dançarinos. “Trabalhe em todas as áreas que puder”, sugeriu ele. “Quanto mais cores você tem em sua paleta, mais você tem que trabalhar e mais você pode aspirar.”

Donald McKayle faleceu em 6 de abril de 2018, em um hospital perto de sua casa em Irvine, Califórnia. Ele tinha 87 anos.

(Fonte: https://www.nytimes.com/2018/04/10/arts – New York Times Company / ARTES / De Anita Gates – 10 de abril de 2018)

Powered by Rock Convert
Share.