Flor Silvestre, tornou-se estrela do cinema e da música na Idade de Ouro do cinema mexicano, com mais de 70 anos de carreira na música, cinema e televisão

0
Powered by Rock Convert

A atriz e cantora mexicana Flor Silvestre, tornou-se estrela do cinema e da música na Idade de Ouro do cinema mexicano

 

Artista tinha mais de 70 anos de carreira na música, cinema e televisão

 

 

A atriz e cantora mexicana Flor Silvestre (Foto: Divulgação/IMDB)

 

 

Amada cantora, atriz e matriarca musical mexicana

 

Guillermina Jiménez Chabolla (Salamanca, Guanajuato, 16 de agosto de 1930 – Zacatecas, 25 de novembro de 2020), atriz e cantora mexicana conhecida como Flor Silvestre, presente em mais de 70 obras, entre filmes, séries e novelas.

 

Flor Silvestre tornou-se estrela do cinema e da música na Idade de Ouro do cinema mexicano, e isso foi só o começo.

 

Com mais de 70 anos de carreira na música, cinema e televisão, Flor Silvestre, nasceu Guillermina Jiménez Chabolla, em agosto de 1930 e começou a carreira de atriz em 1950, com o longa Te Besaré en la Boca. Entre os trabalhos mais conhecidos de Flor, estão musicais, que levavam sua fama de cantora para as telonas.

 

Em 1958, lançou seu primeiro disco, justamente chamado Flor Silvestre (1958) e, depois dele, foram mais 28 álbuns, com o mais recente, Soledad: canto a mi amado y a su recuerdo, lançado em 2010.

Nos anais das reformulações do show business, poucos ostentam uma história de origem melhor do que a cantora-atriz mexicana Flor Silvestre.
Presente em mais de 70 obras, entre filmes, séries e novelas, nascida Guillermina Jiménez Chabolla em 1930, ela se mudou aos 13 anos com sua família de Guanajuato para a Cidade do México porque sua mãe queria morar na megalópole. A ingênua rapidamente se estabeleceu como uma novata em salas de concerto e rádios, o que chamou a atenção de produtores e músicos.
Em uma aparição, ela assumiu a personalidade de uma guerreira, uma mulher soldado da Revolução Mexicana celebrizada na história do país como amazonas. Um promotor deu uma olhada no adolescente desengonçado e zombou.
“Você não é um soldado”, disse ele a Chabolla. “Você não é nada como um guerreira. Você é uma flor. ”
Ele a rotulou sumariamente de Flor Silvestre – Flor Silvestre – em homenagem a um popular filme e música da época sobre uma mulher rural cuja beleza conquistou o amor do filho de um fazendeiro.

Provou ser um nome adequado.

 

Silvestre se tornou uma estrela do cinema e cantor durante a Idade de Ouro do cinema mexicano antes de se casar com o ícone da rancheira Antonio Aguilar em 1959. Os dois se tornaram estrelas com suas carreiras separadas, mas se transformaram em uma supernova quando trabalharam juntos em 20 filmes e dezenas de canções que foram exibidas e transmitido até hoje.

 

Antônio Aguilar

Silvestre com seu marido, Antonio Aguilar, durante um show de despedida em 2005. (Crédito: Lawrence K. Ho / Los Angeles Times)

 

Mais importante, Silvestre e Aguilar criaram um rodeiro itinerante que percorreu os Estados Unidos e o México por décadas. Parte revista musical, parte show de cavalos, parte ato de comédia e tudo sobre uma noite saudável para a família, o espetáculo tocado em pequenas cidades no meio-oeste a seis apresentações esgotadas no Madison Square Garden para mexicanos que ansiavam por um gostinho da pátria longe de casa.

 

Ao longo do caminho, Silvestre criou dois filhos, Antonio Jr. e Pepe Aguilar, que lançaram suas próprias carreiras musicais proeminentes e na última década também viram os filhos de Pepe, Leonardo e Ângela, apresentarem o negócio da família a uma nova geração. Naquela época, ela era a personificação da feminilidade mexicana: uma mulher que brilhava sozinha e como igual a seu parceiro, então perfeitamente transitou para o papel de matriarca de uma dinastia do entretenimento.

 

Flor Silvestre foi um potente talento duplo desde o início. No filme, sua persona como uma mulher inocente, mas sem sentido, a viu atuar ao lado de estrelas como Maria Felix, Cantinflas e até mesmo Toshiro Mifune no filme de 1962 indicado ao Oscar “Ánimas Trujano”. Em singles de sucesso como “Mi Destino Fue Quererte” (Meu destino era te amar) e “Gaviota Traidora” (Gaivota traidora), a voz lamuriosa de Silvestre envolveu letras de amor e sua dor e levou ao seu apelido de “La Sentimental” (A Mulher Sentimental).

 

Mas ela não atingiu seu ritmo de verdade até conhecer Antonio Aguilar – e ele da mesma forma.

oexploradorPowered by Rock Convert

 

Eles se conheceram em uma estação de rádio em 1950, ambos casados. Mas um romance floresceu à medida que Aguilar e Silvestre trabalhavam juntos e viam suas carreiras crescerem paralelamente.

 

“A vida dela foi entendida com ele, e a vida dele foi entendida com ela”, disse Pepe Aguilar sobre seus pais em um documentário de 2015 que ele produziu sobre a vida de Silvestre.

 

Os dois juntos eram mágicos, embaixadores de um México de valores familiares e prazeres simples. Na tela, produziram musicais sobre a Revolução Mexicana e campiranas (filmes com ambientação country). Seus duetos balançaram em todos os níveis de amor, informados por sua afeição um pelo outro. Eles personificaram a dor de cabeça em “El Dia de San Juan”, um corrido clássico sobre dois amantes infelizes, tão brilhantemente quanto riram de “Échale Un Cinco al Piano” (Coloque cinco no piano), em que Aguilar e Silvestre interpreta uma comédia de três minutos em que um homem tenta convencer uma camponesa a dançar.

 

Aguilar usou essa química para criar um programa itinerante em 1964 que encontrou sua base americana não oficial em Los Angeles e cresceu em tamanho e lenda a cada ano. Estreando no Million Dollar Theatre e depois graduando-se no Los Angeles Memorial Sports Arena, no Anaheim Convention Center e no Pico Rivera Sports Arena, o evento divertiu centenas de milhares de fãs apaixonados.

 

Os shows geralmente começavam com Silvestre e Aguilar aparecendo juntos a cavalo, ela interpretando Dale Evans para Roy Rogers de seu marido. Os dois dividiram o palco e também receberam holofotes. Quando Antonio Jr. e Pepe cresceram, Silvestre incorporou facilmente seus filhos ao ato. Essa tradição perdurou até Aguilar se aposentar em 2005, mas sua família continuou com suas próprias carreiras.

 

 

Flor Silvestre em uma foto de 1975 do Los Angeles Times ao lado do marido, Antonio, e do filho Pepe (arquivos do Los Angeles Times)

 

“Fizemos os [passeios]para que as pessoas pudessem se divertir, para que pudessem desfrutar das tradições”, disse Silvestre em seu documentário de 2015.

Ela se aposentou principalmente da vida pública após a morte de Aguilar em 2007, permanecendo na propriedade da família em sua terra natal, Zacatecas. Silvestre aprovou que Pepe Aguilar revivesse o show da família nos últimos anos, que agora inclui seus netos.

Ela nunca se juntou. Simplesmente não era o mesmo sem seu amado Antonio.

“Estou pronto para partir, para ele, para onde ele está”, disse Silvestre em um ponto do documentário. Mas seu amor pelo que eles fizeram juntos lhe deu esperança para a vida após a morte.

“Lá no céu”, concluiu ela, “vamos fazer um show”.

Flor teve quatro filhos: Marcela Rubiales Francisco Rubiales, ambos de seu primeiro casamento, com o locutor Paco Malgesto, com quem ficou de 1953 a 1959; e Pepe Aguilar e Antonio Aguilar Jr., com seu segundo marido, o cantor Antônio Aguilar, com quem Flor se casou em 1959 e ficou até a morte dele, em 2007.

Flor Silvestre faleceu em 25 de novembro de 2020, aos 90 anos, de causas naturais na propriedade de sua família em Zacatecas.

“Ela deixou o exemplo de ser uma voz matizada da beleza de ser mãe e esposa”, Pepe Aguilar escreveu em um post no Instagram. “Ela deixou a alegria de dar testemunho de uma beleza que pensa e fala”.

(Fonte: https://istoe.com.br – EDIÇÃO Nº 27/11 – ISTOÉ GENTE / Da Redação – 28/11/20)

(Fonte: https://revistaquem.globo.com/QUEM-News/noticia/2020/11 – QUEM NEWS / (Por Léo Gregório) – REDAÇÃO QUEM, DO HOME OFFICE – 27 NOV 2020)

(Fonte: Los Angeles Times – MÚSICA / TRIBUTO / MEMÓRIA / por Gustavo Arellano – NOV. 27, 2020)

Gustavo Arellano é colunista do Los Angeles Times. Anteriormente, ele trabalhou na OC Weekly, onde foi repórter investigativo por 15 anos e editor por seis, escreveu uma coluna chamada ¡Pergunte a um mexicano! e é o autor de “Taco USA: How Mexican Food Conquered America.”

Powered by Rock Convert
Share.