André Emmerich, foi um influente comerciante de arte de Manhattan, e que também montou espetáculos importantes de arte pré-colombiana

0
Powered by Rock Convert

André Emmerich, eminente negociante de arte

 

 

André Emmerich (Frankfurt em 11 de outubro de 1924 – Manhattan, 25 de setembro de 2007), foi um influente comerciante de arte de Manhattan, cuja galeria foi uma das primeiras campeãs da década de 1950 e 1960, e que também montou espetáculos importantes de arte pré-colombiana.

 

 

Suave, erudito e sem defeitos, Emmerich presidiu um extenso estábulo de artistas contemporâneos americanos e europeus de 1954 a 1998, montando apresentações elegantes em suas primitivas e discretas galerias, primeiro na East 64th Street e depois, de 1959 a 1998, no edifício Fuller na 57th Street.

 

 

Além dos pintores da Color Field, como Morris Louis, Kenneth Noland e Helen Frankenthaler, ele representou, entre outros, David Hockney, Sam Francis, Anthony Caro, Her Helder, Herbert Ferber, Karel Appel, Pierre Alechinsky e John Hoyland.

E numa época em que as principais galerias ainda mantinham cotas para artistas femininas, Emmerich não se dava bem. Ele montou o trabalho de várias mulheres além de Frankenthaler, entre elas Beverly Pepper, Anne Truitt, Miriam Schapiro e Judy Pfaff.

Ele também lidou com propriedades de muitos artistas, incluindo os de Milton Avery, John Graham e Hans Hofmann. Em seu auge, a galeria de André Emmerich tinha filiais no SoHo e em Zurique.

 

 

Em 1982, ele tomou um lugar pouco promissor em Pawling, NY, e transformou-o em um parque de esculturas de 150 acres chamado Top Gallant. Ele dirigiu até 1996, e exibiu obras em grande escala de Caro, Alexander Liberman, Alexander Calder, Mark di Suvero e George Rickey, bem como o trabalho de artistas jovens emergentes como Keith Haring. Uma piscina tinha seu interior pintado com ondas simuladas pelo Sr. Hockey.

 

 

Sempre interessado no trabalho de povos antigos, André Emmerich montou exposições perspicazes de arte pré-colombiana e antiguidades clássicas. Ele se tornou uma autoridade na arte pré-colombiana, dando palestras e escrevendo dois livros sobre o assunto: “Arte Antes de Colombo” (1963), e “Suor do Sol e Lágrimas da Lua – Ouro e Prata na Arte Pré-Colombiana” ( 1965), uma pesquisa acadêmica. Ele parou de mostrar o trabalho por causa das crescentes restrições à exportação.

 

 

Em 1996, André Emmerich vendeu sua galeria para a Sotheby’s, mas continuou a dirigi-la. Depois de uma corrida de 45 anos, no entanto, foi fechado pela Sotheby’s em 1998.

oexploradorPowered by Rock Convert

 

 

André Emmerich havia trabalhado recentemente em uma autobiografia, “My Life With Art”, com trechos publicados em Art News, The Wall Street Journal e The New Criterion.

 

 

André Emmerich nasceu em Frankfurt em 11 de outubro de 1924, para Hugo e Lily Emmerich. Sentindo o surgimento do anti-semitismo na Alemanha, eles levaram André, aos 7 anos, e sua irmã mais nova, Nicole, para Amsterdã. Em 1940, quando ele tinha 15 anos, a família emigrou para os Estados Unidos, estabelecendo-se no Queens. Ele se formou no Oberlin College em 1944, aos 19 anos.

 

 

Por 10 anos ele viveu em Paris, onde foi escritor e editor, trabalhando nas revistas Réalités e Connaissance des Arts, na edição de Paris do New York Herald Tribune e no Time-Life International. Mas, interessado em arte e seguindo o exemplo do pai de sua mãe, um negociante de arte em Paris, deixou a publicação para retornar a Nova York e dedicar-se à representação de artistas.

Embora alguns de seus artistas fossem o que se poderia chamar de propriedades quentes, Emmerich não aprovou a compra de arte para investimento. “A arte tem muito mais a ver com o intestino do que com qualquer outra coisa”, disse ele a um entrevistador.

André Emmerich atuou duas vezes como presidente da Associação de Revendedores de Arte da América e permaneceu ativo em seu conselho.

 

 

Homem meticuloso, André Emmerich não hesitou em mostrar seu descontentamento quando um membro da equipe deixou o topo de uma caneta de marcação. Por outro lado, disse Caro, falando por telefone de seu estúdio na Inglaterra, Emmerich demonstrou grande desenvoltura ao lidar com seu estábulo que às vezes tentava.

 

 

“Foi incrível como ele conseguiu todos os nossos comprimentos de onda”, disse Caro. Ele acrescentou: “Ele era leal. Ele tentou fazer uma coisa difícil, trazendo arte difícil para o público e nunca se preocupando como foi recebido. Se não foi, ele ficou com ela.

André Emmerich morreu em 25 de setembro de 2007, em sua casa em Manhattan. Ele tinha 82 anos.

Sua esposa, Susanne, que confirmou a morte, disse que teve um derrame no início deste mês.

(Fonte: Companhia do New York Times – ARTE / De GRACE GLUECK – 26 de set de 2007)

Powered by Rock Convert
Share.