Foi pioneiro da música eletroacústica

0
Powered by Rock Convert

Compositor francês é coautor de ‘Psyché rock’, usada nos cinemas, na publicidade e por Fatboy Slim, Saint Germain e Dimitri from Paris.

 

O compositor francês Pierre Henry, pioneiro da música eletroacústica (Imagem: Divulgação)

 

Compositor incorporou sons não musicais a suas obras e foi remixado por DJs nos anos 1990

Pierre Henry (Paris, 9 de dezembro de 1927 – Paris, 5 de julho de 2017), compositor francês, pioneiro da música eletroacústica e que foi um dos inspiradores da eletrônica.

Considerado por algumas pessoas o “avô da música tecno”, Pierre Henry preferia ser definido, sem modéstia, como o “pai da música moderna”.

Compositor que ajudou a dar as bases para a música eletroacústica, e com o seu uso inovador de sons não musicais, ele deu a partida no movimento de música concreta, junto com o parceiro Pierre Schaeffer, através de seu trabalho no estúdio RTF de Paris. Em 1950, Henry e Schaeffer criaram juntos a “Symphonie pour un homme seul”, obra que utilizava sons do corpo humano.

Pierre Henry começou a experimentar aos 15 anos com sons produzidos por vários objetos e ficou fascinado com os procedimentos de incorporação do ruído à música. Ele estudou com Nadia Boulanger, Olivier Messiaen e Félix Passerone (1902-1958) no Conservatório de Paris de 1938 a 1948.

Seu nome está associado à “música concreta” (ruídos ou sons gravados) fundada por Pierre Schaeffer (1910-1995), movimento ao qual está vinculada a maior parte de suas mais de 100 obras.

Nascido em 9 de dezembro em 1927 em Paris, Pierre Henry entrou aos 9 anos no Conservatório. Entre os seus mestres conta-se igualmente Nadia Boulanger, que ensinou personalidades tão distintas como o músico Quincy Jones, os compositores Aaron Copland e Philip Glass ou o maestro John Eliot Gardiner.

Pierre Henry foi discípulo do compositor francês Olivier Messiaen (1908-1992), o criador de “O Banquete Celeste” e de “Visões do Amen”, determinante para a contemporaneidade da música na segunda metade do século XX, que também teve Pierre Boulez e Karlheinz Stockhausen entre os seus alunos.

Em 1950, compôs ao lado de Schaeffer, com quem havia fundado o Grupo de Estudos de Música Concreta, “Sinfonia para um homem sozinho”, que utiliza a técnica do “piano preparado”: vários objetos são inseridos entre as cordas e a caixa de ressonância.

Sua música era metafísica e humana. Permeada por ruídos diversos, objetos cotidianos e estridências, era propícia à imaginação, como ele mesmo afirmava.

Powered by Rock Convert

Ele inspirou muitos coreógrafos, como George Balanchine, Merce Cunningham e Maguy Marin. Mas sua colaboração mais criativa aconteceu com Maurice Béjart, com quem compôs 15 obras, entre elas “Missa para o tempo presente”.

Deste álbum, a melodia eletrônica “Psyché Rock”, coescrita com Michel Colombier, teve grande sucesso comercial e foi utilizada diversas vezes no cinema, na publicidade e por artistas da música eletrônica como Fatboy Slim, Germain e Dimitri from Paris.

Entre as obras do compositor francês destacam-se “Astrologie ou le miroir de la vie” (1952), a primeira peça de música concreta para cinema, e “Messe pour le temps présent”, concebida como um bailado, que contou com a colaboração do coreógrafo Maurice Béjart.

A sua produção para dança fez-se aliás com outros coreógrafos como George Balanchine, Merce Cunningham.

Concebeu também instalações para artes plásticas com artistas como Yves Klein, Georges Mathieu e Nicolas Schöffer, entre outros.

Pierre Henry, em 2008, seu estúdio caseiro – (Reprodução da internet)

Num inquérito do jornal britânico The Guardian, de 2006, sobre as suas obras musicais preferidas, Pierre Henry indicou, a Missa em Si menor, de Johann Sebastian Bach, por ter sido aquela que o fez querer ser compositor, e “Trois Petites Liturgies de la Presence Divine”, de Olivier Messiaen, que o acompanhou no desenvolvimento do conceito da música concreta.

Indicou também “Weasels Ripped My Flesh”, de Frank Zappa, por lhe ter revelado as possibilidades da eletroacústica, a canção de “Tu T’Laisses Aller”, de Charles Aznavour, por que se apaixonou, e “Blues Theme”, do guitarrista Davie Allan, composta para a banda sonora de “The Wild Angels”, de Roger Corman, por ter inspirado “Interieur/ Exterieur” (1996), uma das suas maiores obras.

Para Pierre Henry, a “música não era feita apenas de notas musicais teóricas, e sim de sons como o ruído de uma porta, do vento ou da chuva”, disse.

Pierre Henry faleceu aos 89 anos em Paris.

“Pierre Henry integrava ao lado de Schaeffer e (Karlheinz) Stockhausen o grupo dos grandes decifradores sonoros do século XX, que mudaram a forma de conceber a música”, disse à AFP o compositor francês Jean-Michel Jarre.

(Fonte: https://musica.uol.com.br/noticias/afp/2017/07/06 – ENTRETENIMENTO – MÚSICA/ AFP/ Paris (FRA) – 06/07/2017)

(Fonte: http://www.dn.pt/artes – DIÁRIO DE NOTÍCIAS – ARTES – FRANÇA – 06 DE JULHO DE 2017)

(Fonte: https://oglobo.globo.com/cultura – CULTURA/ POR O GLOBO – 06/07/2017)

Powered by Rock Convert
Share.